Mundo

Angola: retorno das aulas em 16 de janeiro

Compartilhar

As atividades letivas presenciais nos estabelecimentos públicos e privados de todos os níveis de ensino, no território nacional, vão ter início apenas no dia 16 de Janeiro.

O ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República, Francisco Furtado, durante a atualização de dados da pandemia explicou que o reinício das aulas estão sujeitas a avaliação da situação epidemiológica, apesar da data avançada.

No Decreto Presidencial do dia 31 de Dezembro, o tempo de quarentena passou de 14 para dez dias, para os viajantes que testarem positivo à chegada a Angola, provenientes de países com altos índices de contágio do vírus da COVID-19, particularmente da variante Ômicron.  

As autoridades angolanas decidiram também permitir a realização de competições desportivas, na modalidade de futebol e basquetebol, sem presença de público, e limitar o número de intervenientes, acompanhados com o certificado de vacinação.

Durante a atualização, o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República disse ser também obrigatória a testagem dos intervenientes das competições no local do evento, duas horas antes, bem como o uso de máscaras, observação do distanciamento físico e das demais regras de biossegurança, sem prejuízo de outras determinadas pelos departamentos ministeriais competentes.

“Se porventura, ao chegar à província, no ato da testagem de algum membro da equipe visitante, seja ele dirigente, técnico, atleta ou outro, testar positivo, obrigatoriamente deverá permanecer na província e cumprir o período de quarentena estabelecido”, clarificou. 

Francisco Furtado informou ainda que, nos últimos 20 dias no país, o país regista uma média diária de 0,84 por cento de casos positivos da variante Ômicron. Luanda, a capital de Angola, regista um aumento de 1,53 por cento de casos por dia.

“Se essa tendência, a nível do país, continuar durante 30 dias, teremos o equivalente entre 38 e 40 por cento da população infectada no país. Em Luanda, particularmente pela tendência que estamos a verificar, de um crescimento de 1,53 de casos por dia, se prevalecer durante 30 dias, teremos neste período o equivalente a 45 por cento da população da capital infectada com a variante Ômicron”, disse.

Fonte: Governo de Angola


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »