Crônicas

Quotes – Ensaios, Citações e Pensamentos

Compartilhar

EDIÇÃO: 05/04/2022

Colhemos novas pérola para você… Ajude distribuí-la, gratuitamente!

AVISO AO LEITOR: A matéria pode ser vista por todos nesta plataforma, bastando: 1) fechar as propagandas; ou, 2) baixar gratuitamente em PDF (ícone ao final do artigo). Aos nossos queridos leitores e seguidores inscritos, a veiculação de publicidade é diferenciada. Envia-nos um leitor: "Procuro ler todas as suas publicações, por saber que seus textos são ricos em verdades. Você escreve de uma maneira bastante explicativa, traduzindo do técnico para o popular, sem perder a base, como que fazendo a linguagem do médico, jurista – o erudito - ser compreendida por simples ou sábios, do padeiro ou feirante ao PhD. Suas matérias baseadas em fatos - via de regra apresentando documentos - nos informam sem doutrinações; as criticas são construtivas e transmite confiança no que escreve! Por essas e outras, leio sempre e compartilho suas postagens com amigos, principalmente com aqueles que sei possuírem bom senso e inteligência! Continue nos trazendo mais textos informativos ou mesmo de críticas ou denúncias: Confio no seu talento de escrever sobre qualquer assunto, sem ser bajulador ou piegas! Sua honestidade e sabedoria nos ajudam discernir o certo do errado! Parabéns por seu trabalho. Conte com meu apoio sempre! Um abraço!" (Valter Colaneri Júnior, alquimista, filho do químico Valter Colaneri, um dos pioneiros na fabricação de essências - Santo André – SP, e pai das princesas Laura e Lorena)
  • Obrigado a você que compartilha o link de cada matéria em suas redes sociais. Sabemos que algumas plataformas irão boicotar, por motivos óbvios – o que, de per si, já é um grande sinal! Ainda assim, prosseguiremos nosso trabalho.
  • Acesse gratuitamente todas as matérias do autor [clique]

Prefiro as cômicas perucas e robes da magistratura secular da monarquia britânica, estipêndio totalmente fora da moda, cujo propósito era enfatizar a simbologia da representação da Justiça ACIMA de suas personalidades, à tragicomédia das togas, sem perucas, cabelos ou escrúpulos da choldra republicana do Brasil, cujo propósito ditatorial é reforçar a simbologia de suas personalidades ACIMA da Justiça, em franca e estupenda moda.

•Δαn βεrg•

As pessoas que mais afirmam se preocuparem com você e lhe recomendam expor-se menos, cuidar-se e descansar mais, são exatamente as mesmas pessoas que, inconscientemente, traem-se pelo impulso de cobrar sua presença ou reclamar sua ausência. Esse é o paradoxo do cuidador-controlador. Quem ama cuida do descanso reparador do outro, e zela até mesmo pelos momentos de silêncio, solitude e restauração. Quem ama quer ver o outro bem e feliz também nisso: no período sabático, seja quando e por quanto tempo se faça necessário.

• Δαn ßεrg •
BRAZIL COM Z

Brazil com “Z” não é coisa de estrangeiro:
Brazil com “Z” é primícia do povo brasileiro!

Brazil com “Z” não é o que nos escondem da História;
Brazil com “Z” é fato anotado de nossos tempos de glória!

Brazil com “Z” não é invenção de agora;
Brazil com “Z” é a grafia que o mundo conheceu outrora!

Brazil com “Z” não é ofensa internacional;
Brazil com “Z” é registro da potência mundial!

Brazil com “Z” não é fogo de palha ou tintura de anilina;
Brazil com “Z” é braza, corante, arco de violino, mobília, brazilina!

Brazil com “Z” não é símbolo cívico mutável por político;
Brazil com “Z” é Caesalpinia echinata de índice apodítico!

Brazil com “Z” não é refém de letras até corporativistas de 1897;
Brazil com “Z” é o nome do Império que sobrepuja classistas de enquete!

Brazil com “Z” não é nascido por causa de Academia;
Brazil com “Z” é certidão de nascimento, é identidade, é poder, dinastia!

Brazil com “Z” não é o carvão sujo e vermelho que insiste:
Brazil com “Z” é a vera braza, firme e unida, que resiste!

Brazil com “Z” não é a flama coloquial meramente alterada;
Brazil com “Z” é o desejo que inflama ardente pela Pátria Amada!

Brazil com “Z” não é cor de viés militante;
Brazil com “Z” é do nato auriverde, real, retumbante!

Brazil com “Z” não é cadeira de letras no grito;
Brazil com “Z” é a esteira real em seu mito!

Brazil com “Z” não é refém de academicismo;
Brazil com “Z” é bem mais: é o calor do nacionalismo!

Brazil com “Z” não é oriundo de alarde ou pleito ideologicamente;
Brazil com “Z” é o que arde no peito inconscientemente!

Brazil com “Z” não é preso a sons europeus e tal absurdez;
Brazil com “Z” é livre, até mesmo “S”, em Gil Vicente, 1510!

Brazil com “Z” não é de se rebaixar a qualquer argumento vil;
Brazil com “Z” é razão de exportar o “Z” juntamente com o pau-brazil!

Brazil com “Z” não é escravo de 1911 e convenções de Portugal;
Brazil com “Z” é coisa nossa, nosso jeito, nossos sons, etc., et tal!

Brazil com “Z” não é assunto até a norma lusitana impor seu vinco;
Brazil com “Z” é tornado “s” na ortografia de Lisboa de 1945.

Brasil com “Z” não é amigo de quem nega verdades históricas;
Brazil com “Z” é liberdade de expressão de justezas retóricas! 

Brazil com “Z” não é omissão de nosso verde, amarelo, azul-anil.
Brazil com “Z” é retumbante desde Ave Império e Selva Brazil!

Brasil com “Z” não é fruto de invencionices na república da imposição;
Brazil com “Z” é reino da liberdade, do povo, gente e nação!

Brazil com “Z” não é de ver nexo na norma que atrela ao som de “casa”;
Brazil com “Z” é displexo de “faser asul”: não mexam na braza! 

Brazil com “Z” não é conexo ao argumento do “s” de “rosa”;
Brazil com “Z” é nessa lógica o “ezato” que ecoa “x”, sem mais prosa!

Brazil com “Z” não é amigo de aventureiro de incoerente cartilha;
Brazil com “Z” é livre brazilidade, brazileiro, braziliense, de Brazília.

Brazil com “Z” não é intimidado pelas regras do IV Centenário; 
Brazil com “Z” é, até 1920, símbolos, selos: esse era o cenário!

Brazil com “Z” não é troco diplomático de acordos em bordéis, 
Brazil com “Z” é, em 1888, moeda de cuproníquel de 50 réis!

Brazil com “Z” não é novidade, mas fato sabido do mundo inteiro;
Brazil com “Z” é ato mantido na República, papéis e dinheiro.

Brazil com “Z” não é entrave face à ausência do “Z” do latim;
Brazil com “Z” é do ancestral grego, do etrusco, “zeta” é mater por fim!

Brazil com “Z” não é outro até constituintes de 1967, comprove!
Brazil com “Z” é também o Decreto 4, das Armas Nacionais de 1889!

Brazil com “Z” não é invenção de apedeuta algum:
Brazil com “Z” é a Constituição da República de 1891!

Brazil com “Z” não é afronta ao “s” por agramatos, indouto desajeitado;
Brazil com “Z” é de Alencar de Araripe, escritor, presidente e magistrado.

Brazil com “Z” não é para caudilho, ou disputa de verso e prosa;
Brazil com “Z” é o brilho e conduta da pena de Ruy Barbosa.

Brazil com “Z” não é subalterno a debate, nem postulado;
Brazil com “Z” é quilate escrito desde o primeiro Senado.

Brazil com “Z” não é para ardil vocálico que se consinta;
Brazil com “Z” é da Carta Imperial de Dom Pedro I, 1830!

Brazil com “Z” não é serviçal do aventado, dogmas do facultativo;
Brazil com “Z” é natural do reinado, dos “Actos do Poder Executivo”!

Brazil com “Z” não é anárquico ou circunscrito ao cenário atual;
Brazil com “Z” é “Systema Monarchico”, desde a "Assembléa Geral"!

Brazil com “Z” não é pertinente a sofismas de ateus;
Brazil com “Z” é presente em 1824, na Constituição “por graça de Deos”!

Brazil com “Z” não é respeitado, assim como a Carta Magna de agora;
Brazil com “Z” é o clamor por Constituição efetivamente Libertadora!

Brazil com “Z” não é novidade ao fundador do Rio, Estácio de Sá;
Brazil com “Z” é abundante, e na “Chronica” do Dr. Mello Moraes está.

Brazil com “Z” não é das normas de “Lisbôa”, mas está em Cabral;
Brazil com “Z” é da pena de Pero Vaz, Vera Cruz, no Governo Colonial.

Brazil com “Z” não é confrade de nome próprio adulterado;
Brazil com “Z” é o “Páo Brazil”, primeiro lote do tesouro exportado!

Brazil com “Z” não é servo de grafia de qualquer explorador interesseiro;
Brazil com “Z” é o conteúdo de cartas sobre o Continente Brazileiro.

Brazil com “Z” não é casa de achólogos de grafia “S” para som de “Z”:
Brazil com “Z” é braza, é pigmento, é nosso prazer, ou seria “praser”?

Brazil com “Z” não é adúltero de nome próprio: Johann Sebastian Bach.
Brazil com “Z” é para ser respeitado tal como na História primeva está!

Brazil com “Z” não é medidor de esforços para regras linguísticas;
Brazil com “Z” é versado: não há nexo, apenas razões casuísticas.

Brazil com “Z” não é produto da imaginação política ou de ideologia;
Brazil com “Z” é parte da História, mapas, documentos, e da cartografia. 

Brazil com “Z” não é casa de pobre sem telha;
Brazil com “Z” é palácio de nobre, é centelha!

Brazil com “Z” não é coisa do vil imperialismo;
Brazil com “Z” é o Império em seu realismo!

Brazil com “Z” não é povo de quem se manga, débil intrinsecamente; 
Brazil com “Z” é ibirapitanga, desde o grito do Ipiranga independente!

Brazil com “Z” não é sacolejo de qualquer ruído de covil;
Brazil com “Z” é o histórico “Hymno da Independencia do Brazil”!

Brazil com “Z” não é “asul a faser do vasio seu maior praser e belesa”; 
Brazil com “Z” é belo, é forte, é gigante pela própria natureza!

Brazil com “Z” não é brinquedo linguístico nas mãos da política vil;
Brazil com “Z” é certidão de nascimento da nação, é registro civil!

Brazil com “Z” não é o que ignora Evaristo da Veiga e Dom Pedro I;
Brazil com “Z” é letra do Anjo do Brasil por Quem reina o povo brasileiro! 

• Δαn ßεrg • 24/04/2022
Império Instituto Editorial® • Δαn ßεrg • Staff Team

A CONIVÊNCIA PREVISTA EM LEI: O SILÊNCIO DOS NÃO INOCENTES. Enquanto nossa sociedade julgar EXCLUSIVAMENTE aquilo que foi verbalizado, de ofensa sexual ainda que verdadeira e comprovada, PORÉM, OMITIR abundantes provas de PRÁTICA DE CRIME INTERNACIONAL autônomo (art. 8 do Estatuto de Roma do TPI –Tribunal Penal Internacional) contra a humanidade e de guerra, terrorismo (Protocolo II art. 33 – Convenção IV, Convenção De Genebra), por fabricação ou uso de artefatos bélicos (mais de 75 mil unidades, conforme declaração em filme e fotografias pelo próprio autor) proibidos por acordos internacionais (Protocolo 3 da Convenção da ONU, de 1980 – veja na íntegra), incentivo à prática terrorista (Convenção Internacional para a Repressão de Atentados – Terroristas à Bomba – AG da ONU, 15 de Dezembro de 1997 – TODOS OS TRATADOS INTERNACIONAIS), confissão de associação de seu movimento MBL, desde 2014, à Revolução Euromaidan, incorporada por Poroshenko à milícia neonazista Batalhão Azov –  unidos ao partido político de extrema-direitaPravy Sektor – cujo lider Andriy Biletsky é também conhecido como “White Führer” ou “Führer Branco” (um dos nomes de Hitler), – movimento esse que recebe extremistas de direita de todo o mundo, para aprender e obter treinamento do Azov incitação ao ódio e insuflar escudo humano ao ataque de guerra, associação ao neonazismo, ATOS ESSES CONFIGURADOS CRIMES TAMBÉM NO BRASIL, por leis infraconstitucionais específicas (L. 10.826/03, art.16, inciso 3°; L.7.716/1989; L.9.459/1997; art. 140 D.L. 2.848/1940) e de conotação agravada pela Constituição Federal (Art 5º, XLII, XLIII e XLIV, CF) – além de violar os incisos do art. 4 da Carta Magna (na qualidade de agente do Estado brasileiro, e não particular ou cidadão comum), de pessoa que se se une a movimentos terroristas que associam o presidente da república símbolos de crimes internacionais (fonte tendenciosa, mas que ainda assim constitui prova) – elementos aplicáveis ao exterior, conforme tratados dos quais o Brasil é signatário – como INAFIANÇÁVEIS E IMPRESCRITÍVEIS; enquanto políticos sob o silêncio da população e seus grupos, julgarem exclusivamente a verbalização criminosa, mas se calarem diante da prática criminosa, nosso país continuará com sérios problemas estruturais. Mas, sabemos o motivo do silêncio dos “não-inocentes” e a omissão corporativa dos demais políticos, sob as barbas dos conservadores: “A LEI CONSIDERARÁ CRIMES INAFIANÇÁVEIS E INSUSCETÍVEIS DE GRAÇA OU ANISTIA […] O TERRORISMO […], POR ELES RESPONDENDO os mandantes, os executores e OS QUE, PODENDO EVITÁ-LOS, SE OMITIREM”. Ou seja, são culpados todos os que nada fizeram para coibir a prática terrorista no Brasil ou exterior. ENQUANTO ISSO, continuaremos assistindo julgamentos exclusivamente daquilo que seja interessante ao politicamente correto, não de todos os crimes efetivamente praticados. Ou seja, escolhe-se um crime de conveniência para julgar, e elimina-se a existência dos demais. O país continuará assistindo o circo de políticos literalmente cassados, em vez de seus mandatos. Isso permanecerá ocorrendo pela seleção de delitos conforme interesses ideológicos, não pela realidade de todos os crimes nacionais e internacionais que tenham sido efetivamente praticados: Seleciona-se na bandeja de quitutes estragados apenas aquele que tenha mais aparência de podre, para evitar “prejuízo” e prossegue o serviço aos convidados, como se nada mais existisse. O silêncio de indivíduos e grupos responsáveis pela eleição desses senhores, tanto do que comete o crime, quanto do que julga, é ainda mais absurda. DESENHANDO: É o mesmo que o motorista de caminhão, transportador de droga, embriagado, que passa por cima de motocicletas e carros, causando a morte – homicídio – de dezenas de pessoas, TODAVIA pelo fato de gestores terem rabo preso com ele e seus esquemas, tal condutor assassino é julgado e condenado à multa pelas “gravíssimas” infrações de trânsito, exclusivamente pelas provas apresentadas de que trafegava em rodovia com farol apagado e haver cruzado o sinal vermelho. O político é subproduto de seu povo!

• Δαn ßεrg •
Uma amostra dentre vários documentos veiculado em redes sociais (acesso público) do agente do Estado brasileiro
Sem apreço de nosso editorial, peça juntada exclusivamente como prova documental | ou em vídeo: https://hi-in.facebook.com/Circo.Bozo/posts/d41d8cd9/740236874029389/

Sempre que um homem passa a desejar um cargo a sua conduta começa a deteriorar-se.

Thomas Jeferson (1743 – 1826), in TUCHMAN, 1985, p. 388.

Abençoadas as lágrimas que nos servem como colírio divino para vermos aquilo que os mortais não podem, e ganharmos nova perspectiva sobre os fatos, nossa missão e as grandezas de Quem nos comissionou.

• Δαn ßεrg • 17 de abril de 1992 – Quando o coração bate até o céu, onde está meu primogênito, presente a cada dia 17 de abril, com outros preciosos amigos e irmãos, possivelmente tocando juntos para coros angelicais, olhando para nós, sorrindo e dizendo entre si “eles mal sabem e não caberia no vocabulário ou cérebro deles, como estamos: eterna e infinitamente felizes!”. Um dia, havemos de entender. SOLI DEO GLÓRIA!

A suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar.

Sun Tzu

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

Sun Tzu

Manifestantes que usam do jargão “ucraniza Brasil” fazendo questão de exibir bandeira vermelha e preta – cujos significados requerem boas linhas para explicar a simbologia da terra preta e sangue dos heróis, sem que se consiga desatrelar dos radicais que se venderam ao nazismo em desespero e fuga do comunismo -, e os que dão a isso mais ênfase do que a própria bandeira oficial da Ucrânia – azul e amarela, com ou sem “trisub” (o falcão, a Cruz e a Trindade) central -, é similar à hipótese de brasileiros vivendo na Islândia, querendo ensinar islandeses como devem fazer protesto contra o governo daquele país, exibindo bandeiras do MST, PSOL ou CUT, insinuando serem os símbolos máximos da pátria amada Brasil! A insistência do uso de certos símbolos comprova a motivação, em qualquer lugar do mundo e em qualquer tempo. E.g.: Uma senhora que use brincos da suástica é prova de que ignora o assunto ou, ao contrário, de que o faz por motivos muito bem conhecidos e pretendidos. Portanto, o uso de símbolo prova a motivação, exceto na ignorância. Atrelar propositalmente símbolos de significado dúbio é prova de intenções escusas de quem o faz, visando claramente as ilações pretendidas, para que a imprensa veicule a ligação de tais símbolos dúbios aos movimentos onde se inserem. Terrorismo “do bem” nunca fez bem.

• Δαn ßεrg •

Estou convicto que na manifestação do anticristo, muitos “cristãos” em nome do politicamente correto entregarão seus irmãos ao homem da iniquidade.

Renato Vargens

Nenhum tempo e nenhum lugar nos agrada tanto como o tempo que não existe, e o lugar em que não estamos.

Marquês de Maricá

Gente, vocês sabem que não gosto de mencionar certas pessoas e siglas para não lhes dar audiência. Mas, face às mudanças do novo normal, cabe uma reflexão sobre o que estão fazendo na sociedade, debaixo de nossas barbas:
• O Natal passa a ser na Páscoa;
• O Carnaval, em Finados;
• As quadrilhas, nos três poderes;
• Os decretos acima da lei e da própria ciência;
• Os vírus que não pegam anões (já que regra para tirar a focinheira é ao se levantar da mesa de restaurante, só pode ser por atingir certa altura – aglomeração durante horas de voo e sistema prisional sem colapso de óbitos, nem dizer);
• Vou admitir, está tudo muito louco, oba!
• Pior é seria estivessem burros. Ou estão e não sabem?
• São tempos em que feministas protestam a respeito dos direitos do corpo da mulher, exceto se for uma mulher dentro do útero de outra mulher;
• Os pretos são defendidos, exceto se forem patriotas, cristãos, conservadores e de direita;
• Vidas importam desde que sejam militantes;
• Só há imprensa e movimentos para lutar e defender os direitos dos “manos”;
• O policial é demonizado e o criminoso, vitimizado;
• O micro-ondas congela e a geladeira esquenta.
• Tempos em que checadores de fatos, são empresas de bases ideológicas, atreladas a políticos, e são exatamente eles que se arrogam a determinar o que seja ou não verdade;
• Tempos em que o certo é errado e o errado é certo;
• Juízes concursados são subalternos de indoutos políticos;
• A autoridade médica é refém e submissa aos pitacos de “paraLamentar” e populares em audiências públicas.
• Tempos em que relatórios de contaminados e óbitos mudam drasticamente conforme interesses de governantes em liberar aglomerações;
• Em que vacina, que deveria imunizar, passa a ser substância para “amenizar”, e medicamento, comprovado para tratar, passa a ser coibitivo a incomodar;
• A igreja passou a controlar seus membros na obediência cega ao Estado, e o Estado passou a pregar sobre crer em drogas experimentais, em medidas ditatoriais e passaportes sanitários;
• Tudo isso é cabível em registros nos anais da história em tatuagens desbundantes.
• Estou ouvindo, no vizinho, em alto volume a voz do Faustão, hoje, plena quinta? É o quadro “Se vira nos quesitos da agenda 2030”? Mudaram o domingo e ninguém me avisou? Que tipos de amigos são vocês? Onde estão os manifestantes do “Queremos clonazepam litrão!”?
• Novos termos, novos tempos e neologismos adequados: “FrauDemia”, “PanDemônio”, “FakeDown”, “QuarEterna”, o quanto interessar aos decretos.
• É muita “Çieinssia” para o “célebro”.
• São absurdos apenas para vermos por onde anda nossa sociedade, em mu incansável apodo: Murus urinæ canis!

• Δαn ßεrg •

PESQUISA DE INTENÇÃO DE VOTO DE MAIOR CREDIBILIDADE DO QUE DE INSTITUTOS: Em respeito ao teor dos decretos de gestores locais nos últimos dois anos, FICA DECIDIDO: A mais confiável pesquisa de intenção de votos se dará por meio da contagem da quantidade de máscaras, da seguinte forma: SE o atual Presidente da República é inclinado à ciência, enquanto seus oponentes, são guiados pela opinião de “especialistas” e comitês políticos, ENTÃO a intenção de votos em Bolsonaro se dará pela contagem de pessoas sem máscaras. Os que pretendem votar em qualquer um dos demais candidatos serão contados pela permanência no uso de máscara em todos os ambientes (salvo necessidade médica específica). Os eleitores de candidato diferente de Bolsonaro que se recusem usar máscara serão naturalmente considerados hipócritas e traidores de seus próprios políticos de estimação, que determinaram o uso de máscaras nos últimos dois anos, além de lockdown e medidas absurdas desprovidas de base científica, legal e nomes dos técnicos responsáveis pelos decretos. Os demais, sem máscaras, automaticamente se declaram eleitores de Bolsonaro. OS QUE PENSAM EM CONTRÁRIO DEVERÃO USAR MÁSCARA. Que assim sejam contados, desde agora até o pleito. Por justiça, pela coerência, pelo Brasil!

• Δαn ßεrg •

SE NEPOTISMO significa dar emprego, indicar ou nomear, parentes é conduta inaceitável por parte de agentes públicos, ENTÃO, por qual motivo não se expõe o nome de cada responsável pela indicação aos nomeados a cargos de livre provimento também para verificação de NEPOTISMO CRUZADO? Trata-se da pratica em que o político de um poder coloca seu parente para trabalhar em outro poder, para esconder-se dessa prática inaceitável. E.g.: O executivo coloca parentes no legislativo; o legislativo coloca no executivo ou judiciário; intercambiáveis. Isso além do pérfido costume incontrolável de gestores desses três poderes de alternarem seus nomeados e indicados em empresas “laranjas” e terceirizadas que prestam serviço público. Que tal a obrigatoriedade atrelar o nome de quem indicou e providenciar listas de todos os indicados disponíveis, unificada, em portal da transparência dos três poderes? Não há linhas de páginas ou banco de dados suficientes? Enquanto houver o burocratizar para reinar, e enquanto não banirmos o nepotismo cruzado, a promiscuidade política persistirá corrompendo o executivo, legislativo e judiciário, da União, Estados e municípios, e, independentemente de partidos e alianças, a doença do sistema público prosseguirá se alastrando, para a qual não haverá um ou outro eleito que sirva de medicamento, quando a questão é cirúrgica desde a raiz e se aplique quimioterapia que envolva todos os órgãos, do corpo inteiro. De que forma você acompanha e cobra a respeito disso a partir de seu próprio município? A inércia não é uma opção, sob pena de infectar ou continuar a sepse no país todo.

• Δαn ßεrg •
  • Acesse gratuitamente todas as matérias do autor [clique]

SINDICALISMO NA BÍBLIA – Desde a Grande Depressão (Crise de 1929), quando empregadores baixavam os salários como tentativa de oferecer mais empregos, contratando trabalhadores dispostos a oferecer sua força de trabalho por salários menores, ainda assim o desemprego e a recessão persistiam. Acontece que os poucos empregos e baixos salários fazem diminuir a procura por produtos e serviços, o que, por sua vez, causa demanda permanentemente abaixo dos níveis de produção, desaceleração da economia, o que gera estagnação. Desde aqueles tempos, os sindicatos jamais solucionaram os problemas, por um fator muito simples: Ressalvadas as exceções, como agulha no palheiro, os sindicatos sempre foram excelentes atores na sociedade, literalmente. Jogam dos dois lados do campo, representando o terceiro time chamado perfídia. Por um lado, arrebatam multidões, fingindo defender o direito dos trabalhadores, por outro, se prostituem com os empregadores, privados ou públicos. Fato é que sempre ganham visibilidade e influência política, por meio do fisiologismo, incentivo à luta e divisão de classes, movimentos e infiltração social, conforme interesses oportunistas de seus dirigentes e políticos de estimação. Divagações à parte, talvez por isso SINDICALISMO seja o termo mais adequado à tradução do original hebraico – amplo comércio desonesto, capacidade usada para negociatas e aliciamento de soldados, visando a tomada de poder e estabelecimento da sua própria soberba, peculiar sindical – de Isaías 14 e Ezequiel 28, sobre as causas da QUEDA de Lúcifer e um terço da casta angelical por ele arregimentada. Desde então, nada mudou essencialmente, e até parecem anjos de luz, inclusive no meio eclesiástico. Mas ele e os seus não caem sem antes de muita birra no chão, plantarem subversão no tecido social (“Murus Urinæ Canis” • Δß), grunhirem seus ruídos a que chamam música, dançarem para fazer tempestade ou novos filhos de remelexos em colo de bondes, fomentarem guerrilha e “terrorismo do bem”, no famoso dividir para reinar. Os piores venenos são aqueles administrados em doses homeopáticas; portanto, seja em qual segmento for, religioso ou político, profissional ou artístico, industrial ou científico, em grupos ou em casa, executivo, legislativo ou judiciário, parafraseando Paulo, “notai-os”, para que “não vos enganeis”! Abomine, se recuse pactuar ou dar contribuição, é a admoestação milenar.

• Δαn ßεrg •

Que tal se for editada lei que determine de quais moradores da vizinhança você deve ou não ser amigo? Isso já existe! Está na Lei Magna do Brasil! Foragidos da Justiça retornam como constituintes, ressalvadas exceções, movidos por interesses políticos, e deixam essa outra cilada, no parágrafo único do artigo 4⁰ da CF. A outra, mais famosa, e pouco combatida, foi o “somebody love” de acrescentar ao “Todo o poder emana do povo” a sentença “que o exerce por meio de representantes eleitos” (ou seja, “o povo deve falar por meio de nós mesmos, os políticos, que protegemos e legislamos em causa própria”). Ao parágrafo único do artigo 4 só faltou grafarem URSAL, em arremedo das URSS ou OTAN. Integração econômica, política, social e cultural é importante com qualquer nação de interesse, não ao exclusivo e capcioso “povos da América Latina”, visando, óbvia e textualmente, formação e unificação socialista de grupo. Quantos você já ouviu comentar a respeito? A premissa de união de blocos ideológicos de Estados é um atentado à soberania nacional. O que consta a respeito disso na Lei Maior da Suécia, Japão, Inglaterra, Canadá, ou mesmo os republicanos norte-americanos, etc? É elemento pertinente à Constituição?

• Δαn ßεrg •

A companhia dos livros dispensa com grande vantagem a dos homens.

Marquês de Maricá

Prolixo e sintético são faces do mesmo diamante. Ambos são importantes à comunicação, e um carece do outro. Por vezes o falar demais traz aborrecimentos, causa problemas, revela questões afetivas, constitui prova contra quem fala ou dificulta a compreensão da mensagem ao receptor. Falar de menos, idem. A moderação é o azeite de ambos, conforme cada momento.

• Δαn ßεrg •
FELIZ 200 ANOS!

Beirando o caos ele chegou,
Onde ninguém queria mexer.
Levou facada e revelou
Sinistros de todo poder.
Ouço o antibolchevique:
Nenhum medo de canhotos!
Aguerrido custa caro,
Res do esgoto, nos indique
Outro além de Bolsonaro!

Precisa ser competente,
Respeito do povo onde for.
Eleitor patriota e consciente
Sente cheiro do impostor!
Isentões, terceira via,
De tirar voto é que ganham:
Esquerda vence e ludibria;
Nunca mais, Brasil se ergue!
Trema o mundo o novo dia,
Eis prelúdio, por Dan Berg.

Dentre todos esses vistos,
Ache outro e voto agora:
Não há um com tais quesitos!

Bom novo ciclo, Capitão!
Eis duzentos anos de Brasil,
Rico em Deus, vitórias mil,
Gigante povo, heroica nação! 

• Δαn ßεrg • 21/03/2022 | Soneto heterométrico adaptado ao acróstico em homenagem ao aniversário do Presidente Jair Bolsonaro. Não lhe espero perfeição, pertinente ao Rei dos reis, mas apenas 3 quesitos: 1) Anticomunista e derivações; 2) competência (ouvindo mais conselheiros técnicos do que turíbulos); e, 3) distante de históricos criminais e de quem os possua. A tríade visa limpeza da velha política e recolocar o Brasil digno da redobrada continência do mundo, a exemplo dos áureos tempos do Império do Brasil, enquanto estejamos furtados da Monarquia Parlamentarista. Carpe Diem; Frui Nocte: Non Dvcor; Dvco!

É claro que o ser humano é diferente dos animais. Só ele é dotado de genialidade e estupidez.

• ∆αn βεrg •

Sempre haverá mais ignorantes que sabedores enquanto a ignorância for gratuita e a ciência dispendiosa.

Marquês de Maricá

Algumas pessoas são persuadidas pela Razão; outras, pela falta dela.

Alessandro Loiola, MD

Não precisamos de novas verdades. Precisamos acatar as existentes.

• Δαn ßεrg • 09/2021

Os homens preferem geralmente o engano, que os tranquiliza, à incerteza, que os incomoda.

Marquês de Maricá

Parafraseando Alexandre Garcia, em diplomacia de conflitos a principal moeda em jogo é o sangue do povo, assim como em guerra, a primeira vítima é a verdade!

• ∆αn βεrg •

Ainda que o povo aceite com facilidade e até se torne polícia do Estado, não fácil nos acostumarmos com o novo “normal” e seus devidos termos: “FrauDemia”, “FakeDown”, “QuarEterna” (o quanto interesse aos decretos), “PanDemônio”. É muita “Çieinssia” para nosso cérebro. Todos dentro de um só: “Qui Bono”?

• ∆αn βεrg •

Se alguém conseguisse definir Deus em Sua infinitude, Ele deixaria de ser Deus, e passaria a ser fruto daquilo que é concebido pelo cérebro humano, limitado por sistematizações religiosas, cabível e dominável pela criação, possível ser de explicado e catalogado.

• ∆αn βεrg •

Flexibilização de medidas e máscaras. Os vírus obedecem; os idiotas úteis agradecem. Ano eleitoral. Interesses de governadores para que municípios apoiem, ao máximo, campanhas dos Estados, de quem comem na mão. São exatamente eles que editam decretos, desprovidos de bases legais, científicas e nome dos técnicos responsáveis, por acaso, de interesses deles mesmos.

• ∆αn βεrg •

HIPÓTESE: Encontrado numa fazenda, em município próximo à Capital, o gabinete e templo do maior mago satanista do mundo, apoiador de corrupção, crimes hediondos, máfia, túneis malignos, cracolândia, tráfico de órgãos e pessoas vivas, crianças escravas. No local há evidências de envolvimento com globalistas, NOM, magnatas do Global Reset, Nesara, Gesara, “deep state” e reptilianos. CONCLUSÃO: Isso quer dizer que agora temos autorização e motivos suficientes para invadir, atacar, e até usar armas nucleares, se possível, para varrer essa gente da face da terra? Note que nenhum local é citado, e ninguém neste texto é acusado ou apoiado. A ponderação é, portanto, neutra. SE é assim que acontece que, na prática, e SE tem sido esse o critério, ENTÃO, quem será o próximo? Podemos ser nós mesmos? SE essa é a lógica, e critérios, ENTÃO os fins estão justificando os meios, um erro está aprovando outro, e o crime “A” passando a tornar lícito o crime “B”. Ou não? Não precisamos desprezar qualquer teoria, por mais ridícula que seja, mas também não precisamos defender exageradamente um ou outro lado; defendamos a coerência, o bom senso, e, sobretudo e o povo inocente, que é a principal vítima, seja de onde for. O diabo não precisa de advogados e assistentes pelo mundo. Ele já tem patronos suficientes.

• ∆αn βεrg • 08/03/2022

Mulheres, crianças, idosos e civis são deliberadamente atacados. Onde estão as feministas mundiais, Greta e demais movimentos? Vidas importam? Ucranianas também? Feliz “Dia dos Humanos”, hoje e sempre, ultraninivitas e neobolcheviques!

• ∆αn βεrg • 08/03/2022 – Dia Institucionalizado Como Sendo das Mulheres

Parte de verdades com recheio de mentiras é o ‘modus operandi’ das fábricas de narrativas, especialistas na produção e venda de desculpas para defender o ignóbil. São como o relógio quebrado que estará correto ao menos duas vezes ao dia. Ou como o pior veneno, que é oferecido em doses homeopáticas. Fé demais em peixe estragado não cheira bem, e acaba exalando de quem o compra, assim como de quem o vende.

• ∆αn βεrg •

Segundo Moshe e Shlomô, quem não honra a velhice não é digno de alcançá-la. Quem não honra os pais, ao contexto do que seja possível, desconhece a promessa de longevidade e não experimenta os representantes de Deus na terra, ou que deveriam sê-lo. Estrada de duas mãos, é que está escrito.

• ∆αn βεrg •

Vamos à guerra, dominemos o inimigo que seja de nosso interesse do momento; aumentemos nosso território e império. Depois, fabriquemos motivos e apresentemos razões para calar dúvidas e sufocar críticas. Assim, conquistaremos apoio estrangeiro e até quem nos defenda. A própria história pode mentir, dependendo de quem a conta e por quais interesses. Assim são os ultraninivitas e neobolcheviques.

• ∆αn βεrg •

Nenhuma nação deve ser invadida ou ter sua soberania violada, exceto quando seus próprios cidadãos, em sua maioria, peçam às forças militares a deposição daquele que seja sua AUTORIDADE SUPREMA, conforme Lei Magna, ou intervenção internacional quando o governante maior e Forças Armadas sejam os opressores do povo que efetua o pedido.

• ∆αn βεrg •

Friede wenn möglich, aber Wahrheit auf jeden Fall (Paz se possível, mas verdade, com certeza)

Martin Luther

Pare de distribuir pérolas a quem não deve: empobrece o espírito, adoece a alma e lhe torna contínuo devedor de fariseus. Para sua saúde, evite situações e pessoas que pratiquem o ‘tudo o que disser será usado contra você’. Ausentar-se um pouco lhe valoriza como gente. Importar-se com quem realmente se importa não é egoísmo; é amar-se a si mesmo, condição essencial para a ‘μετάνοια’ (metanoia: evolução do pensamento) e amar o próximo.

• ∆αn βεrg •

NÃO SE TRATA DE…

TRATA-SE DE!

Não se trata de ser provacina ou antivacina;
Trata-se de crime contra a humanidade, aviltando a bioética, biodireito, biossegurança e biomedicina.
Não se trata de análise ou opinião;
Trata-se de dar o número completo, a ocorrência, o fato e a informação.
Não se trata de oportunistas versando sobre leis ou decretos locais;
Trata-se de TCLE, de Nuremberg, Helsinki, declarações e tratados internacionais.
Não se trata de inventar nova legislação, chamando o povo de demente;
Trata-se de intrépido que faça ao menos cumprir tratado e resolução que já é vigente.
Não se trata de seguir imprensa ou político de estimação;
Trata-se de autonomia entre médico e paciente, para a saúde de qualquer nação.
Não se trata de orar por vacina;
Trata-se de marchar, exigindo também protocolo e fármacos ao infectado, e livrá-lo da chacina.
Não se trata de politizar ou contestar a ciência ou a verdade;
Trata-se do juiz se inclinar ao médico e científico com isenção e equidade.
Não se trata de fechar a economia, mas liberar campanhas políticas, réveillon e carnaval;
Trata-se de arrolar técnicos aos decretos sobre o vírus que é mundial.
Não se trata de idolatrar ou demonizar esse ou aquele medicamento;
Trata-se do crime de negar ao infectado protocolo adequado com ou sem reposicionamento.
Não se trata de condenar “off-lable” e aplaudir pílulas salvadoras com mesmos componentes;
Trata-se de FrauDemia, FakeDown, QuarEterna, PanDemônio, novas cepas, novos picos de óbitos e doentes.
Não se trata de vacinação;
Trata-se de oferecer teste público de RT-PCR e anticorpos neutralizantes, que escancara a corrupção.
Não se trata de máscara, higienize as mãos e fique em casa, de um século atrás;
Trata-se de usarem seu vizinho para lhe impor os símbolos da nova adequação social, sem liberdade, sem crença, sem paz.
Não se trata de ciência, de medicina, de tratamento, de verdade;
Trata-se de lhe adestrarem a entender quem manda no pedaço; quem é o principado, quem é a autoridade.
Não se trata de ir às ruas motivado por movimentos políticos, partidários e sindicais;
Trata-se de um mundo que clama entre os próprios reacionários: totalitarismo e 3º Reich, outra vez, aqui, jamais!
• ∆αn βεrg •

PORTUGUÊSENGLISH
É apenas restrição por duas semanas.It’s just restriction for two weeks.
É apenas restrição por alguns meses.It’s just restriction for a few months.
É apenas uma máscara, fique em casa, lave as mãos e medidas de 1918, após Albert Gitchell.It’s just a mask, stay home, wash your hands and protocols 1918 after Albert Gitchell.
É apenas o Natal, Páscoa e celebrações de fé; as de interesses escusos são liberadas.It’s just Christmas, Easter and faith celebrations; those of suspect interests are released.
É apenas escola, trabalho, viagens, sua vida particular forçada ao “coletivo” deles.It’s just ’bout school, work, travel, your private life forced into “their” collective.
É apenas o público que domina a anemia do indivíduo, família, igrejas, grupos e sociedade.It is only the public that dominates the anemia of the individual, family, churches, groups and society.
É apenas uma vacine, uma picada, um “jab”, uma nova variante, um novo pico de efeitos adversos e óbitos.It’s just a vaccine, a sting, a jab, a new variant, a new spike in adverse effects and deaths.
É apenas explosão de efeitos adversos e óbitos de vacinas experimentais em pandemias.It’s just an explosion of adverse effects and deaths from experimental vaccines in pandemics.
É apenas uma nova cepa cuja curva dispara após vacinações, ensejando novas doses.It is just a new strain whose curve shoots up after vaccinations, giving gap to new doses.
É apenas “bons” magnatas, negociando com “bons” governantes, que vendem pela imprensa.It’s just “good” tycoons, dealing with “good” rulers, who sell through the press.
É apenas um passaporte sanitário de droga experimental, em  nome da ciência do 3º Reich.It’s just an experimental drug sanitary passport, in the name of 3rd Reich science.
É apenas tornar cientistas em criminosos e humanos em cobaias, sem TCLE ou Biodireito.It’s just turning scientists into criminals and humans into guinea pigs, with no voluntary informed consent forms or Biolaw.
É apenas tolher médicos de salvar vidas com ativos reposicionados seguros e eficazes.It’s just deny doctors from saving lives with safe and effective repositioned medicines.
É apenas sobre aglomerações, velórios, eventos, museus, família, o casamento de seu filho.It’s just about crowdings, wakes, events, museums, family, your child’s wedding.
É apenas sobre empresas e trabalhos quebrados, exceto os que vendem a si mesmos às novas potestades.It’s just about businesses and broken jobs, except the ones that sell themselves to the new powers.
É apenas restrição de acesso ao local de culto, liberdade de crença, fé, expressão, compras, ir e vir.It’s just restriction of access to the place of worship, freedom of belief, faith, expression, shopping, coming and going.
É apenas restrição de acesso a alimento, combustível e víveres, por meio dos que já se venderam.It is just a restriction on access to food, fuel and foodstuffs, through those who have already sold themselves.
É apenas um bloqueio na sua conta bancária, rendimentos, salários, reservas, patrimônio, finanças, caso você não se enquadre no “Sistema”.It’s just a blockage on your bank account, income, salaries, reserves, assets, finances, if you don’t fit into the “System”.
É apenas um caso de imprensa ou jornalistas que propagam opiniões sem os fatos: a verdade incomoda; mentir é legal.It’s just a case of press or journalists who propagate opinions without the facts: truth bothers; lying is cool.
É apenas seu direito sendo delimitado por uma autoridade política.It’s just your right being delimited by a political authority.
É apenas uma autoridade religiosa surgindo como braço do governo.It’s just a religious authority emerging as an arm of the government.
É apenas uma forma de lhe adaptar e marcar como submisso e soldado da nova ordem.It’s just a way to adapt and mark you as a submissive and soldier of the new order.
É apenas para se conformar com as novas autoridades do local (i)mundo.It’s just to conform to the new local and world dirty authorities.
É apenas constatação de verdades e fatos, muito acima de teorias da conspiração.It’s just a statement of truths and facts, far above conspiracy theories.

Fim dos tempos, Bíblia e política: A conspiração é real, e vai longe; tanto quanto a ignorância de que Paulo condena os tessalonicenses; tanto quanto o espaço que abrimos aos autointitulados peritos, que dominam mentes em nome de Deus, para impressionar velhinhas; tanto quanto nossa coceira nos ouvidos, que nos faz alimentar de embutidos e copiar mensagens prontas, sem averiguarmos se as coisas são, de fato, assim; tanto quanto errarmos gravemente, omitindo textos e contextos, por falta de entendimento. Essa ignorância nos faz perecer, desprovidos de bases escriturísticas e históricas, omissos quanto às responsabilidades de cidadania, no tempo presente; reféns e multiplicadores de pseudoespecialistas e suas especulações; inimigos de fatos e verdades.

• ∆αn βεrg •
Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Dan Berg

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »