Esportes

Sainz e Leclerc chocados com a falta de ritmo da Ferrari na França

Começando com os dois carros entre os 10 primeiros em Paul Ricard, a Ferrari parecia garantida com uma boa soma de pontos e uma chance de afirmar sua autoridade na batalha do meio-campo pela McLaren. Mas não foi no que se tornou um domingo muito decepcionante, já que ambos os pilotos lutaram com o desgaste dos pneus e caíram na ordem, com Carlos Sainz terminando em 11º e Charles Leclerc em um modesto 16º.

Começando P7, Leclerc parecia ter conseguido uma masterclass estratégica quando usou o poderoso undercut em sua vantagem no início da corrida, o primeiro piloto em campo a ir para os boxes.

Isso o catapultou para cima na ordem, mas ele não foi capaz de ficar lá por muito tempo, pois ele escorregou progressivamente pelo campo. A Ferrari mudou-o em vão para uma estratégia de duas paradas em uma tentativa fracassada de limitar os danos, e depois de voltar para casa bem fora dos pontos, Leclerc ficou perplexo com os problemas da equipe com seus pneus Pirelli.

“Nós realmente precisamos entender [o que aconteceu], já que com os dois carros temos lutado muito, caindo muito”, disse Leclerc. “O ritmo está aí nas duas primeiras voltas com os pneus e depois todos continuam neste ritmo e os nossos carros começam a cair. É aí que precisamos trabalhar no momento e realmente precisamos entender esse problema”.

O Monegasco terminou com pontos em todas as corridas que ele começou nesta temporada, mas não tinha certeza por que ele foi incapaz de extrair o mesmo tipo de ritmo consistente do carro – com Leclerc descrevendo a Ferrari mudando-o para uma estratégia de duas paradas como uma espécie de experimento da Scuderia.

“Tentamos uma segunda parada em um ponto só para ver se poderíamos entender algo mais [indo] para o meio novamente, mas não havia maneira de fazer nada melhor gerenciando aqueles pneus. Estávamos apenas os degradando muito, muito rapidamente”.

Sainz, entretanto, parecia igualmente infeliz após a corrida, com o espanhol a manter a posição inicial P5 na primeira parte, apesar da forte pressão de Pierre Gasly. Mas depois de mudar para o pneu de composto duro, ele também voltou ao campo, enquanto outras equipes eram capazes de extrair mais de sua borracha Pirelli.

“Na sexta estávamos bem. Mas claramente as condições mudaram e nosso carro, do jeito que tratamos os pneus, não somos muito resistentes a mudanças de condições, ”disse Sainz. “Estamos no limite de granular os pneus dianteiros sempre e assim que os granularmos, basicamente vamos para trás”.

“Desde as voltas à grelha e, honestamente, o ritmo de corrida da primeira volta não estava lá e estávamos a degradar os pneus enormemente,” acrescentou Sainz. “É algo que nunca experimentei antes e é algo que realmente precisamos compreender, pois é bastante evidente que, em algumas destas condições de domingo, não estamos a tratar os pneus muito bem e estamos a andar para trás”.

A Ferrari não tem muito tempo para descobrir uma solução, faltando apenas alguns dias para a ação voltar ao normal na Estíria. E tendo perdido terreno para a McLaren no campeonato de construtores – com a McLaren agora liderando a Ferrari por 16 pontos, tendo recuperado o P3 – a Scuderia sabe que precisa encontrar algumas respostas se quiser se manter competitiva nessa luta pelo terceiro lugar na classificação.

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo