News

Amapá tem a menor taxa de letalidade por covid-19 do Brasil

Índice de 1.4% foi registrado nesta segunda-feira, 26, e é menor até mesmo que a média nacional, que é de 2.7%

O Amapá tem a menor taxa de letalidade por covid-19 do Brasil: 1.4% – índice inferior ao de todos os outros estados brasileiros, e até mesmo do que a média nacional, que é de 2.7%. Os dados são do Ministério da Saúde, e foram abordados pelo governador Waldez Góes durante live nesta segunda-feira, 26.

O índice é resultado das medidas de proteção à vida adotadas pelo Governo do Amapá para enfrentamento à doença, como o aumento da retaguarda na saúde e o lockdown – implementado em 16 de março de 2021 para conter o avanço do novo coronavírus no estado.

Atualmente são 1.517 óbitos por covid-19 no Amapá. Em estimativas feitas pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coesp), caso o estado possuísse a taxa nacional de 2,7%, o cenário seria pior, com quase três mil mortes. Ao comparar com a taxa do estado do Rio de Janeiro, que é de 5.9%, o quantitativo seria maior ainda, perto de 6 mil óbitos.

Góes lembrou que o lockdown foi implementado em um período onde o estado precisava conter a multiplicação do vírus, principalmente com a nova cepa, que é mais letal e mais transmissível. Ele também alertou que, mesmo com a flexibilização iniciada, a população precisa continuar mantendo as medidas de prevenção, como o uso da máscara.

“Nosso compromisso é com a vida das pessoas. Todas as medidas que adotamos são com base na ciência. Assim, conseguimos reduzir os índices e, hoje, apresentamos números inferiores à média nacional e de muitos estados brasileiros, como é o caso das taxas de letalidade, de óbitos e de ocupação de leitos. Isso só foi possível com a contribuição da população nos cuidados preventivos e distanciamento social”, afirmou Góes

De acordo com o superintendente de Vigilância em Saúde, Dorinaldo Malafaia, essas estimativas só comprovam que as medidas adotadas pelo Governo do Estado foram eficazes.

“Estávamos em uma crescente quando adotamos o lockdown. A decisão correta no momento certo é fundamental para a eficácia, e o resultado positivo os dados demonstram, com o alcance do achatamento da curva”, explicou Malafaia.

De acordo com o consórcio dos veículos de imprensa, o Brasil registrou, somente nos quatro primeiros meses de 2021, 195.949 mil mortes pelo novo coronavírus – um índice superior ao quantitativo de mortes durante todo o ano de 2020, período onde foram registrados 194.976 óbitos pela doença.

No Amapá a situação é oposta: nos primeiros quatro meses de 2021, foram 563 mortes, número menor que os casos registrados durante todo o ano de 2020 no estado.

Redução nos índices

Quando se compara o cenário da covid-19 no Amapá em 27 de março – início do lockdown – e em 24 de abril, é possível observar redução em diferentes fatores. Um deles é o ritmo de transmissão da doença que era de 1.14 e, após o lockdown, reduziu para 0,95 – quantitativo positivo para diminuir o contágio, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pois está abaixo de 1.

Também houve redução na média móvel de novos casos por dia, que era de 554, e,  reduziu para 176 –  68,23% de casos a menos.  Os atendimentos e entregas de receitas nas Unidades Básicas de Saúde também reduziram. No início, foram 976 atendimentos por dia e 753 receitas distribuídas, ao término foram 410 atendimentos e 318 receitas entregues.

Antes da medida mais restritiva, o estado atingiu 94,17% de taxa de ocupação de leito UTIs  e 83,33% de leito clínico – um dos principais motivos para implementação do lockdown.  Como resultado, a taxa  reduziu para 56,74% de ocupação de leitos UTIs e de 51,26% de ocupação de leitos clínicos, evitando um colapso na saúde amapaense.

Também houve redução nas mortes por covid-19: na semana epidemiológica do dia 27 de março foram registrados 53 óbitos, já na semana epidemiológica de 24 de abril, foram 22 mortes pela doença. 

Além disso, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), atualmente, o Amapá possui a terceira menor taxa de ocupação de leito UTI do país, resultado da ampliação na retaguarda da saúde. Em 45 dias, o Governo do Amapá abriu mais de 100 leitos. 

“Esses investimentos refletem diretamente na avaliação do grau de risco do estado. Ano passado no pico tínhamos 215 leitos, agora temos mais de 360 leitos destinados aos pacientes com covid-19”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Juan Mendes.

Agora, o governo inicia a retomada responsável e gradual das atividades econômicas e sociais, além da implementação de medidas de proteção à vida e à economia para reduzir os impactos da pandemia. Um novo decreto com as medidas mais flexíveis foi publicado nesta segunda-feira, 26.

Fonte: Governo do Amapá


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo