News

Sem casa, sem dinheiro e sem esperança nas ruas brasileiras

-De acordo com a Pesquisa Nacional da População em Situação de Rua divulgada em maio de 2019 pelo Ministério da Cidadania, o Brasil hoje tem mais de 1,17 milhão moradores de rua.

-Nos últimos sete anos, o número de famílias sem-teto aumentou cerca de 16 vezes.

No domingo (10.01.21), Carlos da Silva, um morador de 39 anos, dormia sobre placas de caixas de papelão amassadas em uma calçada da zona leste da cidade, quando um homem saltou sobre seus pés e derramou no chão um líquido inflamável seguido de um palito de fósforo aceso. Quando o líquido inflamável incendiou, o homem fugiu e o Sr. Da Silva se transformou em uma bola de fogo e se arrastou pela rua, gritando por socorro. Quando foi levado ao hospital, seu corpo apresentava 70% de queimaduras e foi declarado morto. A polícia encontrou um galão de combustível no local do crime, mas ainda não encontrou o autor do crime. A maioria dos desabrigados da área desapareceram no dia seguinte.

À medida que aumenta o número de desabrigados nas ruas desta megalópole, também aumentam os ataques violentos contra eles que vivem em constante medo.

Vivendo no limite

Em um canto úmido de um túnel que liga os bairros nobres da cidade à Avenida Paulista, a área de torres de vidro e cromo que lembra Manhattan, Janice, 28, mora com seus dois filhos e um cachorro. A área está repleta de sacos plásticos, cobertores molhados e carrinhos quebrados. O fedor é insuportável, mas Janice o chama de lar, que sua família divide com outras 20 pessoas e cinco cachorros. “Estamos sempre no limite, prontos para correr. Às vezes, os funcionários municipais vêm aqui e nos jogam água. Às vezes, a polícia nos expulsa ”, disse Janice. “Não tenho para onde ir”, disse a mulher que trabalhou como faxineira em uma padaria por sete anos, antes de perder o emprego, as economias e a casa nos últimos três anos.

De acordo com a Pesquisa Nacional da População em Situação de Rua divulgada em maio de 2019 pelo Ministério da Cidadania, o Brasil hoje tem mais de 1,17 mil moradores de rua; e nos últimos sete anos, o número de famílias sem-teto aumentou cerca de 16 vezes. De acordo com a pesquisa do governo, de todos os moradores de rua no país, 82% são homens entre 25 e 44 anos; 67% deles são marrons ou pretos; e 64% deles com ensino fundamental incompleto. Com a economia paralisada e medidas de extrema austeridade impostas à população nos últimos três anos, a população sem-teto explodiu em todo o país. “Abandonamos as pessoas mais vulneráveis ​​de nossa sociedade cortando maciçamente o bem-estar social. Sem emprego e dinheiro, as pessoas estão vivendo nas ruas. Isso também está criando tensões sociais à medida que os crimes menores aumentam, ”Diz um funcionário federal do Ministério da Saúde, falando sob condição de anonimato. “Estamos diante de um grande problema social.”

Acesse o PDF

As pessoas que sofrem o impacto deste problema são aquelas que não têm um teto sobre suas cabeças, pouco dinheiro para comer e que são constantemente pressionadas pela polícia e pelas pessoas comuns que as veem como criminosos em potencial. De acordo com os registros do Ministério da Saúde, ocorreram 17.386 casos de violência entre 2015 e 2017, cujo principal motivo foi a situação de rua da vítima. Houve um grande aumento nos ataques a moradores de rua no Rio de Janeiro, onde seu número triplicou nos últimos anos para 15.000, incluindo milhares que foram de outros estados para trabalhar antes da Copa do Mundo de 2014, das Olimpíadas do Rio de 2016 e depois perderam seus empregos. “Há apenas três anos, havia muito poucas pessoas morando nas ruas aqui. Agora, até os pontos turísticos estão cheios deles ”, diz José Moreira, morador de Copacabana. “Os moradores da classe média querem que eles sejam expulsos. Há muita tensão no ar.”

3.580.000 apartamentos necessários

O Rio, que está quase falido, enfrenta um grande desafio, mas São Paulo não está melhor. Segundo estimativas do governo estadual, para acabar com o déficit habitacional na cidade, São Paulo precisa construir 3.58 mil apartamentos ou casas ao custo de R$13 bilhões. Nem a cidade, nem o governo estadual e federal falam em enfrentar o problema.

Nessas condições terríveis, os sem-teto de São Paulo – e de outras cidades – passaram a ocupar prédios antigos e abandonados, principalmente no centro da cidade. Muitos desses prédios estão decrépitos, mas oferecem abrigo e uma sensação de segurança às famílias sem-teto. “Não consigo dormir à noite porque estou preocupada com meus filhos”, diz Janice, que procura vaga em um prédio “ocupado”. “Pelo menos, alguém não vai queimar você vivo enquanto você estiver dormindo.”

Press com Shobhan Saxena by The Hindu


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Paulo Fernando De Barros

Colunista e editor para a Noruega em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo