Saúde

O Brasil vencendo o Covid-19 – Estatísticas Nacionais e Internacionais Oficiais – Quadro Comparativo

08/10/2021 20:23 | ATUALIZAÇÃO DOS NÚMEROS OFICIAIS

→ QUANTOS ATINGIDOS POR COVID EXISTEM HOJE NO BRASIL?

QUANTOS ÓBITOS?

QUANTOS TOTALMENTE RECUPERADOS?

QUAL A COMPARAÇÃO DO BRASIL COM PAÍSES DOS OUTROS CONTINENTES?

O BRASIL TEM AJUSTES A FAZER, MORTOS A LAMENTAR, MAS TAMBÉM MUITAS VIDAS SALVAS A SE COMEMORAR.

As informações aqui apresentadas seguem rigorosamente os registro oficiais de órgãos nacionais e internacionais.

Compare os números dos países que adotam ou não protocolos de tratamento precoce (imediato, inicial) aos doentes, além de vacinas.

Note, também, o importante número e índice de pessoas totalmente recuperadas no Brasil.

Veja registros oficiais logo após o vídeo.

Leituras complementares recomendadas – referências cruzadas:

  • Dados Oficiais – Números Nacionais e Internacionais – Quadro Comparativo [clique]
  • Tratados Internacionais desde Guerras Mundiais e Holocausto – Crime de Obrigatoriedade de Experimento Científico em Humanos – Bioética – Biodireito – Biossegurança – Vacina – Direitos e Deveres – Decretos e (i)Legalidades [clique]
  • Epidemia de efeitos adversos graves após vacinação coloca o mundo em alerta – Máscaras caem – a imprensa se cala [clique]
  • Manual Internacional de Ivermectina – Bomba científica – Novo fármaco, Ivermectina, gratuita por lei, surge como escudo e tem salvado famílias [clique]
  • Prêmio Nobel de Medicina vem ao Brasil – A parábola do casal de médicos e o passaporte sanitário [clique]
  • Membro da família real é infectado por Covid-19. De onde veio a cura? [clique]
  • Previsão da pandemia: Vírus perde efeito por força de decreto – O abraço voltou! [clique]
  • Tratamento Inicial – Audiência Pública entre autoridades federais, médicos e profissionais de saúde especializados [clique]
  • Evitar mortes é possível – Você também pode ajudar – Segredos simples que podem ser fatais ou vitais – Palavra do Dr. Diogo Viriato [clique]

COVID, MEDICAMENTOS OBRIGATÓRIOS EM ESTADOS E MUNICÍPIOS, VACINAS – DESVIOS DE FLUXOS E HEMORRAGIAS SISTÊMICAS: QUEM É O ABSORVENTE?

Em que pese esta coluna se dedique aos números do Covid-19, cabe ressalva sobre o descalabro que ocorre no parlamento, imprensa e grupos que alimentam o assunto sem responsabilizar a quem de direito.

Temos recebido provocações positivas, para versarmos a respeito dessa ocorrência, em especial, propondo alguma reflexão. A esses queridos seguem as ponderações infra.

Pessoas estão morrendo por falta de medicamentos obrigatórios, enquanto deputados, jornalistas e populares discutem absorventes. O próprio povo, que assim o faz, é responsável por seus eleitos, que causam terríveis desvios de fluxo, ao mesmo tempo em que tais eleitores se mostram anêmicos diante de superpoderes que absolvem culpados e torna o próprio cidadão em absorvente do sistema e da imprensa.

A população que não encontra medicamentos obrigatórios nas unidades de saúde, cuja verba é enviada pelo governo federal, passa meses e anos sem fármacos de uso contínuo, sem cobrar seus eleitos locais, mas que, de repente, resolve falar sobre absorventes. É um povo digno dos governadores, prefeitos, deputados e vereadores que elegeu.

Trata-se de sistema “paralamentar”, eleito por quem também não se preocupa com fiscalização da verba desviada, povo e políticos, responsáveis pelo sangramento do erário. Trata-se de hemorragia institucional que não resolve com tampões, mas com cirurgia.   

O que NÃO FALTA é verba federal para estados e municípios (peça para seu vereador apresentar os relatórios), em cumprimento ao programa de medicamentos do SUS: Rename e Remume (Relação Nacional e Municipal de Medicamentos). Muitos fármacos obrigatórios dessas listas são recomendados pela própria OMS (como a demonizada ivermectina).

Cada continente, país e regiões, possuem variações próprias da lista, conforme questões sanitárias locais.

No caso do Brasil, a União repassa fielmente a Estados e municípios (reiterando, peça a seu vereador os documentos), conforme plano nacional. Para onde desviam essas verbas (que chegam) já é outro assunto.

Hipóteses:

  1. Quem sabe, se trate de planejamento e separação antecipada de verbas para patrocinadores de réveillon ou carnavalescos, já que os decretos irão zerar números de contaminados para planejar folias de interesse “público”? O vírus é subordinado a decretos: você nunca desconfiou disso?
  2. Ou, talvez, os absorventes sejam assunto mais sério devido ao desvio de fluxo dos executivos e seus exércitos, sangrando cofres públicos em franca gestão militante?
  3. Se Rename e Remume (relações nacional e municipal de medicamentos) estão na regra e nos repasses, por que falta remédio nas unidades de saúde? Ou seriam só absorventes e preservativos? Há quanto tempo você ou seu ente querido precisa de um remédio (obrigatório e já pago por impostos), de uso contínuo, que está em falta na farmácia da unidade de saúde de seu bairro?
  4. Não foram pagos por meio de impostos para lá estarem? Não estão no pacote? Houve desvio? Desvio de verba? Desvio por parte de quem? Onde está seu vereador e deputado? Já exigiu dele que cobre prestação de contas do executivo municipal ou estadual, por meio de apresentação de relatórios ao público? Aquele que você elegeu é seu fiscal, e o que você faz a respeito, ao lhe dar um cargo tão importante?
  5. Seria, talvez, por desvio de caixas físicas de medicamentos, que saem dos armazéns de distribuição, com caminhões de rotas reprogramadas diretamente para as mãos de milícias, em verdadeiras fortalezas com infraestrutura e farmácia no interior de favelas, comunidades, associações ou o nome que se queira dar?
  6. Você sabia que há depósitos de medicamentos em morros, com soldados a serviço dos chefes, para atender a demanda local e para que foragidos não precisem se expor?
  7. Onde está o deputado e vereador que você elegeu? Ele está investigando isso? Quem é o culpado? O governador? O prefeito? O comissionado que há anos vive de cargo dado de presente por políticos? O servidor concursado que facilita o roubo? O patrocinador? O carnavalesco? O que desvia? O criminoso que recebe? O vereador que fecha os olhos? Você que os elegeu?

Como disse nosso caríssimo Dr. Alessandro Loiola: “É SÉRIO que, com a necessidade urgente de retomada econômica, de melhorias no sistema educacional, na segurança pública, na infraestrutura, na reforma do sistema tributário e diminuição do peso do Estado, o melhor que a Câmara dos Deputados pode fazer é discutir sobre absorventes?”.

Alguns brasileiros começam agora se preocupar com absorvente? E a respeito daquilo que sempre faltou na farmácia pública? Onde estavam até ontem, quando seu vizinho ou parente querido foi em desespero buscar um fármaco obrigatório e de uso contínuo, já pago por impostos, e recebeu a resposta no balcão “esse remédio está em falta”?      

Com máximo respeito, se existe corrupção, o povo que hoje reclama está um tanto atrasado, caso não tenha nenhuma prova de reclamação anterior, sobre medicamentos de uso contínuo obrigatórios em unidades de saúde.

É óbvio e ululante que queremos e exigimos providências. Mas, a lamentável verdade é que se trata de gente que vive de reclamar do já ocorrido, mas que nada fez para prevenir ou estancar o problema; sempre gritando, depois do malfeito.

Portanto, culpa recíproca. Até que a hemorragia seja estancada e deixemos de ser absorventes dos sangramentos interessantes aos políticos e jornalistas.

Considerado o preâmbulo, retornemos à atualização dos números oficiais do Covid-19, no Brasil e no mundo.


TABELA COMPARATIVA – REGISTROS OFICIAIS:

DESTAQUES:

  1. → BRASIL caminha para 96% de pessoas totalmente recuperadas. Tratamento precoce (inicial imediato) ainda é o melhor caminho e funciona para ineficácia de vacina!
  2. → ÍNDIA e países pobres da ÁFRICA mantêm taxa absurdamente menor de mortos do que em países muito mais ricos da EUROPA. Incrivelmente são os mesmos países que menos vacinaram e que fazem uso de ivermectina, há décadas distribuída em larga escala para tratar questões sanitárias locais, por recomendação da própria OMS, comparando-se com nações europeias.
  3. → DELTA. Epidemia de infectados e óbitos decorrentes da variação Delta prossegue em países com larga escala de vacinação. CDC admite pico de nova cepa em decorrência da própria vacina. Principais locais de surto de efeitos adversos e novas variantes: EUA, Tailândia e Israel, e diversos outros países. Dispara números de infectados e mortos. Compare com dados antes das vacinações.
  4. → MUNDO. Ao comparar números e gráficos, aquilo que jornalistas dizem e o que os fatos mostram, percebe-se a curva da taxa de óbitos explodindo, incrivelmente nos mesmos meses em que a ocorre vacinação em larga escala, em vários países.
  5. → CHINA permanece sem enviar dados atualizados aos controles internacionais.
  6. → CUBA – Verdadeira TRAGÉDIA. País que adotava medicamentos para tratamento precoce, e com baixíssima taxa de óbito, enfrenta o pior pesadelo de mortalidade coletiva. Motivo: Guerra civil e falta de atendimento à população. A taxa era de 113 mortos por milhão de habitantes, em 30/06/2021. Compare-se aos dados de hoje. Se existe o xingamento de genocida (que configura crime no Código Penal a quem use esse termo) para o presidente do Brasil (3º lugar no ranking de vacinação mundial e superior a 95% de totalmente curados), qual nome se dá à explosão do número de mortos em Cuba por falta de atendimento após início da guerra civil contra a ditadura comunista?
  7. → JAPÃO – A tradição explica os motivos de o fantástico povo japonês chamar a OMS de Organização CHINESA de Saúde, devido aos interesses de líderes políticos e ideologias a quem esse órgão mundial serve. Os japoneses não estão nem um pouco preocupados com corrida de vacinação ou passaporte sanitário. No entanto, uma das menores taxas de mortalidade do mundo, pelos tratamentos adotados, e a não entrarem no turbilhão vacinal experimental da Big-Pharma. Os números não mentem.

12/09/2021 00:12

Principais atualizações:

  • 14.029 novos casos e 180 novas mortes na Tailândia
  • 12.511 novos casos e 675 novas mortes no México
  • 1.755 novos casos e 1 nova morte na Coreia do Sul
  • 1.638 novos casos e 7 novas mortes na Austrália
  • 23 novos casos na Nova Zelândia

Conheça outra maneira de noticiar a situação da Covid-19:

  • Há no BRASIL, hoje (12/09/2021 00:03), um total de 20.029.040 casos RECUPERADOS, Ou seja, totalmente curados, o que representa 95,43%. Como essas pessoas não são alvo de vacinação, isso significa que tratamento imediato (precoce) ainda é o melhor caminho. Se esses indivíduos dependessem de vacina experimental, o número de recuperados (TRATADOS) não seria tão otimista.
  • Lamentável constatar o discurso de que a culpa é sempre do indivíduo, que está muito idoso, que possui comorbidades, etc., etc., etc., mas nunca ouvimos responsabilização dos imunizantes experimentais, que, sequer, poderiam ser chamados de imunizantes, exceto, se garantissem imunização.
  • Comece contabilizar quando alguém admitir o primeiro caso de que a causa do óbito tenha sido por FALTA DE EFICÁCIA da vacina (a pessoa contrai Covid, apesar de cumprir o esquema vacinal), ou falta de segurança (EFEITOS ADVERSOS imediatos ou tardios, e INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS por conta da vacina).
  • Registre-se: Somos a favor de vacinas, não experimentais, mas com níveis adequados, cientificamente comprovados de 1) segurança e 2) eficácia. Não é o caso até o momento, pelo menos cientificamente.
  • Em relação a óbitos, o Brasil tem 2.746,3 mortes por milhão de habitantes. Comparado à rica Bélgica, que tem 2.185,0 mortes por milhão, não se ouve falar sobre “caos na saúde” belga, a exemplo de diversos outros países europeus.
  • O Brasil, com 213.584.147 milhões de habitantes (até o fechamento desta edição), tem 373,534 mil casos ativos da Covid-19. A Inglaterra, com mais de 68 milhões de habitantes, tem o dobro: 1,3 milhão de infectados. Fez as contas? Quase 4 vezes mais casos! Compare:
 DADOS OFICIAISPOPULAÇÃOCASOS ATIVOS
BRASIL   213.584.147              373.566
INGLATERRA     68.311.940           1.295.757
  • É assim que se faz uma divulgação séria, comparando dados estatísticos, sem o viés político, sem deturpar os fatos!
  • O Brasil tem mostrado com competência e consciência, com pessoas informando pessoas, livrando da morte de informações falsas, e isso resulta em salvar muito mais pessoas do que boa parte dos países de primeiro mundo.
  • Não há negacionismo quando há números. Todos sabem o quanto esse vírus é perigoso. Mas agindo dentro do razoável, as estatísticas mostram resultados importantes para o Brasil, dentro dessa crise de saúde pública mundial.
  • Notícia boa tem que ser espalhada. Isso também se chama BOAS-NOVAS!

TABELA COMPARATIVA – REGISTROS OFICIAIS:

DESTAQUES:

  1. Brasil supera 95% de pessoas totalmente recuperadas. Tratamento precoce (inicial imediato) ainda é o melhor caminho e funciona para ineficácia de vacina!
  2. Países com epidemia de infectados e óbitos decorrentes da variação Delta. EUA, Tailândia e Israel (e outros países), possível fruto das próprias vacinas em larga escala (admitido pelo CDC). Dispara números de infectados e mortos. Compare com dados anteriores.
  3. China permanece sem enviar dados atualizados aos controles internacionais. Causa estranheza a imutabilidade de 3 mortos por milhão e demais informações.
  4. → Cuba – Verdadeira TRAGÉDIA: 549 óbitos por milhão (hoje). Compare aos 113, em 30/06/2021! Se existe o xingamento de genocida (ofensa que configura crime, segundo Código Penal) para líder de país que está em 3º lugar no ranking de vacinação mundial e superior a 95% de totalmente curados, que nome se dá à explosão do número de mortos em Cuba por falta de atendimento após início da guerra civil?

A Ciência é uma pequena embarcação chamada Razão navegando corajosamente em um oceano infinito de ignorância.

Dr. Alessandro Loiola

Nós temos que respeitar a ciência da beira do leito, a ciência da sensibilidade do médico. Isso é fundamental! Uma curiosidade: Me telefona um médico de Dallas – USA, e diz que estão querendo usar o nosso protocolo (PROTOCOLO COLAPSO). Eu passei, hoje, o protocolo para uma médica americana, influente em vários hospitais de primeira linha. Eu conversei, 3 meses atrás, com colegas de uma instituição americana de muito respeito, discutindo a fisiopatologia, e nós ganhamos os parabéns, não faz nem uma semana. Então, nós estamos exportando esse protocolo. O que eu quero dizer é que ciência se faz com estudos observacionais. Agora, imagine se eu fosse esperar 3 meses […] esperar estudo robusto, a gente não teria salvado ninguém. É isso que eu queria falar para vocês.

Dr. Roberto Zeballos
[…] sobre a disponibilidade da medicação […] Realmente ela não está bem disponível, e o Ministério da Saúde não tem todas as informações, porque, teoricamente, ele (MS) enviou para os lugares, porém, não estão disponíveis […] E, agora, também, nós temos a vida real (médica)! Isso tudo já deve constituir o suficiente para que gestores assumam imediatamente as responsabilidades, em tempo de pandemia, uma vez que é impossível aguardar por estudos […] temos que tomar atitudes para que as pessoas não morram HOJE! Temos evidências de que nós podemos poupar vidas! Isso é fundamental: que nós tomemos nas mãos essa necessidade de trazer para os pacientes um tratamento eficiente. Muito obrigado.

Dra. Nise Yamaguchi

Foi colocado tanto medo sobre esses medicamentos e tantas (pseudo) “evidências científicas” falando mal dos fármacos, que os próprios colegas médicos estavam com receio de fazer as prescrições, não só da hidroxicloroquina, mas também da ivermectina, enfim… Eles [jornalistas] sempre rebatem os médicos dizendo sobre ausência de “evidências científicas”. Eu gostaria que o Dr. Wong e Dr. Zeballos falassem, porque se não há evidências científicas, por qual motivo nós ficamos aqui falando, por duas horas, mostrando números de sucesso, de pessoas que estão sendo salvas, de reversão de colapso do serviço de saúde… aí estão as evidências! Essas são evidências muito fortes! Talvez não tenhamos evidências “3A” [tem de vacinas?], publicadas na “Lancet”, etc., mas o que foi isso que os médicos aqui tanto falaram? Os tantos casos de sucesso, se não são evidências (clínicas), são o que, doutor Wong? São o que, doutor Zeballos? Falem para nós!

Dr. Paulo Guimarães

→ DESTAQUE 1: BRASIL SUPERA 94% DE PESSOAS TOTALMENTE RECUPERADAS.

→ DESTAQUE 2: PAÍSES COM EPIDEMIA DE VARIAÇÃO DELTA, POSSÍVEL FRUTO DAS PRÓPRIAS VACINAS, ADMITIDO PELO CDC, É COMPROVADO PELOS NÚMEROS OFICIAIS INTERNACIONAIS, DE PAÍSES QUE FIZERAM AS DENÚNCIAS (SAIBA MAIS).

As pessoas que precisam dos remédios do SUS, não encontram nenhuma dessas medicações. Estive, pessoalmente, em postos de saúde do Distrito Federal, e não encontrei ivermectina, azitromicina (que são da lista básica de medicamentos do SUS, Relação Nacional (e Municipal) de Medicamentos – RENAME e REMUME – portanto, obrigatórios – e com verba própria já destinada pelos impostos pagos pela população). Nem cloroquina, que não costuma ser encontrada em postos, mas, que, devido à pandemia, foi encaminhada, pelo Ministério da Saúde, assunto divulgado em todos os órgãos. Mas não encontra cloroquina e esses outros medicamentos obrigatórios nas unidades de saúde, apesar do envio por parte do MS.

Dra. Carine Petry

Vejo que a decisão dos governadores, apoiados pelo STF, foi correr pra fazer contratos de respiradores, e de hospitais, de campanha, de emergência, mas se esqueceram da prevenção. Foi uma inversão!

Alexandre Garcia

→ DESTAQUE: Gráfico demonstrando evolução de RECUPERADOS versus ÓBITOS no Brasil, dia a dia, desde o início dos casos, de 02/02/2020 até 31/07/2021.

Causa preocupação a procura tardia por tratamento, quando os adoentados (D10, D15, dias de doença), já evoluíram para as fases 2 ou 3, que demandam leitos de UTI, sobrecarregando o sistema de saúde. O município faz profilaxia da equipe médica, funcionários da saúde e contactantes (conviventes). Nenhum deles desenvolveu a doença. Apenas os 2 médicos que se recusaram fazer o tratamento preventivo desenvolveram a doença.

Dr. Cássio Hábice Prado – Médico, cirurgião, intensivista e prefeito de Porto Feliz – SP, reeleito com 92,10% dos votos

Ivermectina é um potente inibidor de SARS-CoV-2 – A despeito de adversidades, o governo federal endossa Caly et al.

Ministério da Saúde – Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde – Cartilha: Informe Diário de Evidências. p.17 – portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/July/15/N69-InformeDiario-referente-13-07.pdf

COMEMORAÇÃO DE UM MÊS DE BOLETIM, COM A META DE INFORMAR PESSOAS PARA SALVAR VIDAS!

A experiência do médico tem que fazer diferença diante da doença à sua frente, com os recursos disponíveis, inclusive medicamentosos

Dra. Alexandra Mesquita

Diante do colapso no Estado do Pará, os planos de saúde adotaram a mesma estratégia, de policlínicas e distribuição de fármacos para prevenção e tratamento precoce, o que, obviamente, é mais inteligente por reduzir custos e necessidade de internações e UTIs.

Dra. Luciana Cruz

É sempre importante usar ivermectina que impede a invasão, o transporte do vírus, formação do RNA mensageiro e, uma droga que associada à azitromicina, produz efeito ainda melhor. Quando associados, no tratamento precoce, tornam-se potentes viricidas.

Dr. Anthony Wong

DESTAQUE: O BRASIL SUPEROU HOJE (HOJE) 93% DE PESSOAS TOTALMENTE CURADAS (TRATAMENTO IMEDIATO AOS CONTAMINADOS FUNCIONA!)


Já temos muitas evidências científicas em série de casos; temos, também, a vida real! Isso tudo já deve constituir o suficiente para que os gestores assumam imediatamente as responsabilidades em tempos de pandemia, uma vez que é impossível [aguardar por] estudos científicos que duram de seis meses a um ano. Temos que tomar atitudes para que os doentes não morram hoje!

Dra. Nise Yamaguchi

Em relação ao Covid, nós, brasileiros (ainda com fatalidades), temos muito a agradecer ao nosso Bom SENHOR!

Adonai Bastos, Jardinópolis – SP

O objetivo é diminuir o número de internações e que vidas sejam preservadas… não temos tempo para esperar

Dra. Ana Paula Gomes Cunha, sobre tratamento precoce, estudos acadêmicos e vacinas

Se pessoas estão morrendo de Covid, apesar de vacinadas, e dizem que o motivo desses óbitos é por causa dos não vacinados, então, por que todos esses não vacinados não morreram? As vacinas são não seguras e não eficazes? Qual sua resposta?

Dr. Alessandro Loiola, 07/2021

A matemática contraria HAJAMAL – Hostes Associadas de JorNaZistas, Autoridades, Mafiosos e Laboratórios, do novo sinistro mundial.

Mesmo o presidente enviando aviões com medicamentos, se recusam usar, porque a morte é mais lucrativa

Dr. Marcos Nunes Andrade (Dr. Marcos da Amazônia)

Numa guerra, não faz sentido aguardar a publicação de avaliações científicas antes de salvar vidas

Dr. Paolo Zanotto (Grupo de elaboração de protocolo precoce adotado pelos principais hospitais de São Paulo)

Há completa ausência de interesse por parte da mídia em se aprofundar nos estudos que atestam a eficácia do medicamento no tratamento da Covid-19

Dra. Roberta Lacerda, mar/2021 (cujos vídeos foram removidos do YouTube ao denunciar ausência de investimentos em estudos e distribuição de medicamentos seguros, consagrados e reposicionados, em comparação aos interesses financeiros de investimentos em vacinas, que não são aplicáveis aos infectados).

Ainda precisamos de tratamento precoce (inicial, imediato). Não importa quão efetiva seja a vacina, ou quantos estejam seguramente imunizados: Outras pessoas serão infectadas e precisarão de tratamento precoce (inicial, imediato).

Ron Johnson, Senador dos EUA, jun/2021

Nenhuma pesquisa ou estudo científico pode desconsiderar a autoridade também científica e clínica do médico à beira do leito

Dr. Roberto Zeballos, 2020

De agora em diante, serão mortes desnecessárias, uma vez que existe uma solução prontamente disponível; uma solução que não pode ser descartada ou ignorada [no depoimento, ele explica qual]. Há uma necessidade crítica de informar os profissionais de saúde neste país e no mundo. Se não fizermos nada, a tendência atual continuará. E a história vai julgar.

Dr. Pierre Kory – 08/12/2020, em audiência na Comissão de Segurança do Senado dos Estados Unidos

Crédito: Dan Berg

Existe mais gente morrendo por motivos de desinformação, políticas e ideologias, do que pela doença propriamente dita.

Dan Berg, 2020, Dec

Crédito: Dan Berg

Crédito: Dan Berg

Crédito: Dan Berg

“Prefiro errar, correndo o risco de acertar, a ser omisso. Ivermectina, Zinco e Vitamina D, nunca mataram paciente. Reflita sobre isso”

Dr. Alain Machado da Silva Dutra

֍


Carpe diem. Frui nocte!

Envie para quem você ama!

⁞Ð.β.⁞


Print Friendly, PDF & Email

Dan Berg

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo