Mundo

Alemanha enfrenta dificuldades para atingir previsão de crescimento

Primeiras semanas de recuperação foram mais tímidas do que o projetado.

O crescimento econômico da Alemanha pode não atingir as projeções neste ano e o ressurgimento da pandemia de coronavírus pode colocar a economia sob uma pressão inesperada durante o outono do Hemisfério Norte, informou o banco central alemão, em um relatório mensal divulgado nesta segunda-feira.

A expectativa é de que a maior economia da Europa cresça 3,7% neste ano e 5,2% em 2022, mas as primeiras semanas da recuperação foram mais tímidas do que o projetado e isso provavelmente pesará no resultado do ano todo, disse o banco.

A Alemanha ainda deve ter registrado uma expansão robusta durante os meses de verão do Hemisfério Norte, com serviços se beneficiando da flexibilização das restrições da pandemia conforme o número de infecções diminuía, impulsionando a receita do setor de turismo.

Embora algumas restrições possam ser reintroduzidas no outono caso as infecções continuem aumentando, é improvável que sejam tão rígidas quanto no passado, dado o progresso da Alemanha na vacinação de sua população, acrescentou o Bundesbank.

Mas uma queda no ritmo das vacinações representa um risco e os indicadores de sentimento apontam para uma preocupação maior, já que a Europa enfrenta a variante Delta da covid-19, que é mais infecciosa.

“A variante Delta e um declínio na dinâmica da vacinação podem levar a medidas de proteção mais rígidas novamente”, acrescentou o Bundesbank. “Isso colocaria uma pressão maior sobre a economia no trimestre do outono.”

Fonte: Agência Brasil


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo