News

RJ: Faperj vai investir em pesquisa da Pesagro sobre turismo rural

Compartilhar

A pandemia da Covid-19 estabeleceu uma mudança nos fluxos do turismo no país, hoje mais direcionado a pequenas distâncias. O movimento favorece a visitação aos destinos no interior fluminense, tanto pela população da capital quanto da originária de estados próximos, em especial Minas Gerais e São Paulo. E um projeto da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro) receberá apoio da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

Coordenado pela pesquisadora Valéria Lima, o projeto “Vivências do Rio Rural: a geração de oportunidades pela via do turismo fluminense em tempos de pós-pandemia” foi contemplado no Programa de Bolsa de Treinamento e Capacitação Técnica (TCT) em apoio ao desenvolvimento do setor agropecuário e da agroindústria do Estado do Rio. Ele terá início neste mês de novembro.

Segundo Valéria, o projeto pretende implementar ações para o desenvolvimento do turismo rural no território fluminense, a partir da capacitação técnica e da qualificação de produtos e serviços no setor. O público-alvo é formado por produtores rurais, profissionais do setor, gestores e agentes públicos, além de empreendedores locais.

A ideia, de acordo com a pesquisadora, é valorizar a natureza e os atributos do campo. Segundo ela, o setor rural fluminense pode, deste modo, fazer do turismo uma alternativa para a complementação de renda de muitas famílias, sem prejuízo das atividades essenciais do pequeno produtor ou de famílias campesinas.

– O turismo aplicado em bases de sustentabilidade enseja o fortalecimento de identidades culturais e colabora no resgate de tradições por vezes esquecidas ou desvalorizadas – explica.

O projeto da Pesagro tem abrangência ampla e diversa, pois contempla 43 municípios de cinco regiões turísticas do estado. E, durante sua vigência, serão realizadas oficinas de validação do diagnóstico da oferta e demanda turística; de oficinas de sensibilização sobre as oportunidades de contribuição do segmento com o desenvolvimento socioeconômico local e regional visando a melhoria de vida das populações; formação de comitê gestor do turismo rural nas regiões; a construção participativa do plano de ação para desenvolvimento da atividade, entre outros.

– A proposta que nos norteou é de podermos fazer uma entrega que perdure para aqueles que permanecerão nos territórios, com uma perspectiva de melhor qualidade de vida em todos os sentidos – explica a professora.

Para ela, esse objetivo só será alcançado se a fase de planejamento for realizada com cuidado, criando as âncoras necessárias para uma gestão participativa e que integre os setores público, privado e a sociedade civil.

– Com produtos, serviços e roteiros bem edificados, restará, então, divulgá-los e comercializá-los de modo coerente e responsável – concluiu Valéria.

F


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo