Esportes

“Estou muito zangado comigo mesmo”, diz Sainz

Compartilhar

Um raro erro no meio da corrida de Carlos Sainz o viu cair na ordem no Grande Prêmio do Azerbaijão, depois de travar na Curva 8 e ser forçado a pegar a estrada de fuga. Foi um erro que deixou Sainz no P8 com a bandeira quadriculada – e, como disse à mídia após a corrida, “muito zangado” consigo mesmo.

Começando P5, Sainz havia perdido na primeira volta para o duro ataque da Red Bull de Sergio Perez, caindo para sexto. Mas depois de parar no final da volta 10, a volta de Sainz o viu travar em seus pneus duros na Curva 8 e patinar direto para a saída – com Sainz gritando em frustração no rádio da equipe após o erro antes de se desculpar com seu engenheiro.

Esse erro o deixou em 11º para 15º, o que significa que Sainz teve que lutar para ultrapassar nomes como Antonio Giovinazzi da Alfa Romeo para voltar aos pontos, eventualmente recuperando para P8 como companheiro de equipe e polesitter Charles Leclerc terminando em quarto.

“No momento estou muito zangado comigo mesmo”, disse Sainz após a corrida, “e com o fato de mais uma vez não ter conseguido montar um fim de semana inteiro e sofrido muito [com] os pneus … Ambos em o Safety Car reiniciou e na segunda largada eu estava lutando para sentir o pneu dianteiro. Eu estava travando muito na frente e isso me custou algumas posições hoje”.

Questionado sobre o travamento da Curva 8 em particular, Sainz disse: “Basicamente, quando saí dos boxes no hard, fiquei repentinamente surpreso com a falta de aderência. Na verdade, corremos o duro no FP1… e o aquecimento, provavelmente porque a pista estava muito mais quente, não foi tanto um problema. Mas quando saí dos boxes no hard eu estava um pouco confuso e estava lutando muito com o travamento frontal”.

“Na Curva 8 eu julguei mal a aderência que eu tinha e provavelmente perdi um pouco a concentração pensando em outras coisas e apenas freiei um pouco tarde demais, muito forte, o que significa que eu tranquei dois pneus dianteiros e decidi pegar a estrada de fuga em vez de bater”.

“Acho que perdi cerca de 20, 25 segundos de tempo de corrida, localizei meus dois pneus dianteiros e obviamente estava muito, muito bravo”, acrescentou. “A recuperação a partir daí com os pneus dianteiros um pouco vazios foi boa; Tive o ritmo que esperava e foi bom”.

“Mas, como eu disse, travei as frentes na Curva 2 em ambas as largadas e depois travei as frentes na Curva 8 com os pneus duros, então é definitivamente uma fraqueza que preciso resolver, parte da minha paciência com o carro e tentar fazer com que eu me sinta um pouco mais confortável nestas condições de pneu dianteiro, ver como posso ficar melhor nisso e ver como posso mitigar isso”.

Apesar das frustrações de Sainz, ainda havia muitos pontos positivos para a Ferrari tirar de Baku, tendo se surpreendido ao mostrar ritmo de conquista da pole position – embora tenham sido as quedas de Yuki Tsunoda e Sainz no final do Q3 que garantiram a pole position de Leclerc – enquanto o O resultado da corrida da dupla Scuderia viu a equipe passar à frente da McLaren para o P3 na classificação de construtores.

E Sainz estava tentando ver o lado bom no final de seu fim de semana do Grande Prêmio do Azerbaijão, dizendo à mídia: “Obviamente, o ritmo não foi um problema. O ritmo tem sido forte durante todo o fim de semana e o ritmo de corrida, embora tenha ficado um pouco atrás da Mercedes e da Red Bull, ainda estava forte. Ainda assim, considero os aspectos positivos, que o ritmo em si no carro é muito bom”.

“Mas tenho de melhorar… com a sensação de frio no pneu, com o bloqueio dianteiro e isso vai ajudar-me a fazer um fim-de-semana completo. E tenho certeza para a próxima corrida, uma vez que analisarmos isso, voltarei mais forte e mais confiante”.

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo