História

Rostos, testemunhos de 101 sobreviventes de atrocidades nazistas no Reino Unido capturados em novo livro

Retratos para a posteridade: Fotografias de sobreviventes do Holocausto na Grã-Bretanha, começou como uma única oportunidade de foto antes de se transformar em uma exposição e depois em um livro.

Se as imagens valem mais que mil palavras, então os retratos de tirar o fôlego de sobreviventes do Holocausto de Matt Writtle devem preencher uma biblioteca inteira.

Por mais de dois anos, Writtle, ao lado do curador Jan Marsh e do gerente de projeto Jacki Reason, viajou pelo Reino Unido para fotografar e registrar os testemunhos pessoais de 101 sobreviventes das atrocidades nazistas.

Trinta das fotografias foram exibidas inicialmente na Prefeitura em 2007 e agora, mais de uma década depois, Writtle reuniu a coleção em um novo livro, “Retratos para a posteridade”.

Escrevendo no prefácio, o gerente de projeto Reason explica que a ideia surgiu depois de visitar a exposição do Holocausto no Museu Imperial da Guerra pela primeira vez e perceber que um dos testemunhos em vídeo mostrava um rosto familiar.

“Ele era Roman Halter, que eu encontrava todos os dias na piscina e que morava a cinco minutos de distância”, disse Reason.

O nadador Marsh, que trabalhava na National Portrait Gallery, sugeriu a criação de um retrato de Halter e não demorou muito para que Reason solicitasse a ajuda de seu vizinho, Writtle, um fotógrafo freelance para o The Times.

Quando a proposta foi feita a Halter, sua resposta foi: “Sim, mas por que só eu?” A partir daí, ele apresentou o grupo a sua esposa Susie, que também era uma sobrevivente, e os colocou em contato com o Centro de Sobreviventes do Holocausto e com a Sociedade de Ajuda de ’45.

Começando com um retrato e testemunho, eles rapidamente progrediram para 30 e depois 100 – “adicionando mais um para dar sorte”, escreve Marsh.

Eles viajaram de Londres a Manchester, Leeds e Hove, e os retratos foram exibidos por todo o país, da Cornualha a Liverpool.

Os retratos exibidos causaram impacto. Medindo 20 “por 16”, os visitantes se encontravam olhando para os rostos em tamanho natural de mais de 100 homens e mulheres que testemunharam a barbárie do regime nazista e, mais importante, sobreviveram.

Mas apesar do sucesso das exposições, Writtle sempre sentiu que a coleção seria “perfeita como um memorial permanente em um livro”, não apenas para preservar sua história para as gerações futuras, mas também para torná-la mais acessível ao público em geral.

“As razões por trás disso são claras e óbvias, no sentido de que o livro é um lembrete a todos, especialmente nos tempos contemporâneos, para olhar e ver o que essas pessoas tiveram que suportar”, explica Writtle.

“Isso é o que os seres humanos fazem aos outros seres humanos. Diante da nacionalização e do protecionismo que existem atualmente, não é muito difícil pensar que algo assim pode voltar a acontecer ”, afirma.

Desde o início, Writtle queria contar as histórias dos sobreviventes pelo poder das lentes e sugeriu que os retratos deveriam relatar suas contribuições individuais para a sociedade britânica. Mas depois de discutir isso com Halter, ele percebeu que tudo o que era necessário era uma abordagem muito mais simples para uma mensagem mais poderosa.

Ele explica: “Eu escolhi o preto para simbolizar o horror do Holocausto e usei a luz como um símbolo de sua sobrevivência.”

Lili Pohlmann e, à direita, com sua mãe em 1954. (Cortesia / via Jewish News).

Usando filme e uma câmera de médio formato, ele fixou uma única luz no alto e sobre o ombro de seu assunto, enquanto três refletores cercavam a lente de sua câmera. O efeito resultante foi que o sobrevivente não pôde vê-lo nem ao seu assistente durante a filmagem, permitindo que ele capturasse até mesmo o menor momento de contemplação.

“Você os veria começar a entrar em suas próprias mentes, perdidos em seus pensamentos – e era então que eu tirava a foto”, acrescenta Writtle.

A maioria dos sobreviventes ficava em silêncio durante a filmagem, preparando-se para falar sobre suas experiências depois.

“Mas às vezes havia ocasiões em que os sobreviventes falavam e isso era quando havia lágrimas por trás das câmeras”, revela Writtle. “Ainda não consigo acreditar que as pessoas fariam isso com outras pessoas.”

Thomas Konrad agora, à esquerda e retratado em 1949. (Cortesia / via Jewish News).

A história de um sobrevivente que ficou com Writtle é a de Eva Clarke. “Lembro que ela entrou e observei que ela não parecia velha o suficiente para ser uma sobrevivente”, diz ele. “Ela olhou para mim e disse: ‘É engraçado você dizer isso. Vou lhe contar minha história em um momento.

“Sentei-me e ouvi a sua história. Sua mãe pesava apenas seis quilos [84 libras] e estava na parte de trás de uma carroça subindo para a câmara de gás, quando os Aliados começaram o bombardeio. Ela então entrou em trabalho de parto e teve que dar à luz na parte de trás desta carroça, em silêncio, sozinha, enquanto outras prisioneiras tentavam cobri-la. Se ela tivesse sido descoberta, os guardas teriam atirado nela e no bebê.

“Existem tantas histórias horríveis, mas aquela para mim realmente se destacou”, diz Writtle.

Tendo tido o privilégio de conhecer tantos sobreviventes do Holocausto, Writtle reconhece que eles têm um “estoicismo especial”.

“Quando você os conhece, eles podem ser minha avó, um membro da família, alguém que é exatamente como você e eu – e isso realmente foi muito poderoso para mim, porque mostra que o Holocausto pode acontecer com qualquer pessoa”, diz ele. “Mas, ao mesmo tempo, não há dúvida de que são seres humanos impressionantes, porque experimentaram algo tão horrível e ainda assim foram capazes de continuar com suas vidas.”

“Retratos para a posteridade: Fotografias de sobreviventes do Holocausto na Grã-Bretanha”, de Matt Writtle, está agora disponível no site de Writtle .

Leia também: Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Você também pode querer saber: Como estabelecer metas de estudos.

Fonte: Fonte: http://www.timesofisrael.com

SEU APOIO É IMPORTANTE!
Sua assinatura não somente ajudará no fornecerá notícias precisas, mas também contribuirá para o crescimento do bom jornalismo que ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras.

Obrigado pelo apoio!

Tornando-se assinante Prêmio!

Através do link abaixo você obtém 25% de desconto, também contribuirá com ações voltadas a proteção de animais em situações de abandono, e vítimas de maus tratos. Acesse o link ou escaneie o QRcode o abaixo e obtenha o desconto promocional e contribua com a causa animal!

LINK ASSINATURA ANUAL PAGAMENTO ÚNICO

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo