Tecnologia

Radiofrequência é usada para tratar câncer de fígado

Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal (CAPES), Paulo Roberto dos Santos, doutorando em Sistemas Mecatrônicos pela  Universidade de Brasília (UnB) participa do desenvolvimento de um equipamento médico para tratar o câncer de fígado. Chamado de SOFIA – sigla em inglês para Sistema de Ablação Empática por Radiofrequência – o dispositivo destrói o tecido cancerígeno por meio de ondas de rádio. O projeto é coordenado por Adson Rochapor, professor de Engenharia Elétrica da UnB, e promete ser uma alternativa de tratamento eficaz e menos invasiva.

O protótipo, de fácil manejo e com monitoramento de dados, funciona a partir de um sistema de agulhas que, inseridas na pele, são guiadas por ultrassom ou tomografia computadorizada até o tumor. Ali, a ponta da agulha se abre e as células cancerígenas são queimadas. “Essa técnica é conhecida como ablação hepática por radiofrequência e se apresenta como opção viável, por exemplo, para pacientes idosos que não podem ser expostos a uma cirurgia com grande abertura de tórax”, afirma Paulo Roberto.

Adson Rochapor, professor de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília - UnB e Paulo Roberto, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sistemas Mecatrônicos da Universidade de Brasília - UnB (Foto: Divulgação)

O projeto apresenta resultados satisfatórios e diversas vantagens. O procedimento é rápido, a incisão, mínima, o tempo de internação, curto, e a recuperação, breve. “O aparelho é inovador. Um dos diferenciais frente ao equipamento utilizado atualmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é o tamanho da área de queima, podendo ser aplicada em tumores de até cinco centímetros de diâmetro, enquanto o padrão atinge, no máximo, três”, explica o coordenador.

Um dos objetivos do projeto foi superar limitações relacionadas ao custo do tratamento. Segundo Paulo Roberto, hoje, no Brasil, todo equipamento usado é importado. SOFIA vem como uma solução tecnológica de ponta, 100% nacional, 20 vezes mais barata, segura e eficaz para tratar a população brasileira. A versão atual do dispositivo está pronta para a realização de testes clínicos. O próximo passo é o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES.

Leia também: Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Você também pode querer saber: Como estabelecer metas de estudos.

Fonte: gov.br/capes

SEU APOIO É IMPORTANTE!
Sua assinatura não somente ajudará no fornecerá notícias precisas, mas também contribuirá para o crescimento do bom jornalismo que ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras.

Obrigado pelo apoio!

Tornando-se assinante Prêmio!

Através do link abaixo você obtém 25% de desconto, também contribuirá com ações voltadas a proteção de animais em situações de abandono, e vítimas de maus tratos. Acesse o link ou escaneie o QRcode o abaixo e obtenha o desconto promocional e contribua com a causa animal!

LINK ASSINATURA ANUAL PAGAMENTO ÚNICO

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo