News

Com ações contínuas, casos de dengue caem quase 80% no DF

Compartilhar

O combate ao mosquito Aedes aegypti é rotineiro; mesmo com a seca, a população deve manter todos os cuidados.

O trabalho da Diretoria de Vigilância Ambiental não para; graças a isso, os casos de dengue no Distrito Federal têm apresentado queda. As ações continuam sendo realizadas conforme a análise e integração de diversas áreas do conhecimento que preveem o estudo não só da doença, como também dos fatores condicionantes e determinantes na inter-relação entre a espécie humana e o meio ambiente.

Em 2021, até a Semana Epidemiológica 20 – resultados aferidos em 20 de maio deste ano –, foram notificados 7.058 casos prováveis de dengue, o que corresponde a uma taxa de incidência de 231,22 casos por 100 mil habitantes. Na comparação com o mesmo período de 2020, quando foram registrados 35.080 casos prováveis, os números deste ano apontam um decréscimo de 79,9%.

De acordo com o diretor da Vigilância Ambiental, José Carlos Natal, diversas são as ações específicas de combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite a doença. Entre essas, estão o tratamento focal com aplicação de inseticidas e larvicidas em territórios específicos, bloqueio focal e visitas domiciliares.

“Orientações quanto ao manejo de inservíveis, objetos que não servem mais – podem ser reservatórios de água parada, ou seja, lixo que serve como criadouro de mosquitos – e educação permanente da população em geral, necessariamente devem ser priorizadas em acordo com o fundamento epidemiológico e com as necessidades do público-alvo, levando em consideração a tríade de caracterização epidemiológica: pessoa, tempo e lugar”, explica Natal.

O diretor pontua que, no caso das arboviroses,“todo dia é dia D”, pois os surtos epidêmicos ocorrem de maneira sazonal com uma periodicidade que dá à Vigilância Ambiental alguma capacidade de previsão.

Ações continuadas

Natal salienta que ações periódicas são de extrema importância, pois requerem atenção permanente à dengue: “Apesar de o número de casos cair na época da seca, as ações de prevenção devem ser continuadas”. Por isso, orienta ele, é necessário que a população continue evitando a proliferação do Aedes aegypti.

Para o sucesso das ações contra a arbovirose, o trabalho da Vigilância Ambiental ocorre de maneira conjunta com a Vigilância Epidemiológica e por meio da Sala Distrital, na qual vários órgãos do GDF trabalham em parceria nas ações contra a dengue. Estão envolvidas as secretarias de Cidades, Agricultura, DF Legal, Educação, Comunicação, a Casa Civil, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), Novacap, Caesb, Corpo de Bombeiros Militar do DF, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Brasília Ambiental e administrações regionais.

Além disso, para manter o cenário positivo de diminuição de casos de dengue no Distrito Federal, é preciso que os cuidados continuem sendo praticados pela população dentro e fora de casa. Deve-se sempre evitar o acúmulo de água parada, que favorece a proliferação do mosquito da dengue.

Fonte: Agência Brasília


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo