Saúde

Dicas de Saúde: Saiba mais sobre Hirsutismo

Hirsutismo é o aumento da quantidade de pelos no corpo da mulher em locais comuns ao homem. Embora seja raro, costuma afetar as mulheres durante os anos férteis e após a menopausa.

Sintomas:

O principal sintoma é o surgimento de pelos em regiões não comuns às mulheres como queixo, buço, parte de baixo do abdômen, ao redor dos mamilos, entre as mamas, nádegas e na parte interna das coxas.

Causas:

O hirsutismo pode ser provocado por fatores genéticos, uso de certos medicamentos, irregularidade menstrual, alterações hormonais, infertilidade e acne, mas muitos casos não têm causa definida.

– Hirsutismo familiar: O crescimento de pelos ocorre, mas não por causa dos ciclos menstruais ou de um desequilíbrio dos hormônios masculinos, que, nesse tipo, estão normais. Nesse caso, a condição é antiga, e pode estar associada a alguns grupos étnicos específicos.

– Excesso de hormônios masculinos: O hirsutismo pode estar ligado ao excesso de produção de hormônios masculinos pelas glândulas adrenais e os ovários. Em geral, nestes casos o surgimento dos pelos é progressivo, e deve ser investigado. As causas mais comuns são distúrbios na regulação da produção dos hormônios sexuais e seu balanço, e muito raramente, tumores nos ovários ou nas glândulas suprarrenais.

– Síndrome dos ovários policísticos (SOP): Esta síndrome é associada ao conjunto de mudanças que a mulher sofre no seu ciclo menstrual por alterações hormonais, obesidade, acne e infertilidade. Assim, o hirsutismo também pode se manifestar em decorrência da SOP.

Tratamento:

O tratamento do hirsutismo varia de acordo com a causa e com outras doenças que possam estar associadas e que requerem intervenção direta e, quase sempre, especializada. Em linhas gerais, o objetivo é combater o excesso de hormônios masculinos (se houver) ou bloquear sua ação na estrutura que dá origem ao pelo.

O primeiro passo é controlar o excesso de peso. Perder 5% do peso corporal representa medida de extrema importância no tratamento do hirsutismo, uma vez que o tecido gorduroso tem também a função de sintetizar vários hormônios.

Os tratamentos que bloqueiam a ação dos hormônios masculinos são muito empregados, porém, os resultados começam a aparecer em um período entre três e seis meses.

Paralelamente aos medicamentos, pode ser necessário fazer a remoção física dos pelos. Entre os métodos, há a raspagem; a depilação com cera ou cremes depilatórios; a utilização de pinças; e eletrólise e depilação com laser, sendo estas últimas técnicas mais duradouras para evitar o surgimento de pelos. A escolha do método pode ser discutida com o médico dermatologista.

Abaixo, seguem alguns pontos importantes a considerar em relação aos tratamentos cosméticos:

– Cremes depilatórios: podem gerar irritação e até queimaduras se usados incorretamente ou em desacordo com as indicações exatas passadas pelo fabricante. É essencial ler sempre a bula e/ou as instruções do produto adquirido;

– Laser e luz pulsada: opção mais rápida e eficiente para a remoção dos pelos. Há diversos aparelhos com princípios técnicos muito diferentes em uso para este fim. A escolha do melhor a ser usado em cada caso, a eficácia e os possíveis efeitos colaterais (manchas, queimaduras, ausências de resultados, aumento dos pelos) devem ser discutidos com o médico dermatologista que irá aplicar o método. Isso deve ser feito para que todas as dúvidas sejam sanadas antes do início de um tratamento. Esse simples cuidado de não iniciar um tratamento sem saber exatamente o que esperar, evita muitos descontentamentos por parte do paciente quanto a expectativas errôneas ou irreais, ou quando surgem efeitos indesejáveis.

– Eletrólise: método antigo que também pode causar inflamação nas estruturas que dão origem ao pelo (folicilite) e escurecimento pela inflamação provocada. É indicada para os pelos brancos, que não reagem ao laser.

Prevenção:

As formas de hirsutismo que podem ser prevenidas dependem de evitar o uso de esteroides anabolizantes e tratar adequadamente a síndrome dos ovários policísticos.

Recomendações:

A prescrição de medicamentos deve ficar a cargo de um médico, já que muitas drogas são contraindicadas por seus efeitos adversos nesses casos. Até mesmo a eletrólise, a fotodepilação e a depilação a laser, consideradas procedimentos seguros para tratamento do hirsutismo, são contraindicadas para mulheres com diabetes mellitus, hipertensão arterial, doenças de pele e durante a gravidez, por exemplo.

Converse com o dermatologista se notar qualquer anormalidade na pele, antes ou depois de passar por um processo de depilação, pois alguns procedimentos favorecem o aparecimento de pelos encravados e de foliculite.

Evite tomar sol pelo menos nas primeiras 24 horas depois das sessões de depilação e não se esqueça de aplicar o protetor solar regularmente nas áreas depiladas.

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

Fontes: https://bvsms.saude.gov.br

Dr. Dráuzio Varella
Sociedade Brasileira de Dermatologia


Ver também:


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo