News

Pesquisa: Anticorpos contra COVID presentes em 87% dos pacientes com câncer

Uma pesquisa “tranquilizadora” realizada em pacientes que completaram o curso de vacinação é um bom presságio para os imunocomprometidos que receberão uma dose de reforço, de acordo com os médicos.

Pessoas com câncer geraram anticorpos após a injeção dupla da vacina COVID-19 e o nível desses mesmos anticorpos é mantido, descobriram pesquisadores israelenses.

Um estudo revisado por pares, conduzido por médicos do Hospital Rabin em Petah Tikva, descobriu que cerca de 87% dos israelenses com câncer apresentavam altos níveis de anticorpos quatro meses após o tratamento.

Esta é uma taxa mais baixa do que em pessoas com sistema imunológico em pleno funcionamento – neste caso, 100% têm bons níveis de anticorpos. No entanto, isso confirma que há uma boa resposta às vacinas de pacientes com câncer, de acordo com o estudo.

“É reconfortante no sentido de que mesmo em pessoas que estão em tratamento de câncer que reduz a atividade do sistema imunológico, ainda há uma boa resposta imunológica que produz anticorpos”, comentou o professor Salomon Stemmer, do Instituto de Oncologia do hospital, que é também o autor principal deste estudo, do The Times of Israel .

Desde que o estudo foi concluído, muitos israelenses – e alguns bem mais de quatro meses após a vacinação – viram seus níveis de anticorpos cair, o que é visto como um sinal de imunidade comprometida. Em resposta a isso e à ameaça representada pela variante Delta, o governo primeiro ofereceu tiros de reforço a israelenses imunocomprometidos antes de distribuí-los a todos os cidadãos com 60 anos ou mais, e agora para aqueles com 50 anos ou mais.

Apesar dessa mudança de situação, o estudo ainda dá esperança, afirmam seus autores. Eles sugerem que o fato de os pacientes com câncer responderem bem a ambas as doses indica que os benefícios da injeção de reforço também serão muito reais.

“Este estudo mostra que os pacientes com câncer desenvolvem anticorpos muito depois da primeira e da segunda injeção, e que provavelmente desenvolverão anticorpos também após a terceira dose”, observa Stemmer.

O estudo, que foi publicado na revista JAMA Oncology , foi baseado em dados de 95 pacientes com câncer e 66 pessoas saudáveis ​​- ambos os quais receberam a vacina Pfizer.

Os resultados trariam esperança para a sociedade em geral, assim como para os pacientes com câncer, a redução de infecções nessa população específica diminuindo, segundo especialistas, o risco de ver surgirem novas variantes. Essas novas variantes têm maior probabilidade de aparecer em pessoas imunocomprometidas, cujo sistema imunológico tem dificuldade para combater o coronavírus.

Fonte: https://fr.timesofisrael.com


Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo