Saúde

Plantas alimentícias do Brasil são apresentadas em livro

Compartilhar

Publicação foi produzida em parceria por cientistas das Universidades Federais do Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Pesquisa da nutricionista e pós-doutoranda da CAPES, Michelle Jacob, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com seu orientador, especialista em Botânica, Ulysses Paulino de Albuquerque, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), acaba de virar um livro. O trabalho contou com a participação de pesquisadores estrangeiros e tem como principal proposta oferecer informações sobre a composição nutricional das chamadas Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC). O grupo defende que estas plantas também sejam inseridas na alimentação escolar brasileira.

Publicado pela editora alemã Springer com o título Local Food Plants of Brazil (em livre tradução: Plantas Alimentícias Locais do Brasil), o trabalho está disponível em inglês no site https://www.springer.com/gp/book/9783030691387. A obra apresenta a diversidade de vegetais comestíveis existentes em cinco biomas brasileiros: Caatinga, Cerrado, Pampa, Amazônia e Pantanal. Além disso, oferece um panorama sobre novas possibilidades de plantas para alimentação de populações locais no País. “Existem 30 mil diferentes plantas comestíveis no planeta e 20% delas estão no Brasil”, explica Jacob.

A pesquisadora destaca que todas podem ser excelentes fontes de nutrição, servindo como base da alimentação. “O que vemos hoje é que o planeta concentra o consumo global basicamente em apenas três espécies: milho, soja e  trigo”, observa.  Bacuri, monguba, beldroega, chanana, palma, araruta, taioba, cumaru, pequi, pitomba e jenipapo estão listados no estudo. “Plantas alimentícias locais estão no centro de dietas sustentáveis. O redirecionamento do nosso sistema produtivo pode fortalecer a resiliência dos sistemas alimentares frente às mudanças climáticas, contaminação química por agrotóxicos e emergência de surtos zoonóticos, como é o caso da COVID-19”, explica a cientista.

Para complementar o trabalho, o livro inspirou a criação de um aplicativo, o Neide (NEuralnet IDEntification of unconventional food plants), que identifica dez espécies de PANC. Inicialmente, o app servirá como ferramenta educativa nas atividades do Laboratório Horta Comunitária Nutrir (LabNutrir), da UFRN.

Fonte: https://www.gov.br/capes


Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »