Saúde

Teoria da Constatação – Vaccinatum est!

PSICOSE COLETIVA – EPIDEMIA PSÍQUICA – ARTISTAS E MULTIDÕES SÃO REGISTRADOS EM DELÍRIO AO SE VACINAREM – DOCUMENTOS ASSUSTADORES – SURGE PANDEMIA PIOR DO QUE COVID-19 – TÉCNICAS DE MANIPULAÇÃO DE MASSAS, UTILIZADAS POR HITLER E MUSSOLINI, VOLTAM A SER PRATICADAS PARA MOSTRAR QUEM TEM AUTORIDADE – VOCÊ NÃO ESTÁ ISENTO, DIRETAMENTE OU INDIRETAMENTE DAS CONSEQUÊNCIAS

As multidões nunca tiveram sede da verdade. Diante de evidências que lhes desagradam, viram as costas e preferem divinizar o erro, se ele as seduzir. Quem as souber iludir, facilmente será seu senhor; quem as tentar desiludir, será sempre a sua vítima.

Gustave Le Bon, 1841-1931 – Psychologie des Foules – Presses Universitaires de France, 1895 | Edições Roger Delraux, 1980: A Multidão: Um Estudo da Mente Popular.
Fonte: “Mass Psychosis – How an Whole Population Becomes Mentally Ill” – After Skool e Academy of Ideas | starday.com.br/ps in Gonçalo Ferraz | Rebeca Penna Firme

PERGUNTAS OBJETIVAS PARA RESPOSTAS SEM EVASIVAS

QUESTÕES A SE PENSAR, SEM TERGIVERSAR.

As indagações sobre fatos e verdades devem ser respondidas, também, com fatos e verdades. Do contrário, passa a ser discurso político, narrativa ideológica, “achismo” (eu acho que…), interpretação particular ou canalização pessoal.

Leituras complementares recomendadas – referências cruzadas importantes a este texto:

  • Dados Oficiais – Números Nacionais e Internacionais – Quadro Comparativo [clique]
  • Tratados Internacionais desde Guerras Mundiais e Holocausto – Crime Contra a Humanidade – Obrigatoriedade de Experimento Científico em Humanos – Bioética – Biodireito – Biossegurança – Vacina – Direitos e Deveres – Decretos e (i)Legalidades [clique]
  • Epidemia de efeitos adversos graves após vacinação coloca o mundo em alerta – Máscaras caem – a imprensa se cala [clique]
  • Manual Internacional de Ivermectina – Bomba científica – Novo fármaco, Ivermectina, gratuita por lei, surge como escudo e tem salvado famílias [clique]
  • Prêmio Nobel de Medicina no Brasil – A parábola do casal de médicos e o passaporte sanitário [clique]
  • Membro da família real é infectado por Covid-19. De onde veio a cura? [clique]
  • Previsão da pandemia: Vírus perde efeito por força de decreto – O abraço voltou! [clique]
  • Tratamento Inicial – Audiência Pública entre autoridades federais, médicos e profissionais de saúde especializados [clique]
  • Evitar mortes é possível – Você também pode ajudar – Segredos simples que podem ser fatais ou vitais – Palavra do Dr. Diogo Viriato [clique]

Governantes, fabricantes e imprensa são obrigados a dar resposta científica e oficial, baseada em fatos e verdades, para as questões que seguem. Se eles não dão respostas, faça você mesmo reverberar cada uma dessas questões.

Em um dos grupos em que fui adicionado para contribuir com utilidade pública e elementos que podem salvar vidas, observei um “post” com imagem editada do Presidente Bolsonaro beijando uma figura das trevas, simbolizando a morte, com um número 600.000, em alusão ao número de óbitos por Covid-19. Como a presente matéria não possui interesses políticos, mas expor ao público aquilo que a imprensa omite, debrucei-me a refletir sobre o “post” e o motivo que levou alguns solicitarem uma palavra no privativo.

Não quisemos dar asas ao caso, pois o foco aqui é autoral, apresentando fatos, números e verdades. Todavia, atendendo pedidos e por ter sido tão inusitado, após observar a imagem e tentar entender a motivação daquela pessoa – professor universitário, em franco acinte à docência ética – ao publicar tal coisa, e quais seriam os propósitos úteis à nação para esse tipo de postagem; fizemos algumas das perguntas listadas a seguir.

Não bastasse pessoas passarem vergonha em grupos nacionais, ainda querem os louros do ridículo internacionalmente.

Fato é que a pessoa não conseguiu responder a sequer uma questão (com ou sem discurso), irritou-se com as perguntas, e ainda teve que suportar as vaias e textos sobre o quão triste, hipócrita e inútil fora aquela publicação, em grupo dito patriótico.

Não são ofensas. São apenas perguntas para respostas objetivas, números, fatos e verdades, sem discursos ou narrativas:

Passaportes Sanitários do Nazifascismo – amplie para observar detalhes.

CONSIDEREMOS A IMAGEM DO PRESIDENTE, BEIJANDO A MORTE, COM O NÚMERO 600.000 EM LETRAS GARRAFAIS. PORTANTO, QUESTÕES DE MESMO CUNHO:

Obviamente que na ausência do vocábulo Covid-19, é disso que tratam as perguntas a seguir, exceto quando indicado de outra forma.

  1. Quantos mortos por milhão no Brasil? (Todos os números podem ser facilmente vistos aqui: Dados Oficiais – Números Nacionais e Internacionais – Quadro Comparativo [clique]).
  2. Quantos mortos por milhão na Etiópia? (País pobre da África).
  3. Quantos mortos por milhão na Bélgica? (País rico da Europa).
  4. Quantos mortos por milhão em Cuba, que fazia uso de tratamento precoce, antes da guerra civil (junho/2021)?
  5. Quantos mortos por milhão em Cuba após guerra civil contra o comunismo e falta do atendimento precoce que antes era disponível (hoje)?
  6. Quantos contaminados no Brasil?
  7. Quantos totalmente curados no Brasil?
  8. Quantos sabem que vacina experimental é crime contra a humanidade caso não tenha o TCLE – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido? Tal documento provém de tratados internacionais do pós-guerra e holocausto, como Nuremberg, Helsinki, entre outros, para evitar experimentação compulsória com seres humanos, em nome da “ciência”, tornando pessoas em cobaias e cientistas em criminosos. A cena do indivíduo, dentro de um recipiente de água gelada, que solicita uma bala para terminar logo a tortura, quando o comandante recebe o aviso e aparece com o projétil, não para atender o pedido do agonizante, mas para dizer que aquela bala seria destinada a qualquer soldado que interferisse no “experimento” (para ver o quanto o corpo humano suportaria); é apenas um de milhares de exemplos, que vão muito além de uma simples agulha – chegando ao absurdo do processo clínico de ressuscitação, para confirmar a tolerância do corpo humano.
  9. Quantos malefícios (danos, agravos à saúde, sequelas) por efeitos adversos de vacinas experimentais?
  10. Quantos óbitos por efeitos adversos de vacinas experimentais?
  11. Quantos contaminados apesar de vacinados?
  12. Quantos desses contaminados foram a óbito apesar de vacinados?
  13. Quais são os malefícios para quem tome nova dose de vacina de outra marca no mesmo ano? (heteróloga imediata)
  14. Quais são os malefícios para quem tome nova dose da vacina de outra marca no ano seguinte? (heteróloga a posteriori)
  15. Quais são os malefícios para quem tome nova dose de vacina de mesma marca no mesmo ano? (homóloga imediata)
  16. Quais são os malefícios para quem tome nova dose de vacina de mesma marca no ano seguinte? (homóloga a posteriori)
  17. Quais são os malefícios para gestante que tome nova dose?
  18. Quais são os malefícios para idoso que tome nova dose?
  19. Quais são os malefícios para pessoa com outras doenças e que tome nova dose?
  20. Quais são os efeitos de interação medicamentosa com outras substâncias que as pessoas tomam?
  21. Quais malefícios podem ocorrer para pessoa dentro de aeronave – piloto, tripulação e passageiros -, em determinada altitude?
  22. Quais serão os efeitos adversos tardios (daqui a cinco anos), na pessoa vacinada?
  23. Pessoa vacinada precisa continuar de máscara? Por quais motivos e bases científicas?
  24. Sobre a imprensa (qualquer que seja) que informa “medicamento de ineficácia cientificamente comprovada”, onde estão as provas que legitimam a palavra “comprovada”?
  25. Imprensa que abusa da presunção de verdade, mas que informa falsamente ou não apresenta os fatos, não comete crime? Quem está preocupado com isso? Quem dentre a população coleciona “mentiras da imprensa”, com data e hora, para cobrar responsabilizações criminais (por mais que se duvide da Justiça)?
  26. Sobre a imprensa que demoniza fármacos que podem salvar vidas, na inútil tentativa de desqualifica-los “cientificamente” perante a opinião popular, por qual motivo não usam dos mesmos critérios (científicos), mesmo peso, mesma medida e mesma intensidade, dia e noite, para falar sobre máscaras?
  27. Por que eu deveria tomar vacina, se tiver que continuar me submetendo a todas as medidas de quem não foi vacinado?
  28. Por qual motivo, em todo o mundo, a curva de vacinação em massa é seguida pela curva de novos contaminados e óbitos? (É necessário que o Nobel de Medicina, Dr. Luc Montagnier, diga isso? E e o disse! Ainda que nenhuma celebridade o dissesse, os números não mentem!)
  29. Há como PROVAR a isenção e ausência de interesses entre jornalismo, autoridades e fabricantes de vacinas?
  30. Quantas variantes de vírus surgiram após vacinação em massa no mundo? (contribuição enviada por Profa. Dra. Simone Jaconetti Ydi, PhD)
  31. CONSIDERANDO: a) que autoridades oficiais de saúde afirmam que a pessoa vacinada apresenta menor risco de COMPLICAÇÃO pela doença; b) que a confiabilidade dos especialistas e das estatísticas divulgadas sugerem que a pessoa vacinada apresenta menor risco de MORTE pela doença; e c) que algum tipo passaporte vacinal seja imprescindível no controle da pandemia; PERGUNTA-SE: Se as vacinas são eficazes, isto ocorre por meio de uma resposta imunitária mediada por anticorpos? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  32. Seguindo o mesmo raciocínio acima (CONSIDERANDO): Quais anticorpos conferem essa proteção? Imunoglobulinas do tipo G ou M contra o nucleocapsídeo? Ou contra proteína Spike? Ou outros? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  33. SE a imunidade mediada por anticorpos específicos produz proteção, a partir de QUAL NÍVEL uma pessoa apresenta resistência contra o vírus? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  34. QUAIS vacinas ou combinações de vacinas são capazes de atingir estes níveis? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  35. E, em QUANTOS DIAS após a vacinação? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  36. O nível ideal de imunidade produzida pelas vacinas dura QUANTO TEMPO? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  37. SE a imunidade mediada por anticorpos produzida pelas vacinas confere proteção, pessoas que JÁ POSSUEM níveis considerados ideais desses mesmos anticorpos, após uma infecção natural, necessitam vacinar-se? (contribuição enviada por Dr. Alessandro Loiola)
  38. Pessoas vacinadas – apesar de a ciência ser contra vacinação em pandemia – podem transmitir, até mais intensamente do que pessoas não vacinadas. Se isso é verdade, como fazer o controle sanitário entre vacinados e não vacinados?
  39. As vacinas não garantem a imunização completa: a) de transmissibilidade; b) do próprio indivíduo (com a teoria de amenizar gravidades). Sendo isso verdadeiro, além de máscaras e distanciamento social, AS AUTORIDADES SANITÁRIAS MUNDIAIS TEM A RESPONSABILIDADE de fazer uso de quais recursos farmacológicos mundialmente consagrados como seguros e eficazes?
  40. Além de lobby, disputas de poder, lucros de políticos, da BigPharma e da imprensa, QUAL A REAL FUNÇÃO das vacinas? Por acaso já se pensa em futuras negociações internacionais até chegar à variante ÔMEGA?
  41. Novas cepas? Então o imunizante além de ineficaz estimula o surgimento de variantes do vírus?
  42. Existe a narrativa de que vacina serve para amenizar, caso eu seja contaminado. Então a blindagem não é garantida? E podem chamar isso de vacina? Técnica e legalmente está correto? Dizem que a diferença clássica entre medicamento e “remédio”, é que medicamentos são aqueles de comprovação científica, enquanto que remédios, embora com os mesmos propósitos, curando ou não, são atribuídos ao ato de “remediar”, aos costumes folclóricos, caseiros, tradicionais, o chazinho da vovó, os unguentos, os elixires, as pajelanças. Considerando o nível científico inadequado de eficácia, as vacinas contra Covid, na verdade e atualmente, se enquadram em qual categoria, imunizante, medicamento, remédio, pajelança?
  43. O que você diz sobre as pessoas vacinadas cujo teste de imunidade posterior mostrou que estão imunizadas entre 0 e 50%?
  44. Qual a diferença entre estar imunizado em 50% (quando muito) por vacina e em 90-95% com algum medicamento seguro? Apenas números?
  45. Vacinados estão livres de lockdown? Por qual motivo?
  46. Quantos casos de contaminação por Covid existem entre os já vacinados? Onde está essa estatística?
  47. Quantos óbitos por Covid, apesar de vacinados?
  48. Quantos e quais tipos de sequelas o pseudoimunizante pode causar? Onde isso está catalogado para informação do público?
  49. Qual a diferença de lucro entre vacina e substância livre de patente? Em qual dessas vertentes imprensa e autoridades investem atenção, empenho, finanças e campanhas?
  50. Por que a África, em sua miséria, mas que recebe ivermectina às toneladas, há décadas – portanto segura e recomendada pela OMS – para combate a doenças regionais, possui taxa de mortalidade absurdamente menor do que países da rica Europa?
  51. Por que não há mortes em massa em presídios onde as condições sanitárias ou distanciamento social são inadequados?
  52. Por que An@ Mar!@ Br4ga, e uma lista interminável de pessoas, foram contaminadas, e tantas mortes, mesmo após segunda dose? A culpa é sempre do indivíduo, por idade, comorbidades etc.? Quando vão começar admitir ineficácia ou insegurança da vacina para esses casos de insucesso?
  53. É claro que vacinas são importantes e desejadas. Escolha apenas um tipo: a) Vacina eficaz mesmo que não tenha segurança; b) Vacina que tenha segurança, mas que não tenha eficácia; c) Vacina que tenha segurança e eficácia, aprovada cientificamente (não por governantes) após resultados de testes em humanos; d) Vacina sem eficácia ou segurança.
  54. Imagine certa pessoa (comum, religiosa, profissional de qualquer segmento, familiar ou governante) que, em seu meio, fala apenas sobre vacinas, mas não se manifesta do mesmo modo a respeito de medicamentos e resolução de conduta clínica para tratar e curar os que já estão infectados, ou seja, aqueles que não são alvo de vacina. O que você pensa sobre essa pessoa?
  55. Qual a porcentagem de óbitos correspondente a pessoas vacinadas e não vacinadas?
  56. Quando os órgãos oficiais disponibilizarão essas informações (todas da presente lista) ao público?
  57. Qual protocolo (conduta de atendimento e tratamento) você pratica quando uma pessoa se apresenta em sua unidade de saúde com suspeita ou confirmação de Covid-19?
  58. Se já foi administrado certo antibiótico contra bactéria no paciente, mas, em vez de regredir, a doença evolui, indicando ineficácia do ativo, pressupõe-se que a conduta do médico seja administrar fármaco de outra linha ou espectro. Sim ou não? Seguindo essa lógica, no caso de Covid-19, qual será o resultado ao se insistir em novas doses de mesma substância vacinal? Vinte doses sem eficácia? O critério e lógica são diferentes?
  59. Caso o lucro de magnatas determine a necessidade de novas doses, qual o nome da vacina que você deve tomar na terceira, quarta, quinta doses? Sua informação é baseada em qual fonte? Ciência ou governo? Informações de médicos, vizinhos, redes sociais, imprensa ou de político de estimação?
  60. Pergunta longa. Respire fundo. O conteúdo e fatos exigem que assim você pense, mesmo que precise de um antiemético: Então, quer dizer que a pandemia será amplamente noticiada pela imprensa e governantes como ZERO “CONTAMINAÇÕES”, e O VÍRUS IRÁ SE RECOLHER, por força de decretos, com interesse em distribuição de verbas – dinheiro de impostos – para empresas patrocinadoras e carnavalescos, visando o final de ano, carnaval e demais eventos de interesse de gestores públicos, que, magicamente estão “super preocupados” em realizar os planejamentos desde já? É sério isso? E você acha que a Europa está nas ruas protestando por causa de partidos?

GOSTARIA DE ACRESCENTAR ALGUMA PERGUNTA AO TEXTO? PODE ENVIAR PELO MESMO CANAL POR ONDE VOCÊ RECEBEU ESTA MENSAGEM.

Carpe diem. Frui nocte!

SOLI DEO GLORIA!

Envie para quem você ama!

⁞Ð.β.⁞

֍

Print Friendly, PDF & Email

Dan Berg

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo