Saúde

Dicas de Saúde: Acidentes por abelhas

Compartilhar

Abelhas são insetos da ordem Hymenoptera, assim como as vespas e as formigas. Algumas espécies são conhecidas por produzirem o mel e viverem em colônias, com uma organização hierárquica com uma rainha, alguns machos férteis e milhares de operárias fêmeas. As abelhas operárias são as responsáveis pela defesa da colônia. Ao picar, elas perdem parte do aparato inoculador, morrendo em seguida. Este aparato possui músculos próprios e continuam injetando a peçonha mesmo após a separação do resto do corpo. Próximas a um enxame, as primeiras abelhas, ao picar, liberam um feromônio que faz com que outras ataquem o mesmo alvo, podendo ocasionar acidente com centenas de picadas. As Mamangavas ou Mamangabas, que são abelhas das subfamílias Bombinae e Euglossinae, não perdem o ferrão e podem ferroar várias vezes.

A picada de abelhas consiste na injeção de veneno com objetivo de causar dor e desconforto físico a seus agressores ou intrusos, percebidos como ameaça à integridade de suas colmeias. Esses venenos são misturas complexas de aminas biogênicas, peptídeos e enzimas, com diversas atividades farmacológicas e alergênicas.

Acidente por abelha é o quadro de envenenamento decorrente da injeção de toxinas através do aparelho inoculador (ferrão) de abelhas. No Brasil, as abelhas ditas africanizadas, ou seja, mestiças de Apis mellifera scutellata (africana) e Apis mellifera ligustica (européia) principalmente, são responsáveis por muitos relatos de acidentes, por serem mais agressivas do que as europeias. Entre os 5 principais tipos de acidentes por animais peçonhentos, o acidente por abelhas é o único que não possui um soro específico para o tratamento no Brasil, porém há estudos acerca de sua produção.

O quadro de intoxicação varia pela quantidade de veneno aplicado e pela susceptibilidade em relação a uma reação alérgica ao veneno. Um indivíduo pode ser picado por uma a milhares de abelhas. No caso de poucas picadas, o quadro clínico pode variar de uma inflamação local até uma forte reação alérgica (choque anafilático). No caso de múltiplas picadas pode decorrer uma manifestação tóxica mais grave e, às vezes, até mesmo fatal.

As manifestações clínicas podem ser de naturezas tóxicas e alérgicas. As reações tóxicas locais decorrentes da picada de abelhas estão associadas à dor, edema e eritema. Em casos de múltiplas picadas, podem ocorrer manifestações sistêmicas, devido à grande quantidade de veneno inoculada. Nesse caso, os sintomas são pruridos, rubor, calor generalizado, pápulas, placas urticariformes, hipotensão, taquicardia, cefaleia, náuseas e/ou vômitos, cólicas abdominais e broncoespasmos. Em casos mais graves pode ocorrer choque, insuficiência respiratória aguda, rabdomiólise e injúria renal aguda.

As manifestações alérgicas locais são caracterizadas por um edema que persiste por alguns dias. As reações alérgicas sistêmicas podem variar de urticária generalizada e mal-estar até edema de glote, broncoespasmos, choque anafilático, queda da pressão arterial, colapso, perda da consciência, incontinência urinária e fecal e cianose.

Não há exames específicos para o diagnóstico. O diagnóstico dos acidentes provocados por abelhas é feito, basicamente, através da história clínica, e a gravidade dos pacientes deverá orientar os exames complementares.

Exames de urina tipo I e hemograma completo podem ser os utilizados para a detecção dos quadros sistêmicos. A determinação dos níveis séricos de enzimas de origem muscular, como a creatinoquinase total (CK), lactato desidrogenase (LDH), aldolases e aminotransferases (ALT e AST) e as dosagens de hemoglobina, haptoglobina sérica e bilirrubinas, nos pacientes com centenas de picadas. Nestes casos, a síndrome de envenenamento grave expõe manifestações clínicas sugestivas de rabdomiólise e hemólise intravascular.

Para o tratamento das manifestações tóxicas ocasionadas por uma ou poucas picadas, recomenda-se a retirada dos ferrões e a utilização de compressas frias e analgésicos para o alívio da dor. Nos casos de picadas massivas, utiliza-se anti-inflamatórios não-hormonais e anti-histamínicos, e corticosteroides sistêmicos para tratar edemas extensos. Nos casos onde ocorrem hemólise intravascular, rabdomiólise, necrose tubular aguda e colapso respiratório e cardiovascular, o tratamento apropriado deve ser estabelecido na maior brevidade. O tratamento das reações alérgicas varia de acordo com a gravidade das manifestações apresentadas e são abordadas da mesma forma que se trata outras reações anafiláticas.

Prevenção

  • A remoção das colônias de abelhas situadas em lugares públicos ou residências deve ser efetuada por profissionais devidamente treinados e equipados, preferencialmente à noite ou ao entardecer, quando os insetos estão calmos;
  • Evite aproximar-se de colmeias de abelhas africanizadas sem estar com vestuário e equipamentos adequados (macacão, luvas, máscara, botas, fumigador, etc.);
  • Evite caminhar e correr na rota de voo das abelhas;
  • Barulhos, perfumes fortes, desodorantes, o próprio suor do corpo e cores escuras (principalmente preta e azul-marinho) desencadeiam o comportamento agressivo e, consequentemente, o ataque de abelhas;
  • Sons de motores de aparelhos de jardinagem, por exemplo, exercem extrema irritação em abelhas. O mesmo ocorre com som de motores de popa;
  • No campo, o trabalhador deve ficar atento para a presença de abelhas, principalmente no momento de arar a terra com tratores.

Lista de hospitais – acidentes com animais peçonhentos

Abaixo seguem as listas dos hospitais de referência para soroterapia de acidentes por animais peçonhentos, separadas por estado, constando as cidades onde estão localizados, nomes dos hospitais, endereços, telefones, Código Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e atendimento disponível para acidentes com animais peçonhentos. As informações disponibilizadas são de responsabilidade da respectiva Secretaria Estadual de Saúde. Em caso de emergência, contate imediatamente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) ou o Corpo de Bombeiros (193).

AcreMaranhãoRio de Janeiro
AlagoasMato GrossoRio Grande do Norte
AmapáMato Grosso do SulRio Grande do Sul
AmazonasMinas GeraisRondônia
BahiaPará Roraima
CearáParaíbaSanta Catarina
Distrito FederalParanáSão Paulo 
Espírito Santo PernambucoSergipe
GoiásPiauíTocantins

MITOS, VERDADES E PERGUNTAS FREQUENTES

1)      Quais os primeiros socorros no caso de acidentes com abelhas?

Em caso de acidente provocado por múltiplas picadas de abelhas, é preciso levar o acidentado rapidamente ao hospital, junto com alguns dos insetos que provocaram o acidente.

A remoção dos ferrões pode ser feita por raspagem com lâminas, e não com pinças, pois esse procedimento resulta na inoculação do veneno ainda existente no ferrão.

2)      Por que as abelhas atacam?

Abelhas causam acidentes no intuito de se defender e a colônia onde vivem contra possíveis predadores. Ao atacar nas proximidades de um enxame, as primeiras abelhas liberam um feromônio que faz com que outras invistam contra o mesmo alvo, podendo ocasionar acidente com centenas de picadas.

3)      O que fazer em caso de ferroadas de abelhas?

Em caso de acidente provocado por múltiplas picadas de abelhas, é preciso levar o acidentado rapidamente ao hospital, junto com alguns dos insetos que provocaram o acidente.

A remoção dos ferrões pode ser feita por raspagem de preferência com lâminas ou um cartão.

4)      Todas as abelhas ferroam?

Não. Por se tratar de um ovopositor modificado, somente abelhas fêmeas são capazes de ferroar. Além disso, algumas espécies possuem o ferrão reduzido ou inexistente e são incapazes de ferroar.

5)      Todas as abelhas produzem mel?

Não. Somente um pequeno número de espécies são produtoras de mel, ou produzem somente em pequenas quantidades.

6)      Todas as espécies de abelhas vivem em colmeias?

Não. Abelhas que vivem em colmeias são ditas abelhas sociais. A maioria das espécies de abelhas são solitárias, ou sejam, não vivem em colmeias. Estas espécies constroem tocas individuais, geralmente no chão.

7)      Qual a diferença entre abelhas, vespas e marimbondos?

No Brasil e em Angola, algumas vespas maiores são chamadas de marimbondo. Abelhas e vespas pertencem à Classe Insecta e à Ordem Hymenoptera. Enquanto que as abelhas pertencem a Família Apidae, as vespas estão distribuídas em diferentes famílias.

Embora existam mais de 20.000 espécies diferentes de abelhas, de forma geral elas possuem o corpo mais robustos, possuem pelos espalhados pelo corpo, se alimentam de pólen e néctar e, as espécies que ferroam, perdem o ferrão quando atacam.

Já as vespas possuem o corpo mais delgado, com cintura afilada. Possuem poucos pelos no corpo e podem ferroar múltiplas vezes. Alimentam-se de outros insetos e algumas espécies são parasitas de outros insetos. 

Abelhas estão presentes em todos os territórios brasileiros. As regiões de maiores taxas de incidência são a região Sul e Nordeste, enquanto que as maiores taxas de letalidade ocorrem nas regiões Centro-Oeste e Norte. De modo geral, os acidentes costumam acontecer com maior predominância entre outubro e março. A maioria dos acidentes acontecem na zona urbana. O perfil dos acidentados costuma ser de homens e da faixa etária entre 20 e 64 anos. Óbitos são mais frequentes em pessoas acima de 40 anos. Fatores de risco para gravidade envolvem a quantidade de ferroadas e a predisposição ao choque anafilático.

Mais informações epidemiológicas de acidentes por abelhas podem ser tabulados no Tabnet. Os bancos de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) são disponibilizados pelo Datasus

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO

MATERIAIS E MULTIMÍDIA

  • Mapa de distribuição dos acidentes por abelhas – 2020. 
13 - Mapa de Distribuição de casos - Abelha2020.png

Fonte: https://www.gov.br/saude

Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joice Maria

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »