News

OIE reconhece seis estados como livres de aftosa sem vacinação

Paraná foi reconhecido como zona livre de peste suína clássica.

A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) reconheceu, ontem (27), os estados do Acre, Paraná, Rio Grande do Sul e Rondônia como áreas livres de febre aftosa sem vacinação. A certificação também foi concedida a 14 cidades do Amazonas e a cinco municípios do Mato Grosso. Além disso, o Paraná também foi distinguido como zona livre de peste suína clássica independente.

A decisão foi anunciada esta manhã, durante a 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE. 

“É uma importante conquista para a agropecuária brasileira”, comemorou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, durante uma webconferência da qual participaram representantes dos seis estados.

Ela lembrou que, até quarta-feira (26), apenas Santa Catarina desfrutava do reconhecimento internacional como área livre da febre aftosa sem vacinação. “Ela [o reconhecimento pela OIE] abre diversas possibilidades para que o ministério trabalhe para alcançarmos novos mercados para as carnes bovina e suína, bem como pela ampliação dos tipos de produtos exportados para os países aos quais já temos acesso”.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o reconhecimento da OIE, mais de 40 milhões de cabeças de gado, ou cerca de 20% do rebanho bovino, deixarão de ser vacinadas contra a doença. O que representará uma economia de aproximadamente R$ 90 milhões para os produtores rurais. Isso sem levar em conta a redução dos custos com a criação de suínos. De acordo com a ministra Tereza Cristina, quase metade do rebanho suíno se concentra nas áreas reconhecidas pela OIE.

Para a ministra, o reconhecimento exigirá do Brasil o “fortalecimento contínuo” dos serviços veterinários dos estados contemplados. “A responsabilidade do serviço veterinário oficial aumenta com esta mudança de status sanitário, cuja manutenção dependerá da continuidade do apoio e do investimento nos serviços de defesa agropecuária”, disse Tereza Cristina, atribuindo a decisão da OIE ao reconhecimento do “elevado padrão sanitário da nossa pecuária”.

Estados

O governador do Acre, Gladson Cameli, agradeceu a ajuda do Mapa e de parlamentares aos produtores rurais acrianos. “Não podíamos falar em deixar de vacinar, mas, hoje, temos esta carta branca.”

Já o governador do Amazonas, Wilson Lima, destacou que a decisão da OIE ajuda os estados que obtêm o reconhecimento a superarem eventuais desconfianças do mercado internacional. “Isso agrega valor ao que é produzido na região sul do estado, onde há um potencial muito grande para o agronegócio, um potencial muito grande não só para a pecuária, mas também para plantação de grãos”, disse o governador, nomeando as 14 cidades amazonenses distinguidas: Apuí, Boca do Acre, Canutama, Humaitá, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã, Pauini, Guajará, Envira, Eirunepé, Ipixuna, Itamarati e parte de Tapauá.

Em Mato Grosso, os cinco municípios contemplados com a decisão da OIE são Rondolândia e partes de Aripuanã, Colniza, Comodoro e Juína, na região noroeste do estado. Em nota, o governador Mauro Mendes comentou que o reconhecimento internacional pode impulsionar as exportações. “A carne mato-grossense alcançará mercados internacionais com melhores remunerações. Teremos a certificação que comprova que a carne daqui é produzida com sanidade e sustentabilidade”, disse.

O governador do Paraná, Ratinho Júnior, comemorou o reconhecimento em sua conta pessoal no Twitter. “O Paraná está livre de febre aftosa sem vacinação! Esse é maior anúncio do agronegócio do Paraná nos últimos 50 anos! Uma conquista histórica”.

Também o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, usou as redes sociais para comemorar a certificação internacional. “Dia de celebrar a certificação internacional do estado como zona livre de aftosa sem vacinação, para a qual batalhamos e nos dedicamos muito. É uma conquista da nossa equipe de governo, com todo o apoio do Mapa, mas é ainda mais dos pecuaristas”, escreveu Leite.

“Tenho certeza de que este acontecimento fortalecerá a região Norte. É um feito de suma importância para a valorização da nossa carne e do nosso rebanho. E, com certeza, em breve, conquistaremos todo o Brasil. Tenhamos a firmeza para continuarmos vigilantes”, comentou o vice-governador de Rondônia, José Atílio Salazar Martins.

Fonte: Agência Brasil


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo