Esportes

Ary Borges projeta briga por vaga no meio-campo da Seleção Feminina: ‘Disputa muito saudável’

Compartilhar

Campeã do Brasileiro Feminino A-2 2019 e vice-campeã do Brasileirão Feminino Neoenergia 2021, a meia já foi convocada em cinco oportunidades pela sueca e, na última janela FIFA, ganhou os primeiros minutos na equipe principal, ao entrar nos dois duelos diante da Argentina.

De olho na renovação da Seleção Feminina, Pia Sundhage tem aproveitado para utilizar as janelas FIFA, que antecedem a Copa América Feminina 2022, para conhecer e testar novos talentos. A mescla de um grupo com jogadoras jovens e experientes é, para a sueca, uma fórmula de sucesso para os próximos objetivos da Canarinho. Para os dois jogos diante da Austrália, por exemplo, a equipe conta, entre as 23 selecionadas, com nove atletas com menos de 23 anos de idade. 

Remanescente da geração penúltima  da Seleção Feminina Sub-20, Ary Borges é uma das jogadoras que vem ganhando oportunidades com Pia Sundhage. Campeã do Brasileiro Feminino A-2 2019 e vice-campeã do Brasileirão Feminino Neoenergia 2021, a meia já foi convocada em cinco oportunidades pela sueca e, na última janela FIFA, ganhou os primeiros minutos na equipe principal, ao entrar nos dois duelos diante da Argentina. 

Ary Borges no primeiro treino com o grupo completo em Sidney

Brigando por um espaço na equipe, Ary tem pela frente fortes concorrentes no meio de campo brasileiro. O alto nível das companheiras é um elemento que, segundo a meia, a motiva ainda mais em busca de um lugar entre as selecionáveis de Pia. 

“Primeiro é uma disputa muito saudável. É muito bacana quando você tem tantas jogadoras de um nível tão alto, isso querendo ou não, te motiva a cada dia querer ser melhor. É muito bacana pra mim, pelo menos, estar aqui aprendendo com quem está há mais tempo. Óbvio que a gente também vai cavando o nosso espaço para poder ajudar no que a Pia precisar”, enfatiza. 

De olho nos dois jogos com a Austrália, Ary traz na bagagem a experiência internacional com a Seleção Feminina Sub-20. Com a equipe, disputou o Sul-Americano e o Mundial, ambos em 2018. O lastro com a base, para a meia, faz com que os desafios sejam encarados com mais tranquilidade, mas claro, sem perder aquele “friozinho na barriga”.

Ary Borges em treino de finalização da Seleção Feminina

“A gente tem um pouquinho dessa experiência. Quem passou pela base consegue ter um preparo psicológico diferente em relação a esses jogos. Mas com certeza o frio na barriga vem, aquele nervosismo bacana é o que também nos move a jogar futebol, esse ‘friozinho’. Então, é muito importante pra gente ter essa experiência, ter bons jogos, não só pra gente, mas para o grupo em si, enfrentando seleções mais fortes nessa preparação do novo ciclo. As expectativas são as melhores, fazer aquilo que a Pia pede e seguir o plano de jogo”, finaliza.

O primeiro encontro entre Brasil e Austrália será neste sábado (23), às 5h50 (horário de Brasília). O segundo duelo está marcado para a próxima terça-feira (26), às 6h05 (horário de Brasília).

Fonte: CBF


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo