News

Ecoturismo tem ótimas opções de lazer e aventuras em julho no Pará

Exuberante por natureza, Pará concentra conjunto de atrações naturais como rios, prais, florestas, com destaque ainda para a fauna e flora diferenciadas.

Para quem quer aproveitar o mês de julho para ir atrás de alguma atividade mais radical, vale a pena conhecer um pouco sobre as atividades que agregam o ecoturismo no Pará, além de alguns pontos turísticos que a população e turistas podem visitar neste período de férias.

Segundo dados da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), o Pará concentra cerca de 49% das atrações naturais representadas pelos rios, florestas, fauna e flora. 

“O Pará está localizado dentro da Floresta Amazônica, na foz do Rio Amazonas. Tem o potencial extraordinário para ecoturismo, talvez um dos destinos com maior potencial para ecoturismo no mundo. O grande diferencial são as populações que habitam nos territórios e a relação com a natureza, com os conhecimentos ancestrais que elas possuem, são os principais guardiões do nosso ecossistema”, destaca o gestor da pasta, André Dias. 

Dentre as ações para promover o ecoturismo do Estado, destacam-se a estruturação de produtos e turismo em unidades de conservação, juntamente com o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICM-Bio), que são os principais parceiros nesse processo. Além disso, estão sendo estruturadas trilhas de longo curso, pesca esportiva e o programa Bandeira Azul, que é um selo que premia praias de turismo, nas praias.

“A conscientização na conservação do patrimônio natural e cultural é fundamental, a gente precisa manter e conservar esse patrimônio para que as próximas gerações possam ter acesso, para que também possam ter uma vida saudável. É uma relação necessária com meio ambiente e obviamente com a nossa cultura”, justifica André Dias.

Biólogo do Ideflor-bio, Valdemar Júnior, ressaltou as medidas de prevenção contra o novo coronavírus no Parque Estadual do Utinga Camilo Vianna, além da importância do ecoturismo.

“As medidas de prevenção, por conta da pandemia, adotadas são o distanciamento social, acesso ao público reduzido em até 50%, além da verificação de temperatura, uso de álcool em gel e máscaras”, enumera.

Como medida de prevenção ambiental, o ecoturismo exige aos usuários do parque mudanças no comportamento, internalização, sensibilização e valorização de recursos naturais como a fauna, flora e os recursos hídricos.

Montador de Drywall, Yago Paixão, de 27 anos, frequenta o Utinga duas vezes por semana.
“Acredito que seja um dos espaços mais agradáveis para realização de atividades físicas, pela dimensão e por ser no meio ambiente. As atividades de ciclismo e caminhada me ajudam a ter uma melhor respiração e preparação física”

A odontóloga e ciclista, Thais Costa, 29 anos, explicou que as atividades ajudaram na sua saúde mental, em período de pandemia.

“Eu comecei a pedalar em 2016, por incentivo da minha irmã. Eu visito o parque do Utinga nos finais de semana e é bem seguro para prática esportiva, além de me sentir mais próxima da natureza. O esporte contribui bastante na minha saúde, não só na forma física, mas também na saúde mental em tempos de pandemia”. 

Fonte: Agência Pará


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo