News

Teresina ganhará bioparque para acolher os animais e receber visitantes

Compartilhar

Zoobotânico será um espaço focado na preservação das plantas e bem-estar dos animais, valorização da educação ambiental e melhores condições de lazer para a família.

O Zoobotânico de Teresina, terceiro maior parque urbano do Brasil e o maior do Nordeste, agora será um bioparque, estando entre os conceitos mais modernos de interação do ser humano com a fauna e a flora. Os abrigos dos animais serão reformados, readequados e ampliados, garantindo segurança aos visitantes, funcionários e dos bichos. O parque também se transformará em um local mais inclusivo e acessível para crianças, idosos e pessoas com deficiência, contando com visitação guiada, áreas de jardinagem e espaços sensoriais.

Todas as zonas de exibição serão também nichos de entretenimento educativo. A imersão poderá ser vivenciada em pequenos espaços expositivos, em áreas de pré-shows, salas de exposição e atrações interativas, além da observação dos recintos. A premissa essencial é que o entretenimento esteja sempre aliado ao conhecimento.

O espaço terá um sistema de monitoramento e acompanhamento da população de animais e também um inventário das árvores do parque com quantidade, identificação e mapeamento dos espécimes vegetais. “Atualizar o catálogo das árvores do Zoobotânico é importante para melhor planejar e executar ações de manejo e cuidado do parque, observando as necessidades específicas de cada planta. Com a identificação botânica das espécies, é possível fazer um diagnóstico ambiental que auxilia em ações de conservação e reestruturação da flora”, comenta Graça Arrais, doutora em botânica pela Universidade de São Paulo (USP).

No bioparque, os animais têm maior liberdade e mais oportunidades de interações com o visitante. A ideia é devolver a Teresina um local diferenciado de integração com o meio ambiente aproximando fauna, flora, ser humano e terra. “Hoje, as pessoas só caminham e olham para os animais e árvores, mas não têm acesso ao conhecimento sobre as espécies. Vamos introduzir o conceito de visita voltada para educação ambiental atrelada ao lazer de forma sustentável e responsável,”, explica Viviane Moura, superintendente de Parcerias e Concessões do Piauí.

A próxima etapa do projeto é a assinatura do contrato com o Consórcio Bioparque Piauí, vencedor da licitação, que será responsável pela readequação, modernização, operação e manutenção do Parque Estadual do Zoobotânico pelos próximos 35 anos. O projeto prevê ainda despoluição das lagoas e a construção de novos espaços como bicicletário, auditório, restaurantes e lanchonetes.

O Zoobotânico de Teresina, terceiro maior parque urbano do Brasil e o maior do Nordeste, agora será um bioparque, estando entre os conceitos mais modernos de interação do ser humano com a fauna e a flora. Os abrigos dos animais serão reformados, readequados e ampliados, garantindo segurança aos visitantes, funcionários e dos bichos. O parque também se transformará em um local mais inclusivo e acessível para crianças, idosos e pessoas com deficiência, contando com visitação guiada, áreas de jardinagem e espaços sensoriais.

Todas as zonas de exibição serão também nichos de entretenimento educativo. A imersão poderá ser vivenciada em pequenos espaços expositivos, em áreas de pré-shows, salas de exposição e atrações interativas, além da observação dos recintos. A premissa essencial é que o entretenimento esteja sempre aliado ao conhecimento.

O espaço terá um sistema de monitoramento e acompanhamento da população de animais e também um inventário das árvores do parque com quantidade, identificação e mapeamento dos espécimes vegetais. “Atualizar o catálogo das árvores do Zoobotânico é importante para melhor planejar e executar ações de manejo e cuidado do parque, observando as necessidades específicas de cada planta. Com a identificação botânica das espécies, é possível fazer um diagnóstico ambiental que auxilia em ações de conservação e reestruturação da flora”, comenta Graça Arrais, doutora em botânica pela Universidade de São Paulo (USP).

No bioparque, os animais têm maior liberdade e mais oportunidades de interações com o visitante. A ideia é devolver a Teresina um local diferenciado de integração com o meio ambiente aproximando fauna, flora, ser humano e terra. “Hoje, as pessoas só caminham e olham para os animais e árvores, mas não têm acesso ao conhecimento sobre as espécies. Vamos introduzir o conceito de visita voltada para educação ambiental atrelada ao lazer de forma sustentável e responsável,”, explica Viviane Moura, superintendente de Parcerias e Concessões do Piauí.

A próxima etapa do projeto é a assinatura do contrato com o Consórcio Bioparque Piauí, vencedor da licitação, que será responsável pela readequação, modernização, operação e manutenção do Parque Estadual do Zoobotânico pelos próximos 35 anos. O projeto prevê ainda despoluição das lagoas e a construção de novos espaços como bicicletário, auditório, restaurantes e lanchonetes.

Fonte: Governo do Piauí


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo