News

São Paulo registra queda de 74% de óbitos por Aids

Redução é reflexo de ações voltadas ao diagnóstico e tratamento precoces; estatísticas são apontadas em estudo da Fundação Seade.

O Estado de São Paulo registrou queda de 74% nos óbitos por Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) 24 anos após registrar o pico de vítimas fatais pela doença. Houve 2.049 mortes em 2019, 5.690 a menos em comparação a 1995, quando foi atingido o recorde histórico 7.739 de óbitos por Aids num período anual. É o que mostra o panorama de mortalidade por Aids no estado de São Paulo apresentado pela Fundação Seade na nova edição da série SP Demográfico (www.seade.gov.br).

Em mais de duas décadas, a taxa de mortalidade despencou, caindo de 22,9 óbitos por 100 mil habitantes em 1995 para 4,6 em 2019.

A queda foi ainda maior entre o público masculino: 5.850 homens faleceram em 1995 contra 1.397 em 2019, uma redução de 76,1%. Já no sexo feminino, a queda foi de 65,4%, com 1.889 óbitos contra 652 nesses anos, respectivamente.

Os dados mostram a mudança de comportamento sexual entre os sexos. Tradicionalmente, a mortalidade por Aids tinha maior impacto na população masculina, pois, foi prevalente neste grupo entre primeiros registros. Em 1990, a proporção era de seis óbitos de homens para cada um em mulheres. Caiu de 3 para 1 em 1995, e até 2019 manteve-se em 2 para 1.

“A parceria existente entre o CRT/Aids da Secretaria de Estado da Saúde e a Fundação Seade contribui com informações de

qualidade para subsidiar políticas públicas, permite o conhecimento detalhado da evolução da epidemia de Aids no estado e a obtenção de indicadores consistentes e atualizados para monitorar continuamente essa doença”, afirma a gerente da área de Demografia da Fundação Seade, Bernadette Waldvogel.

Os declínios nas estatísticas foram possíveis com a evolução das estratégias desenvolvidas e implantadas com foco na prevenção, testagem e tratamento para o controle da doença, principalmente após a descoberta do tratamento com antirretrovirais em meados da década de 1990. A descoberta precoce da doença e utilização dos medicamentos adequadamente, em tempo oportuno, tem auxiliado na redução do agravamento da doença e consequentemente da mortalidade, aumentando assim a expectativa de vida para os que vivem e convivem com a doença, para a qual ainda não foi identificada a cura.

“Quando o primeiro caso da doença foi descoberto em 1980, a doença ainda não tinha tratamento ou cura, mas, ao longo dos anos, diversos estudos e projetos científicos foram criados e contribuíram para a criação de um tratamento, e esses estudos continuam visando à descoberta da cura. Enquanto isso não acontece, seguiremos focados na prevenção e no tratamento com medicamentos, pois nosso objetivo é que todos tenham acesso a um cuidado adequado e possam continuar a viver, porque é possível viver mesmo tendo a doença. O tratamento é o caminho e é fundamental que os pacientes sigam corretamente, pois, só assim, veremos esses índices terem ainda mais queda ao longo dos anos.” explica o coordenador do Programa Estadual DST/Aids-SP, Alexandre Gonçalves.

O diagnóstico precoce acontece por meio de testagem, que é ofertada gratuitamente em serviços do SUS e através de ações especiais que a Secretaria de Estado da Saúde promove continuamente, por meio do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP, unidade de referência para prevenção, controle, diagnóstico e tratamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e da própria Aids. Mutirões em estações de transporte público e em pontos turísticos têm sido realizadas ao longo dos anos, assim como campanhas de divulgação da importância da prevenção.

Além destas estratégias, os testes podem e devem sempre ser realizados por pessoas que se expõe ao vírus com relações desprotegidas, por exemplo. São gratuitos e disponíveis nos locais indicados no site www.crt.saude.sp.gov.br ou pelo serviço Disque DST/aids: 0800 162 550.

“O Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP foi criado em 1988 e tem lutado para que medidas de prevenção, testagem e tratamento estejam disponíveis para todos através do SUS de São Paulo, ampliando seu alcance e servindo de exemplo para diversos estados. Temos lutado a cada ano para melhorar a vida das pessoas que têm Aids e evitar que mais pessoas adoeçam, destacando sempre a importância da prevenção.” ressalta Gonçalves.

Nem toda a pessoa que se infecta pelo HIV tem Aids. A doença é o estágio mais avançado da infecção e surge quando o organismo apresenta baixa imunidade, facilitando o aparecimento de outras infecções oportunistas.

O HIV pode ser transmitido através da relação sexual desprotegida ou por meio do contato com mucosas ou área ferida do corpo, além do compartilhamento de seringas e agulhas.  Por isso, o uso de preservativos nas relações sexuais e de profilaxias pré e pós-exposição (PEP e PrEP) pelos grupos mais vulneráveis são fundamentais, todos disponíveis gratuitamente no SUS.

Panorama regionalizado

A mortalidade por Aids, analisada com as estatísticas do registro civil processadas pela Fundação Seade, caiu em todas as 17 regiões do Estado, conforme estatísticas segmentadas por Departamentos Regionais de Saúde (DRS).

Em 1995, seis regionais se destacaram com altas taxas de mortalidade pela doença, com patamares acima de 20 óbitos por 100 mil habitantes: Baixada Santista (43,5), Ribeirão Preto (34,6), Grande São Paulo (26,1), São José do Rio Preto (24,7), Barretos (24,3) e Vale do Paraíba (23,7).

Outras sete regiões tinham taxa superior a 10 mortes a cada 100 mil habitantes, como Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Franca, Piracicaba e Sorocaba.

Nas regiões de Presidente Prudente, Marília e São João da Boa Vista, as taxas ficaram entre 5,0 e 9,9 óbitos por 100 mil habitantes. Somente na região de Registro o valor foi inferior a 4,9 por 100 mil habitantes.

A queda é notória em 2019 em todas as regiões. Além do Vale do Ribeira (Registro), as taxas ficaram abaixo de 4,9 em mais 10 DRS, todos com queda em relação a 1995: Grande São Paulo, Araçatuba, Bauru, Campinas, Franca, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba.

Outros seis DRS que chegaram a ultrapassar a proporção de 20 óbitos por 100 mil habitantes 24 anos atrás, hoje têm taxas inferiores a 8 – Baixada Santista (7,6), Barretos (5,7), Araraquara (5,5), Vale do Paraíba (5,5), São José do Rio Preto (5,2) e Ribeirão Preto (5,1).

Fonte: Governo de São Paulo


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo