Esportes

Danos na carroceria custaram a Hamilton mais de meio segundo por volta, diz Mercedes

Compartilhar

O domingo viu o que está se tornando uma visão cada vez mais familiar nos últimos tempos – uma cerimônia de pódio da F1 sem Lewis Hamilton no degrau mais alto. O campeão em título não conseguiu melhor do que o quarto lugar na Áustria depois de sofrer danos em seu Mercedes, danos que o deixaram impotente para desafiar os três primeiros.

Hamilton, que ontem confirmou uma extensão de contrato de dois anos com a Mercedes, recuperou uma vaga no início para correr em terceiro e finalmente encontrou seu caminho para ultrapassar o atrevido McLaren de Lando Norris. No entanto, com o rival do título, Max Verstappen, se afastando na frente, sua corrida começou a se complicar após um forte contato com os meios-fios da Curva 10 do Red Bull Ring.

“Parece que o dano à carroceria de Lewis foi no final da volta 29, pouco antes de entrarmos”, confirmou Andrew Shovlin, diretor de engenharia da Mercedes. “A perda de força descendente foi de cerca de seis ou sete décimos, mas como foi tudo por trás, o equilíbrio tornou-se difícil e estávamos danificando as traseiras com deslizamento”.

1326967532
Hamilton não foi ao pódio quatro vezes nas últimas seis corridas

Essa perda de downforce significava que não havia nada que Hamilton pudesse fazer para impedir Bottas e Norris de ultrapassá-lo na volta 53 de 71 e, apesar de tentar reequilibrar o carro com pneus novos e um ajuste de asa, ele foi forçado a se contentar com P4, aumentando seu déficit para Verstappen na corrida pelo título para 32 pontos.

O único consolo para Hamilton foi a confiança da equipe de que haviam progredido na segunda rodada austríaca em termos de ritmo de corrida e que deveriam estar mais perto da Red Bull quando o paddock chegar a Silverstone para o Grande Prêmio da Inglaterra – incluindo o primeiro da Fórmula 1 – em qualquer evento de qualificação Sprint – daqui a duas semanas.

“Acho que o resultado provavelmente parece pior em termos de ritmo do que a realidade”, disse o chefe da equipe Toto Wolff. “Estávamos presos atrás da McLaren, o que nos custou muito tempo, caso contrário nosso ritmo era bom, talvez não o suficiente para vencer a corrida, mas bem na frente, o que é um passo em frente. No geral, não foi um fim de semana ruim de limitação de danos.

“O moral da equipe está bom, pudemos ver que a melhora no ritmo de corrida foi desde o final de semana passado, então estamos progredindo e eventualmente vamos lutar pela vitória novamente. Estamos a um DNF de estar lá nos campeonatos de construtores e pilotos, então isso está longe de terminar”.

E Wolff está, é claro, certo ainda temos 14 rodadas pela frente em 2021 e a Mercedes está atrás da Red Bull por apenas 44 pontos, com 631 ainda disponíveis, incluindo a volta mais rápida e os pontos de qualificação da Sprint.

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo