Esportes

Alpine “fez um trabalho melhor do que nós”, disse Gasly

Compartilhar

Pierre Gasly teve a primeira largada na primeira fila de sua carreira no Grande Prêmio do Qatar, partindo do P2. Mas enquanto Alonso terminaria no pódio em Losail, Gasly terminou a corrida em 11º – e perplexo sobre para onde o ritmo sensacional de seu AlphaTauri havia desaparecido.

Gasly parecia em ótimo estado desde o início do fim de semana no Qatar, tendo P2 em ambas as sessões de treinos de sexta-feira. Seu excelente P4 na qualificação se tornou P2 no grid quando Max Verstappen e Valtteri Bottas foram entregues ao grid drop – ganho por dirigir através de bandeiras amarelas cobrindo um incidente envolvendo Gasly, depois que o francês perdeu sua asa dianteira e sofreu um furo após sair da pista na curva 15.

Mas apesar de correr na frente logo no início – embora tenha perdido seu P2 para Fernando Alonso na primeira volta – uma escolha de estratégia de duas paradas deu em nada para Gasly, quando ele terminou a corrida em P11, conforme a estratégia de uma parada de Alonso garantiu ele o primeiro pódio de seu retorno na F1.

“É justo dizer que não tivemos o ritmo durante toda a corrida,” disse Gasly com o rosto tempestuoso na noite de domingo. “O dia todo não estávamos em lugar nenhum. Ambos começamos, com Yuki [Tsunoda], no top 10, e ambos terminamos fora do top 10 sem ritmo durante toda a corrida. Então, honestamente, não tenho as respostas”.

“Desde o início não tivemos ritmo. Tentei acompanhar o Fernando nas primeiras cinco ou seis voltas e, depois disso, usamos os pneus muito. Tentamos a estratégia de duas paradas, mas nunca fomos rápidos o suficiente”.

“Mesmo quando eu estava tentando forçar o máximo que podia com as duas estratégias [de parada] que tínhamos, nunca conseguimos igualar os McLarens e os Alpines. É muito frustrante”.

Avaliando se sua dramática queda no final da qualificação pode ter afetado o desempenho de seu AT02 no domingo, Gasly respondeu: “Não sei. Depois do incidente de ontem, trocamos a asa dianteira, trocamos o piso, não sei se teve algum impacto. Usamos também nossos dois médiuns na qualificação, então eles não eram novos na corrida. Não sei se teve algum impacto”.

“Houve algumas coisas diferentes do normal, mas muito frustrantes por não poder lutar com todos esses caras”.

Como Gasly disse, Tsunoda também tinha chegado ao Q3 no sábado, mas se saiu tão mal com sua estratégia de duas paradas, caindo de P8 no grid para P13 na bandeirada – com Tsunoda insinuando sombriamente um problema mais profundo acontecendo com seu AlphaTauri.

“O primeiro stint, especialmente o pneu macio, foi muito lento,” disse Tsunoda. “Nós lutamos muito. É uma vergonha. No geral tínhamos um ritmo muito forte e de repente o ritmo caiu bastante na corrida, que é a sessão mais importante. Temos que voltar mais fortes”.

“Me senti muito melhor [com os pneus duros]”, acrescentou Tsunoda. “Houve uma pequena razão em segundo plano, não apenas o pneu. É um problema também”.

O resultado da noite sem pontos da AlphaTauri no Circuito Internacional de Losail – com Alpine terminando em terceiro e quinto lugar com Alonso e Esteban Ocon, ambos os quais começaram uma posição atrás dos respectivos pilotos de AlphaTauri – significou que, tendo sido empatado em pontos antes do evento , Alpine moveu-se 25 acima da AlphaTauri em P5 com duas corridas para terminar.

Mas Gasly estava mais preocupado com o que havia de errado com a AlphaTauri no Qatar, dizendo: “É difícil, mas no final do dia, só precisamos ser objetivos conosco mesmos e eles fizeram um trabalho muito melhor do que nós, É simples assim”.

“Eles terminaram em terceiro e quinto lugar e começamos na frente desses dois carros. Eles foram muito mais rápidos do que nós hoje e não havia nada que pudéssemos fazer. Eles fizeram um trabalho melhor e parabéns a eles. Vamos tentar fazer o melhor que pudermos nos últimos dois”.

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo