CrônicasHistória

O golpe dos golpes – Como tudo começou no balcão de negócios da República da Scholdra

Compartilhar

O GOLPE QUE DEU ORIGEM A TODOS OS GOLPES!

República da Scholdra é um óbvio neologismo criado a partir de agora, para uma sequência de boletins versando sobre verdades históricas daquilo que alguns chamariam de República das Bananas ou República da Esbórnia.

Doravante, nesta ou novas literaturas, República da Scholdra reunirá todos os adjetivos do res + público que idolatra esse tipo de sistema, simplesmente por serem portadores da Síndrome de Estocolmo Coletiva Republicana [caso queira saber mais sobre essa patologia nacional, clique aqui] . O mais é consequência.

Ainda temos brasilidades incomensuráveis, que serão contrapostas e clamarão antes os fatos que seguem.

O que o brasileiro tem, de fato, a comemorar a cada 15 de novembro?

Aos que estudam História, o golpe contou com avô de FHC propondo fuzilamento à Família Imperial, caso não se retirasse do país [caso queira confirmar, não apenas a fundação que leva o nome do ex-presidente, e disfarça sem conseguir calar o assunto, mas também incontáveis fontes históricas de maior credibilidade, dentre as quais o excelente Prof. Luiz Gustavo Chrispinoclique].

Por sinal esse avô, é da mesma estirpe dos ancestrais de Agripino CoviDória, dos batalhões getulistas: tudo gente “boa”! Estão nos anais da História, e parece que lá continuam.

Parafraseando Ruy Barbosa, quando diz “O Parlamento do Império era uma escola de estadistas, o Congresso da República transformou-se em uma praça de negócios.” (Senado/1910), o constituinte da república reconhece que o Brasil foi transformado num grande balcão de negócios de politiqueiros.

Dos 15 países com melhor Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, 8 são Monarquias. A maior corrupção se prolifera mais justamente nas que são repúblicas. Analise os números, História e o IDH.

Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano – IDH: As Monarquias superam as repúblicas em mais um indicador – Fonte: PNUD/ONU

Derivando do próprio nome, república tem auditório, plateia, público (meros expectadores do circo, por mais que gritem). Monarquia tem povo, gente, nação.

Na República de Scholdra, hoje, temos:

  • 81 senadores
  • 513 deputados federais
  • 1059 deputados estaduais
  • Total = 1653 reizinhos

Daria para sustentar mais de mil monarcas, apenas em nosso país! Ou seja, quem fala mal da monarquia, se acha tão “inteligentinhos”, que não percebe que já sustenta milhares de imperadores e lhes serve historicamente.

Fale mal do rei ou imperador a um japonês, inglês, canadense, sueco, norueguês, espanhol, dinamarquês. Ele lhe dirá “Você insulta, chamando de estátua de cera: respeite quem representa nosso povo! A política é coisa de Primeiro Ministro e meia dúzia de partidos, que vem e vão. O povo, representado pelo monarca, mantém seu poder, cultura e honra! Fique com seus corruptos republicanos, e milhares de reizinhos, em que você vota, e que pode até gritar e ir para as ruas, mas é deles a palavra final”.

Neste mês a Noruega teve apuração com zero votos para feministas, comunistas, dentre meia dúzia de partidos… diferente dos 100 clubes mafiosos republicanos, com raríssimas exceções (cerca de 33 partidos políticos atuais + 77 em formação).

Tanto é verdade, que, felizmente, os articuladores do golpe, Quintino Bocaiúva, Benjamin Constant e Marechal Deodoro, pediram perdão a Deus, ao povo e ao Imperador, amigo, e na mesa de quem comiam:

Ruy Barbosa em carta ao exilado Imperador Dom Pedro II: “Majestade me perdoe, não sabia que a república era isto”.

Quintino Bocaiuva: “Só volto ao senado para pedir perdão a Deus pelo que fiz para que viesse esta república”.

Benjamin Constant: “Não era esta a república com que sonhava”.

Deodoro da Fonseca, Marechal, ao assinar o decreto que implantou a república: “Deixe-me assinar esta porcaria” – O próprio fundador da república sabia o que estavam fazendo, para expressar palavras de tamanho peso. E, ainda: “[…] A monarquia é o único sustentáculo do Brasil. Se mal com ela, pior sem ela.”

Getúlio Vargas, outro líder da república, tempos depois, reconhece o erro: “Não há dúvida de que a monarquia é, ainda, para o Brasil, o melhor governo. Foi um grande erro a república para o Brasil”.

Seu professor de História não vai lhe contar que Marechal Deodoro, o primeiro presidente da república, arrependido, renunciou no ano seguinte!

Estudar sobre as verdades do Brasil, não tem preço, embora triste em constatarmos como transformaram a Terra Brasilis em República da Scholdra.

Certa feita, em nossa modesta preleção e execução de Amazing Grace (John Newton) ao piano orquestral, ter o privilégio de ladear Dom Bertrand de Orléans e Bragança, e aprender sobre esses fatos da boca de quem “esteve lá”, na História, e a integra aos nossos tempos, não tem preço. Redobrada consideração a Vera Amatti e Deusati Eliana Cardoso, por tamanha honra. Felizes são aqueles que podem e se esforçam por estudar e ouvir palavras de sabedoria e verdades histórias diretamente desses baluartes de nossa tão maltratada nação! Ouçam-nos!

Não precisamos ir muito longe. Poucos exemplos são suficientes aos que “querem ouvir”. Pergunte a uma menina (menine? – não dá, né? Com máximo respeito: Não faz parte da língua oficial. Se fosse para privilegiar minorias, teríamos que ser justos, por meio de LIBRAS, braile, áudios, e todas os recursos correlatos. Gênero psicológico é uma coisa, biológico é outra, mas não é esse o assunto) se, após beijar o sapo, ela quer que o sapo vire presidente ou príncipe. Está na consciência humana!

O modelo de autoridade espiritual que deve ser aclamada, no Salmo 24, em todos os “Mizmor” de David, nos “Mishlei” de Salomão, bem como na completude da teologia escriturística, refere-se à vinda de um presidente dos presidentes, ou O REI dos reis? 

O Messias (Messiah, HWV 56, 1741) de Georg Friedrich Hændel reverencia um presidente celestial ou o Rei dos reis?

O povo que se chama povo de Deus é considerado de público, anarquistas e republicanos ou REINO, sacerdócio e nação?

Sobre o Israel veterotestamentário (grifo e glosa autoral):

“Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis REINO de SACERDOTES e NAÇÃO santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel.”

Ex.19:5,6 – ARA

Aos que acham desculpas na tentativa inútil de argumentar que esse texto refere-se ao Antigo Testamento, lembremos de que é apenas uma amostra de toda a Teologia Bíblica; todavia, vejamos o que diz o conceito neotestamentário sobre o Israel cristão, ou seja, os descendentes da fé abraâmica e, adotados em Cristo, o Israel invisível:

“Vós, porém, sois RAÇA eleita, SACERDÓCIO REAL, NAÇÃO SANTA, POVO de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes [não da nossa religiosidade, mas…] dAquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”

IPe.2:9 – ARA

Cada um acredita no que quiser, mas o fato é que Deus criou o Universo com características reais, do macro ao micro. Retire o Sol, o rei, e o ser humano morre instantaneamente. Mexa no núcleo de um átomo, e terá uma bomba atômica, com destruição também instantânea. São os fatos e números. Daqui em diante, quando falarmos sobre República da Scholdra, você sabe do que se trata. Felizmente, é possível que nos venham novos dias, nova política, nova Constituição, e que nos seja, de fato, Libertadora.

Soli Deo Gloria!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Dan Berg

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo