News

Palestinian Education – Teaching Peace or War? / Educação Palestina – Ensinando a paz ou a guerra?

Como é a educação na Palestina e o que os estudantes aprendem?

Há poucos dias, tive a oportunidade de ver alguns vídeos de jovens palestinos falando sobre atentados suicidas e os benefícios de participar desse tipo de atentado suicida como uma entrada para o céu e como uma entrada para o paraíso. Apesar de alguma experiência substancial em terrorismo e no que está acontecendo no Oriente Médio, achei esses vídeos absolutamente chocantes – absolutamente chocantes que adolescentes, jovens palestinos atraentes, declarassem que o objetivo desejado na vida é ser um homem-bomba , para matar tantos israelenses quanto pudessem como uma entrada para o nirvana, para o céu, para o paraíso. Declara o senador Arlen Specter.

Esta audiência foi agendada com a maior brevidade possível, devido à nossa opinião de que esses filmes deveriam ser conhecidos pelo povo dos Estados Unidos e do mundo quanto ao que está acontecendo. Vimos e ouvimos muito sobre atentados suicidas, mas acredito que esses vídeos têm um retrato e uma descrição em um nível totalmente diferente.

Arlen Specter

Foi cogitada a realização desta audiência na subcomissão de Operações Estrangeiras, da qual sou membro, e discuti isso com o seu presidente, senador McConnell, e foi decidido prosseguir nesta subcomissão devido ao projeto de lei de dotações para Operações Estrangeiras está agora sob consideração pelo Senado pleno e considerou-se que esta era a melhor comissão para prosseguir.

Arlen Specter

Clique aqui para ler o relatório completo

Vídeo: Crianças pequenas empunhando armas e facas de brinquedo encenam cenas violentas em evento transmitido pela televisão do Hamas

O sistema educacional palestino refere-se ao sistema educacional na Cisjordânia e na Faixa de Gaza administrado pelo Ministério da Educação e Ensino Superior Palestino.

Desde 1948, a educação tem sido fundamental para o povo palestino. Segundo a UNESCO, a população é uma das mais alfabetizadas do mundo. Em 2018, 97% da população com mais de 15 anos sabia ler e escrever e 99% para a faixa etária de 15 a 24 anos. A proporção de analfabetos é maior nas áreas rurais e nos campos de refugiados.

O conflito de longa duração afetou enormemente as ofertas educacionais na Cisjordânia e em Gaza e há muitos desafios. A oferta educacional é caracterizada por infraestrutura insuficiente, falta de professores qualificados e acesso precário à educação em áreas marginalizadas. Muitos ataques à educação foram documentados na Palestina, e a destruição da infraestrutura é uma das maiores barreiras à educação.

Em 1994, um Ministério da Educação foi estabelecido sob a Autoridade Palestina, que é responsável por toda a educação em escolas públicas, privadas e administradas pela ONU em todos os níveis, incluindo o financiamento. A partir de 2002, passou a denominar-se Ministério da Educação e Ensino Superior. Em Jerusalém, a educação está sob a responsabilidade do Ministério da Educação de Israel e da administração municipal em Jerusalém.

Nos últimos 70 anos, a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo ( UNRWA ) tem trabalhado para garantir o direito a uma boa educação para crianças refugiadas palestinas. A UNRWA organiza serviços educacionais em Gaza e na Cisjordânia, bem como em campos de refugiados palestinos na Jordânia, Líbano e Síria. A UNRWA opera 711 escolas primárias, incluindo oito escolas secundárias no Líbano que oferecem educação básica gratuita para cerca de 526.000 crianças refugiadas palestinas. A maioria das escolas da UNRWA fica em Gaza e aqui mais da metade das escolas são administradas pela UNRWA.

Meninos palestinos seguram armas de brinquedo em uma peça realizada em Gaza como parte do ‘Festival Palestina para Crianças e Educação’, de abril de 2016 (notícias do Canal 2)

Pré escola

A educação pré-escolar (jardim de infância) é para crianças na faixa etária de 3 a 5 anos. Estes são administrados principalmente por organizações privadas e de caridade.

A educação pré-escolar não é obrigatória.

Escola primária

No sistema educacional palestino, há escola primária gratuita e obrigatória de 1-10. Passo. Isso inclui crianças de 6 a 16 anos. O material estatístico mostra vários números sobre a disponibilidade de escolaridade. De acordo com a UNESCO em 2018, mais de 98% das crianças vão para a escola primária. 56% das crianças também estão matriculadas na pré-escola. De acordo com a UNICEF, é de 95%. O UNICEF enfatiza que esses números não incluem as altas taxas de evasão. Aos 15 anos, cerca de 25% dos meninos e 7% das meninas abandonaram a escola. As crianças com deficiência apresentam uma taxa de abandono escolar mais elevada, de mais de 22% para os rapazes e 30% para as meninas dos 6 aos 15 anos.

A educação primária é fornecida pelo público (Autoridade Palestina), pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (comercial e não comercial).

Para o ano letivo 2015-2016, 1.053.513 crianças foram matriculadas de 1-10 ano em 1.285 escolas públicas, 353 escolas UNRWA e 316 escolas privadas na Palestina. Uma proporção igual de meninos e meninas está matriculada.

Educação secundária

De acordo com a UNESCO, 89% estão matriculados no ensino médio (2018). O ensino médio é de 2 anos. Isso inclui escolas que oferecem disciplinas vocacionais e competência de estudo geral. No final do ensino secundário, os alunos recebem um diploma e podem candidatar-se ao ensino superior.

O ensino superior é oferecido por atores públicos e privados (comerciais e não comerciais).

Ensino superior

De acordo com a UNESCO, a matrícula no ensino superior foi de 44% em 2018. Houve um grande aumento no número de alunos nas últimas décadas. Segundo o Ministério da Educação Nacional, a matrícula de alunos no ensino superior de 1993 a 2011 aumentou 940 por cento. Cada vez mais mulheres estão cursando o ensino superior. Em 2018, a UNESCO indica que 54% das mulheres e 35% dos homens estão matriculados..

De acordo com o PNUD, há um total de 53 instituições de ensino superior credenciadas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza (34 na Cisjordânia, 18 em Gaza e uma universidade aberta). Isso inclui universidades e faculdades tradicionais. Mais de 300 programas de estudo diferentes são oferecidos nessas instituições. Oferece principalmente programas de bacharelado de quatro anos e programas de mestrado de dois anos. O ensino superior na forma de doutorado e mestrado é menos comum em campos de refugiados e em áreas rurais.

Existem grandes barreiras para os alunos do ensino médio que desejam cursar o ensino superior. Políticas restritivas por parte das autoridades israelenses afetam os alunos, especialmente ao impedir que os alunos do ensino médio de Gaza continuem seus estudos na Cisjordânia. Estudantes palestinos que vivem em Jerusalém Oriental têm pouco acesso às universidades israelenses, e os formados pela Universidade Al-Quds têm dificuldade em obter aprovação formal para seus diplomas em Israel.

links externos


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré escolar, ensino básico, fundamental e médio!, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Paulo Fernando De Barros

Colunista e editor para a Noruega em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo