News

DF: Espécies da América Central ganham espaço no Jardim Botânico

Inaugurado nesta quinta-feira (5), horto reúne espécies tropicais endêmicas da Costa Rica, Honduras, Nicarágua, Guatemala e El Salvador.

A Alameda das Nações e dos Estados do Jardim Botânico de Brasília (JBB) ganhou mais um espaço, o Jardim da América Central, inaugurado nesta quinta-feira (5). Representado pela Costa Rica, Honduras, Nicarágua, Guatemala e El Salvador, o novo jardim conta com espécies tropicais endêmicas dos cinco países, como orquídeas, aráceas e ipês.

Com, aproximadamente, 150 m² o Jardim da América Central conta com sistema de irrigação automatizada por meio de gotejamento e aspersão para irrigação das plantas. A criação do novo jardim é uma homenagem aos 200 anos da independência dos cinco países. Durante a cerimônia de inauguração, foram plantados sete ipês nativos das regiões.

O evento contou com a presença dos embaixadores da Costa Rica, Norman Lizano Ortiz; de Honduras, Jorge Milla Reyes; da Nicarágua, Lorena Martinez; da Guatemala, Arturo Romero Duarte Ortiz; de El Salvador, Victor Manuel Lagos Pizzati; da Espanha, Fernando Garcia Casas, e do México, José Ignacio Piña Rojas.

Para o secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, Sarney Filho, o Jardim da América Central é um presente a Brasília e ao Brasil, oferecendo aos visitantes o conhecimento de sua rica flora. “É cada vez mais claro, particularmente, em função do avanço das mudanças climáticas e suas dramáticas consequências, que o meio ambiente é um bem de todos e por toda humanidade deve ser cuidado e preservado”, afirmou.

“Nessa perspectiva, a Alameda das Nações e dos Estados tem importante valor simbólico do comprometimento de nossos países com o futuro do planeta”, acrescentou o secretário, agradecendo aos funcionários do JBB pela construção do espaço.

A diretora executiva do JBB, Aline De Pieri, comemorou a inauguração do Jardim da América Central, que é uma homenagem aos 200 anos da independência dos cinco países que fazem parte do espaço: “A parceria com as embaixadas permitiu que trouxéssemos um pedacinho da América Central e permitiu a implantação de um jardim tropical”.

Embaixadores dos cinco países homenageados no espaço e de Espanha e México participaram da inauguração

Ela agradeceu a todos que acreditaram no projeto e, em especial, aos funcionários da equipe de campo da Superintendência de Conservação do JBB, “profissionais que não medem esforços para deixar o JBB sempre belo”, destacou a diretora executiva.

O embaixador da Costa Rica, Norman Lizano Ortiz, afirmou que a inauguração do Jardim da América Central no JBB marca o início das comemorações dos 200 anos da independência da Costa Rica, Honduras, Nicarágua, Guatemala e El Salvador.

“A construção do espaço foi feita pensando no legado que perdure no tempo e nos lembre a irmandade que existe entre nossas repúblicas e o Brasil. O Jardim da América Central tem um grande simbolismo para todos nós. É o resultado de um esforço conjunto entre as embaixadas e o JBB. Nele, os visitantes vão encontrar orquídeas nativas da América Central, epífitas e bromélias”, detalhou.

Leia tambémJardim Botânico ganha espaço em homenagem à América CentralJardim Botânico vai construir aceiros negros preventivosRevista científica do Jardim Botânico traz dois novos artigos

A Alameda das Nações e dos Estados foi implantada por ocasião da criação do JBB, em 1985. O intuito do espaço é reunir espécies endêmicas de várias partes do mundo. Concebida com a ideia de representar os cinco continentes por meio de sua biodiversidade e valores culturais, conta com a parceria das embaixadas de Israel e Polônia.

Fonte: Agência Brasília


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo