Esportes

Giovinazzi diz que o furo lhe custou qualquer chance de pontos

Um desempenho sensacional na qualificação para Antonio Giovinazzi foi frustrantemente tornado inútil por um furo que o tirou dos 10 primeiros da corrida.

O italiano foi um dos destaques no sábado, colocando o seu Alfa Romeo em sétimo na grelha com uma volta a pouco mais de 0,1s de uma vaga na segunda linha. Depois de uma difícil largada que o levou de volta ao 10º lugar, Giovinazzi foi forçado a fazer um segundo pit stop logo após o primeiro e viu suas esperanças desaparecerem.

“Tivemos um furo na traseira direita, mas não sabemos por quê”, disse Giovinazzi. “Acho que depois disso, a corrida acabou porque tínhamos feito uma parada a mais do que as outras e foi simplesmente difícil”.

“Estávamos nos pontos naquele momento. Então é complicado dizer [se eu teria marcado], mas até aquele momento, estávamos nos pontos”.

00121020_AV6_3133.jpg
Giovinazzi não conseguiu somar pontos em Zandvoort, apesar de se classificar entre os 10 primeiros

“É difícil, principalmente seguir. As curvas 7, 8, 9 em alta velocidade foram simplesmente terríveis. Sem chance de ultrapassagem … Foi fácil achatar [na curva], mas a reta não é longa o suficiente para tentar ultrapassar”.

“Para ser honesto, já na F3 foi muito difícil ultrapassar em 2015. É uma pista difícil de ultrapassar”.

Uma disputa acirrada com Fernando Alonso no início foi considerada “um pouco agressiva demais” por Giovinazzi, depois que ele foi forçado a reagir ao Alpine sair da forma e perder mais posições. Mas ele não foi o único piloto da Alfa Romeo em uma batalha, já que Robert Kubica – substituindo Kimi Raikkonen – sentiu que estava correndo bem na Fórmula 1 pela primeira vez em uma década, terminando uma posição atrás de seu companheiro de equipe.

“Foi difícil”, disse Kubica. “Eu me encontrei com George [Russell] pouco antes de pular no carro no grid e ele estava certo – ele perguntou como estou e eu disse ‘vai ser difícil’ e ele disse ‘bem, é provavelmente a pista mais exigente fisicamente”.

“Estávamos todos pensando que seria uma corrida caótica com algumas interrupções e amarelos e coisas assim, mas nada aconteceu. 70 voltas completas foi difícil, também mentalmente. Tantas coisas acontecendo que você não sabe. Você não sabe como o carro vai se sentir, quanta aderência você vai perder, como será a dirigibilidade. Nunca dirigi pneus médios ou duros nesta pista”.

“Mesmo sendo curto, a última vez que dirigi em 2019 foi a última vez que estive lutando lado a lado com os outros carros. Provavelmente desde 2010 eu estava no grid da F1, mas não estava realmente competindo. Apesar de termos terminado em P15, tive boas lutas com [Sebastian] Vettel e apanhei [Nicholas] Latifi na última parte da corrida e consegui ultrapassá-lo. Portanto, no geral, não é fácil, mas estou satisfeito”

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo