Esportes

Mercedes espera mais domínio, menos drama na França

Os fãs da Fórmula 1 podem reclamar, mas a Mercedes espera mais domínio e muito menos drama no Grande Prêmio da França neste fim de semana, após os reveses nas corridas de rua em Mônaco e Azerbaijão.

O circuito Paul Ricard em Le Castellet é amado mais por sua história e localização, empoleirado em um planalto acima da costa mediterrânea no ensolarado sul da França, do que por seu layout.

Dizer que a pista gerou poucas emoções desde seu retorno em 2018, após uma ausência de 28 anos, seria um eufemismo.

O heptacampeão mundial Lewis Hamilton venceu da pole em 2018 e 2019, sem nenhuma corrida no ano passado devido à pandemia, e um hat-trick faria bem enquanto o piloto da Mercedes busca retomar a liderança geral de Max Verstappen da Red Bull.

O britânico liderou todas as voltas em 2019, com a Mercedes comemorando sua 50ª dobradinha, mas marcou apenas sete pontos nas últimas duas corridas – sétimo em Mônaco seguido de 15º em Baku, após um raro erro quando estava em segundo lugar.

O campeão está quatro pontos atrás de Verstappen, que caiu em Baku após uma alarmante explosão de um pneu em alta velocidade, após seis rodadas.

O companheiro de equipe de Hamilton, Valtteri Bottas, não conseguiu marcar em nenhuma das corridas, sem culpa em Mônaco, depois que a equipe não conseguiu remover uma roda de seu carro até 43 horas depois que ele entrou para o pitstop.

O finlandês, fora de contrato no final do ano e com grandes especulações sobre sua vaga na equipe, precisa de um resultado forte.

“Saímos da traseira de dois circuitos de rua inadequados para o nosso carro, dois circuitos que sabíamos que seriam difíceis para nós e ficamos desapontados por perder um pódio e uma vitória devido aos nossos próprios erros”, disse o chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff.

“O Grande Prêmio da França significa retornar a um circuito mais tradicional e, com sorte, melhor sorte para nós.”

A Mercedes liderou todas as sessões de treinos em Le Castellet nos últimos dois anos e bloqueou a primeira linha da grelha.

Desta vez, a França é a primeira de uma rodada tripla em finais de semana sucessivos, com duas corridas no Red Bull Ring da Áustria em seguida.

Verstappen, duas vezes vencedor nesta temporada contra três de Hamilton, certamente levará a luta para a Mercedes, enquanto seu companheiro de equipe mexicano Sergio Perez será impulsionado por sua vitória em Baku.

“Estou me sentindo bem, mas tenho certeza que a Mercedes estará muito forte nas pistas ‘normais’ de novo”, disse Verstappen.

Enquanto isso, Charles Leclerc, da Ferrari, tentará uma improvável terceira pole consecutiva.

A corrida deve estabelecer uma linha sob a controvérsia do início da temporada de ‘asas flexíveis’, com a FIA introduzindo novos testes de flexibilidade para garantir que as equipes cumpram os regulamentos em todos os momentos.

Haverá também um protocolo revisado para aquecimento e pressão dos pneus após dois grandes estouros de Baku, com a Pirelli indicando que eles foram causados ​​pela forma como as equipes usaram os pneus durante a corrida.

O experiente australiano Daniel Ricciardo também está ansioso por um território mais previsível enquanto continua a se estabelecer na McLaren.

“Não acredito que vou dizer isso, mas estou meio animado para ir para Le Castellet”, riu Ricciardo depois de cair na qualificação em Baku.

“Basta obter uma pista bastante básica para talvez se safar com mais alguns erros. A familiaridade com isso e, em seguida, um duplo cabeçalho na Áustria, esperamos tornar esta fase de aprendizagem um pouco mais fácil”.

Fonte: Reuters


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo