Mundo

Reino Unido: corrida a postos seca 90% das bombas de combustível

Crise é provocada em parte por falta de tranportadores.

Até 90% dos postos de combustível do Reino Unido ficaram secos nesta segunda-feira (27), depois que episódios de compra impulsiva aprofundaram uma crise na cadeia de abastecimento, provocada em parte por falta de transportadores. A situação, segundo varejistas, pode abalar a quinta maior economia do mundo.

Uma escassez enorme de motoristas de caminhão, que ocorreu depois da pandemia de covid-19, semeia o caos nas cadeias de suprimento britânicas, de alimentos a combustíveis, elevando a ameaça de transtornos e aumentos de preço no período pré-natalino.

Poucos dias depois de o governo do primeiro-ministro, Boris Johnson, gastar milhões de libras para evitar a falta de alimentos causada por uma disparada nos preços do gás natural e maior custo da produção de fertilizantes, ministros pediram às pessoas que não façam compras por pânico.

Mas filas de dezenas de carros se formaram nos postos de combustíveis de todo o país no domingo (26), forçando o fechamento de muitos pontos de venda. Em várias cidades britânicas, as bombas ou estavam fechadas, ou mostravam cartazes anunciando falta de combustível nesta segunda-feira, disseram repórteres da Reuters.

A Associação de Varejistas de Petróleo (PRA), que representa distribuidores de combustível independentes, disse que membros relataram de 50% a 90% de bombas secas em algumas áreas.

O Reino Unido cogita acionar o Exército para garantir a chegada de suprimentos de combustível aos consumidores, de acordo com os jornais The Times e Financial Times.

F


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo