News

Governo Federal planejou combate a incêndios florestais

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, em ação conjunta com os ministérios do Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, lançou ontem (22/7) o Plano Estratégico Operacional de Atuação Integrada no Combate a Incêndios Florestais. Primeira iniciativa integrada do tipo no País, o Plano envolve também as secretarias estaduais de Segurança Pública e de Meio Ambiente, além do Conselho Nacional dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (Ligabom).

Com foco no planejamento e antecipação, o Plano prevê a disponibilidade de quase seis mil profissionais para atuar na Amazônia, Cerrado e Pantanal, sendo 200 bombeiros e policiais militares da Força Nacional de Segurança Pública, 1.642 do Ibama, 1.427 brigadistas do ICMBio, e mais 1.570 bombeiros e policiais militares ambientais dos Estados e mais 900 bombeiros de outras unidades da federação fora do foco de atuação e que poderão ser enviados para reforçar o efetivo, caso necessário.

A Operação Guardiões do Bioma terá início conforme necessidade e demanda dos estados nos meses de agosto a novembro. O foco de atuação será o Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Goiás. Os órgãos envolvidos, conforme suas competências legais, vão monitorar e realizar ações efetivas nos locais onde há grandes focos de incêndios, além de apurar crimes que podem estar sendo cometidos.

Todas as unidades da federação colocaram profissionais especializados para participar da Operação Guardiões do Bioma em apoio aos Estados onde a situação é mais crítica. O Ministério da Justiça e Segurança Pública fará o trabalho de coordenação e integração entre os órgãos envolvidos, além do pagamento das diárias para bombeiros e policiais militares ambientais reforçarem o efetivo.

Fonte: www.mma.gov.br

Print Friendly, PDF & Email

Danilo Sacramento

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo