Saúde

Por que são feitas tantas cesarianas no Brasil?

Compartilhar

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem alertando para o crescente número de cesarianas no Brasil, que hoje ultrapassa metade dos nascimentos. Segundo a Organização, a cesariana é uma intervenção efetiva para salvar a vida de mães e bebês apenas quando indicada por motivos clínicos, ou seja, em situações específicas. A OMS recomenda que a taxa de cesarianas de países ou serviços de saúde não ultrapassasse 15%, pois taxas maiores não seriam justificadas sob o ponto de vista clínico e não implicariam em melhores condições de saúde materna ou neonatal. Ao contrário, diversos estudos apontam que a cesárea, sobretudo quando feita nos casos em que não é necessária, está associada à consequências negativas sobre a saúde materna e infantil, além de apresentar custos maiores ao sistema de saúde.

A variação das taxas de cesarianas é influenciada por diversos fatores, entre eles, a fonte de financiamento da assistência ao nascimento. Para compreender melhor essa influência, as pesquisadoras Bruna Dias Alonso e Flora Maria Barbosa da Silva, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade Estadual de São Paulo (USP), investigaram os fatores socioeconômicos, demográficos, clínicos e obstétricos associados à cesariana entre mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pelo Setor de Saúde Suplementar (SSS) da região Sudeste do Brasil.

As pesquisadoras analisaram os dados de um estudo chamado “Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento”, com objetivo de identificar os fatores que levaram a realização de cesarianas. Foram utilizados somente os dados de 9.828 mulheres que tiveram seus bebês em hospitais da região Sudeste, entre fevereiro de 2011 e julho de 2012. A região foi escolhida porque compreende 40% da população brasileira, concentra a economia mais rica do país e possui grande parcela da população atendida pelo SSS.

As mulheres selecionadas foram divididas em dois grupos: as que tiveram seus bebês em hospitais do SUS e em hospitais do setor privado. Para cada grupo, foi possível calcular as chances de se ter uma cesariana de acordo com características socioeconômicas, demográficas, clínicas e obstétricas das parturientes, tais como: idade, cor da pele, escolaridade, situação conjugal, trabalho remunerado, classe econômica, localização do hospital onde o bebê nasceu, caso de cesárea anterior, problemas de saúde na gestação ou no trabalho de parto.

A cesariana foi mais frequente entre as mulheres atendidas pelo SSS do que pelo SUS. A cada 100 mulheres, 84 passaram por cesariana no setor privado, enquanto no SUS esse número foi menor: 45. No SUS, as mulheres com 35 anos ou mais, com trabalho remunerado e melhor escolaridade foram as mais submetidas à cesariana. Em contraposição, esses fatores não influenciaram a via de nascimento (cesariana ou parto normal) no SSS, no qual a fonte de financiamento da assistência à saúde foi determinante para a realização de um grande número de cesarianas desnecessárias.

É urgente regularizar a prática obstétrica, em especial no SSS, uma vez que esse é responsável pela atenção ao nascimento de uma parcela expressiva da população da região Sudeste. Também é necessário investigar a motivação que levou mulheres com melhores condições socioeconômicas optarem pela cesariana ou serem submetidas a ela no SUS. Mudanças estruturais nos serviços de saúde, independente da forma de financiamento e maior informação das mulheres e suas famílias sobre as consequências da forma de nascimento a curto e longo prazo são fundamentais para incentivar a escolha informada e mais adequada em relação à atenção ao parto.

Parto e nascimento são eventos transformadores na vida mulheres e bebês e, na maioria das vezes, não apresentam riscos. A pesquisa “Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento” foi coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz e realizada com a participação de renomados pesquisadores de um grande número de instituições científicas do Brasil. Teve como objetivo conhecer os determinantes, a magnitude e os efeitos das intervenções obstétricas no parto, incluindo as cesarianas desnecessárias; descrever a motivação das mulheres para opção pelo tipo de parto; as complicações médicas durante o puerpério e período neonatal; bem como descrever a estrutura dos hospitais quanto à qualificação dos recursos humanos, disponibilidade de equipamentos, medicamentos e unidade de terapia intensiva (UTI) para adultos e neonatos.

Pesquisador(es) Responsável(eis)

Bruna Dias Alonso – Flora Maria Barbosa da SilvaInstituição(ões)

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP)

Sugestões de leitura:

Declaração da Organização Mundial da Saúde sobre as taxas de cesariana em 2015

O Renascimento do Parto

Nascer no Brasil 

Fonte: https://canalciencia.ibict.br

Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joice Maria

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »