News

Talibã proíbe viagens de longa distância a mulheres

Compartilhar

O Talibã afirmou que mulheres afegãs que procuram viajar longas distâncias por estrada só devem ter transporte se acompanhadas por um parente do sexo masculino.

A diretiva, emitida no domingo, é a mais recente restrição aos direitos das mulheres desde que o grupo islâmico tomou o poder em agosto.

A maioria das escolas secundárias permanece fechada para meninas, enquanto a maioria das mulheres foi proibida de trabalhar.

No mês passado, o grupo proibiu as mulheres de aparecerem em dramas de televisão e ordenou que jornalistas e apresentadoras usassem lenços de cabeça nas telas.

O grupo de direitos humanos Human Rights Watch disse que a nova restrição vai mais longe no sentido de tornar as mulheres prisioneiras.

Heather Barr, diretora associada dos direitos das mulheres do grupo, disse à agência de notícias AFP que a ordem “bloqueia as oportunidades para [as mulheres] poderem se mover livremente” ou “poder fugir se estiverem enfrentando violência em casa”.

A última diretiva, emitida pelo Ministério da Promoção da Virtude e Prevenção do Vício do Talibã, disse que as mulheres que viajam por mais de 45 milhas (72 km) devem estar acompanhadas por um parente próximo do sexo masculino.

O documento exorta os proprietários de veículos a recusarem viagens a mulheres que não usem coberturas islâmicas para a cabeça ou rosto, embora não diga que tipo de cobertura seja. A maioria das mulheres afegãs já usa lenço na cabeça.

O documento também proíbe a reprodução de música em veículos.

“Eu me senti muito mal”, disse Fátima, uma parteira que mora em Cabul, à BBC, reagindo à diretiva. “Não posso sair sozinha. O que devo fazer se eu ou meu filho estivermos doentes e meu marido não estiver disponível?”

Ela acrescentou: “O Talibã conquistou nossa felicidade … Perdi minha independência e felicidade.”

Outra mulher afegã disse à BBC que, embora a medida ajudasse algumas mulheres a “se sentirem à vontade”, uma escolta familiar não era garantia contra violência e assédio.

Ela se referiu a um incidente em Paghman em 2015, quando quatro mulheres foram sequestradas de suas famílias sob a mira de uma arma e posteriormente estupradas por gangues.

“[O Talibã] deve criar um ambiente em todo o país de forma que as mulheres se sintam seguras”, acrescentou ela.

Com informações de BBC


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Fernanda da Silva Flores

Fernanda da Silva Flores é graduada em História pela Universidade Norte do Paraná (2018) e possuí pós-graduação em Gestão Educacional (2019) pela mesma instituição. Fundou o site Rainhas na História em setembro de 2016, onde aborda a vida de grandes personagens históricas ao longo dos séculos. Reside em Itajaí, Santa Catarina, Brasil.
Botão Voltar ao topo
Translate »