News

No Tocantins, vazio sanitário do algodão inicia no dia 20 de setembro

Medida fitossanitária visa evitar o surgimento de pragas na safra seguinte.

No Tocantins, a partir da próxima segunda-feira, 20, começa o período do vazio sanitário do algodão e prossegue até o dia 20 de novembro. A medida que ocorre sazonalmente é amparada pela legislação estadual, instituída pela Instrução Normativa n° 2 de 25 de janeiro de 2021. O objetivo é evitar a proliferação de pragas na cultura, como é o caso do bicudo do algodoeiro.

Com este período de 60 dias, as chances de atrasar o surgimento do bicudo do algodoeiro na próxima safra são maiores. A Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adapec) irá monitorar as lavouras para garantir o cumprimento do vazio sanitário, que é uma ferramenta legislativa importante para combater a praga, evitando que afete as lavouras e consequentemente a economia.

A Agência é responsável por fiscalizar e monitorar as lavouras do algodoeiro no Estado, sendo obrigatório o cadastramento dos produtores. Antes do início do vazio, os inspetores e os fiscais da Adapec realizam fiscalização nas lavouras cadastradas para notificar os produtores sobre o período proibitivo.

“Durante o vazio, caso haja plantas vivas de algodão com risco fitossanitário, ou seja, plantas do algodoeiro tigueras acima do estádio V3 e plantas rebrotadas [soqueiras] com mais de quatro folhas por broto ou presença de estruturas reprodutivas, o produtor sofrerá com as penalidades previstas na legislação”, explica o inspetor de defesa agropecuária, Cleovan Barbosa.

Durante o vazio, somente é permitido o cultivo de planta viva do algodão quando destinada à produção de sementes genéticas e pesquisas científicas, ambas permitidas pela legislação presente na IN n° 02.

Dados

De acordo com os dados da Adapec, em 2021, a cotonicultura no Estado ocupou uma área de 3.121 hectares, disposta entre os municípios de Tocantínia, Dianópolis e Campos Lindos. Ao todo, o Tocantins produziu 10,76 mil toneladas do algodão em caroço.

Bicudo do Algodoeiro

Os adultos do Bicudo do Algodoeiro são besouros com coloração cinza ou castanha, com 3 mm a 7 mm de cumprimento. Infesta as lavouras de algodão desde o início da emissão de botões florais até a colheita, podendo ter de quatro a seis gerações em um ciclo da cultura e se não controlado pode causar perdas de até 70% da produção.

Fonte: Governo do Tocantins


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo