História

Série Brasileiros em Destaque: Bertha Becker 

Compartilhar

Profissão: Geógrafa e historiadora.

Área do Conhecimento: Ciências Humanas.

Biografia: Bertha Koifmann Becker nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 07 de novembro de 1930. Filha caçula da ucraniana Adélia e do romeno Isac Koiffmann, inspirou-se em sua irmã mais velha quando decidiu cursar a universidade. Bacharela e Licenciada em Geografia e História pela Universidade do Brasil (hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro), Bertha graduou-se em 1952 e dedicou sua vida acadêmica aos estudos sobre a Amazônia. Na mesma instituição, tornou-se professora em 1958, doutorando-se no Instituto de Geociências, em 1970. Dezesseis anos depois (1986), ingressou em um pós-doutorado no Massachussetts Institute of Technology (MIT), no Departamento de Estudos e Planejamento Urbano. No ano de 1994, tornou-se Professora Titular do Instituto de Geociências da UFRJ, onde atuou até 2000, aposentando-se. Bertha foi uma professora que induzia os alunos  ao  questionamento, organizando as aulas em forma de debates. Dona de uma persona colorida, cheia de vida, que falava também através de gestos, a cientista tinha o hábito de tirar seus estudantes das linhas de pensamento confortáveis para inserir e debater novas ideias.

Bertha chamava a Amazônia de “floresta urbanizada” e, como ressaltou, esse processo de urbanização intensificou-se muito no final do século XX, quando a região recebia um número enorme de pessoas de diferentes estados do Brasil. Tal movimento se deu, em muito, ao incentivo e às políticas públicas colocadas em prática pelo Governo Federal, à época. Em um local onde ainda há amplos conflitos relacionados à demarcação de terras, muitos desses migrantes não conseguiram acesso às mesmas, passando a formar, ampliar e habitar os centros urbanos amazônicos. Ainda, destacou que o nível de urbanização de um local não é medido apenas pelo crescimento das cidades em si, mas pela difusão de valores urbanos, ampliação das redes de telecomunicações e pela existência de uma mobilidade de trabalho – ou seja, de pessoas que se deslocam diariamente de seus locais de residência para seus postos de trabalho. Essa mobilidade representa um leva e traz de valores, os quais, para a cientista, iam das cidades para as zonas rurais e vice-versa. Bertha Becker apontou em suas pesquisas que esses centros urbanos amazônicos consistem em um dos maiores problemas socioambientais da região. Além da destruição da própria floresta em si, tais regiões abrigam um número expressivo de pessoas e possuem uma infraestrutura extremamente precária. Desse modo, seus habitantes não têm acesso a serviços básicos como saúde e saneamento, o que propicia a disseminação de diversas doenças que seriam evitáveis, se houvesse investimento e criação de políticas públicas, no sentido de melhorar e ampliar tais serviços.

A referida pesquisadora era adepta de uma exploração não destrutiva dos recursos naturais, que incluísse as populações locais, as médias e grandes empresas, respeitando-se a diversidade social. Para ela, a tecnologia seria o dispositivo capaz de gerar riqueza e inclusão social sem comprometer o meio ambiente. Reiterou que a floresta amazônica possui grandes  e exclusivas riquezas, tais como: a extração de óleos e outras obras primas para a fabricação de cosméticos e fármacos. A exploração desses recursos é muito rentável, e se for consciente e não destrutiva pode impedir que outras atividades, como a produção de soja e a pecuária, invadam os limites da floresta. Em outras palavras, a pesquisadora defendia que a exploração de recursos nobres da floresta amazônica seria uma boa forma de legitimar e demonstrar seu valor e sua exclusividade. Assim, a criação de gado e o plantio da soja, atividades que podem ser desenvolvidas em localidades já degradadas, teriam menos chances de adentrar a floresta, causando desmatamento e destruição. Afinal, a floresta é fonte de produtos exclusivos, que não podem ser extraídos de outras fontes.

A aposentadoria não representou o fim da carreira intelectual de Bertha Becker, que continuou desenvolvendo suas investigações, atuando como Professora Emérita, coordenando o Laboratório de Gestão do Território (LAGET/UFRJ) até o final de sua vida. Através de pesquisas teóricas e empíricas, buscou evidenciar os impactos causados pelas interferências humanas no território estudado e como esses impactos mudaram as dinâmicas de funcionamento da região amazônica. Becker foi Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências (2006) e participou do corpo editorial de renomados periódicos em sua área e de editoras acadêmicas. A cientista tem mais de 140 produções acadêmicas, entre livros, capítulos de livros e artigos. Seu legado para a ciência brasileira nas áreas de geografia política, manejo de biodiversidade e planejamento urbano é imensurável.Material complementar

Vídeos

https://www.youtube.com/embed/iUVa1LxyhWoI

Data de nascimento1930-11-07

Data de falecimento2013-07-13

Prêmios e condecorações

2011 – Doutor Honoris Causa, Universidade Federal de Roraima;

2011 – Homenagem da Associação de Pós-Graduação em Geografia (ANPEGE);

2010 – Homenagem do Ministério do Meio Ambiente no Dia Internacional da Mulher, Ministério do Meio Ambiente;

2009 – Homenagem do Programa de Pós-Graduação em Geografia/Depto. de Geografia e Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro;

2009 – Prêmio Personalidade do Ano, outorgado pelo Banco da Amazônia (BASA);

2008 – Ordem de Rio Branco – Comendador Ministério Relações Exteriores do Brasil;

2008 – Prêmio Jabuti da Área de Ciências Naturais e Ciências da Saúde, atribuído ao livro “Dimensões Humanas da Biosfera-Atmosfera”;

2007 – Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico, Ministério do Estado da Ciência e Tecnologia;

2005 – Prêmio Claudia Ciências, Editora Abril;

2005 – Doutor Honoris Causa, Université Jean Moulin / Lyon III – França;

2003 – Homenagem, Departamento de Geografia/UNESP-Rio Claro – SP;

2003 – Homenagem, Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB (iniciativa dos geógrafos franceses sediados no CDS);

2002 – Professora Emérita, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

2001 – David Livingstone Centenary Medal para Avanços Científicos no Hemisfério Sul, American Geographical Society; 

2000 – Medalha Carlos Chagas Filho de Mérito Científico, FAPERJ;

1997 – Mulher do Ano na Área de Ciências, Associação Nacional de Mulheres;

1980 – Elogio Funcional, Instituto de Geociências IGEO/UFRJ (Boletim nº 09).Referências

BECKER, B. K. Currículo Lattes. Plataforma Lattes. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/9164795594647563. Acesso em 03 dez 2021.

FIORAVANTI, C. Bertha Koiffmann Becker: Amazônia sem extremismos. Revista Pesquisa FAPESP, edição 102, ago. 2004. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/amazonia-sem-extremismo/. Acesso em 09 dez 2021.

GOMES, P. C. C. Homenagem à Bertha K. Becker – Sobre o Divino Brilho de uma Mente Inquieta. Espaço Aberto, v. 3, n. 2, p. 15-18, 2013. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/issue/viewFile/220/76. Acesso em 09 dez. 2021.

MELO, H. P. Bertha Becker. Intérpretes do Brasil. s/d. Disponível em: http://www.interpretesdobrasil.org/sitePage/238.av. Acesso em 09 dez  2021.Obras

BECKER, B. K. Ciência, Tecnologia e Inovação Condição do Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. Série Tecnologia e Sociedade (MCT), v. 15, p. 15-34, 2010.

BECKER, B. K. Novas territorialidades na Amazônia: desafio às políticas públicas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 5, p. 17-23, 2010.

BECKER, B. K.;COSTA, F. A.; COSTA, W. M. (Orgs.). Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. 1. ed. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2009. v. 1. 426 p.

BECKER, B. K.; STENNER, C. Um Futuro para a Amazônia. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. v. 1. 150 p.

MARKOVITCH, J.; BECKER, B. K. A Palavra dos Especialistas. In: Markovitch, Jacques.. (Org.). A Gestão da Amazônia – Ações Empresariais, Políticas Públicas, Estudos e Propostas. São Paulo: Edusp, p. 223-228, 2011.

BECKER, B. K. Redes de parceria e modelo socioambiental. In: ARAÚJO. T; LÉNA, P. (Org.). Desenvolvimento Sustentável e Sociedade na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, p. 57-82, 2010.

BECKER, B. K. Por uma Amazônia Sustentável. In: DAVIDOVICH, L. et al. (Org.). Livro Azul – 4ª Conferência Nacional de C&T&I para o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: MCT/CGEE, p. 81-87, 2010.

BECKER, B. K. Por que a participação tardia da Amazônia na formação econômica do Brasil? In: Araújo, T. P; Werneck Vianna, S. T; Mangabeira Jr. (Orga.). 50 anos de Formação Econômica do Brasil. Ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: Editora do IPEA, v. 1, p. 54-82, 2009.

BECKER, B. K. Problematizando os serviços ambientais para o desenvolvimento da Amazônia. Uma interpretação geográfica. In: BECKER, B. K; COSTA, F. A; COSTA, W. M. (Orgs.). Um projeto para a Amazônia no século 21: Desafios e contribuições. Brasília: CGEE, v. 1, p. 87-120, 2009.Entrevista

BERTHA Becker – “O que causa a perda da biodiversidade é a estrutura econômica que aí está”. Revista IPEA: desafios do desenvolvimento, a. 9, n. 72, 15 jun 2012. Disponível em :catid=28. Acessado em 03 dez 2021 às 10h30.

BERTHA Becker, geográfa política que deixou legado sobre o desenvolvimento da Amazônia ‘em pé’. O Explorador. 10 jun 2014. Disponível em https://www.oexplorador.com.br/bertha-becker/. Acessado em 03 dez 2021 às 10h30.

BECKER, B. K. Amazônia Eterna. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Amazônia. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K.. Amazônia Eterna. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Amazônia Eterna. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Programa Cientistas do Brasil. 2010. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Entrevista sobre recursos hídricos e desenvolvimento sustentável ao Programa Ideias. 2010. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Como a mídia trata a Amazônia? 2010. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Amazônia. 2008. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Biodiversidade na Amazônia. 2008. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Cidades Amazônicas. 2008. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. 2008. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

BECKER, B. K. O Futuro da Amazônia. 2008. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

CHIARETE, D. Amazônia precisa organizar sua economia, diz geógrafa. Valor Econômico. 06 nov 2012. Disponível em https://berthabecker.blogspot.com/2012/11/amazonia-precisa-organizar-sua-economia.html. .

Fonte:

Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joice Maria

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »