fbpx
News

Gigante do petróleo da Noruega deixará de operar na Rússia

Compartilhar

A gigante do petróleo Equinor está interrompendo novos investimentos na Rússia e se retirará das colaborações existentes no país. A empresa ressalta que espera incorrer em perdas quando eles se retirarem.

– Estamos profundamente preocupados com a invasão da Ucrânia. Representa um terrível revés para o mundo, e nossos pensamentos vão para todos aqueles que sofrem como resultado do ataque militar, diz o CEO Anders Opedal, CEO da Equinor.

A notícia de que a Equinor está planejando se retirar da Rússia veio pouco depois de uma e meia da noite de segunda-feira.

A empresa está na Rússia há mais de 30 anos e, em 2012, entrou em uma joint venture com a russa Rosneft.

A colaboração com a Rosneft abrange vários projetos, que envolvem o desenvolvimento de um campo de petróleo na Sibéria Ocidental, um programa de exploração na região de Samara e a propriedade de 12 licenças de exploração e produção na Sibéria Oriental. Ainda no ano passado, uma nova colaboração na gestão de CO₂ foi firmada com a empresa russa.

Além disso, a Equinor é parceira no campo de petróleo Kharyaga na Bacia de Timan-Pechora.

– Nossa posição é insustentável

No total, a Equinor tem 25.000 barris por dia na Rússia. A gigante do petróleo tem 70 funcionários no país, com escritórios na capital Moscou.

– A situação é muito difícil, e nossa posição é insustentável, diz Opedal e continua,

– Pararemos agora de novos investimentos em nossas operações russas e começaremos a planejar a saída de nossas “joint ventures” de forma alinhada com nossos valores. A nossa prioridade mais importante neste momento difícil é a segurança dos nossos colaboradores, afirma Opedal.

Perda de alertas

No Ano Novo, a Equinor tinha ativos fixos no valor de US$ 1,2 bilhão, equivalente a NOK 10,75 bilhões, na Rússia. A empresa escreve que espera-se que o valor contábil dos ativos caia e que terá que fazer baixas contábeis.

No início desta semana, a empresa apresentará planos para contribuir com recursos para as operações humanitárias na área.

– Temos funcionários da Ucrânia e da Rússia e estamos orgulhosos de como nossos colegas de diferentes origens e nacionalidades trabalham juntos – com respeito mútuo, como uma equipe na Equinor, diz Opedal.

A empresa destaca que entrará em contato, entre outras, com autoridades norueguesas, europeias e americanas quando se retirarem do país, para cumprir as condições das novas sanções.

Fonte: Equinor: https://www.equinor.com/en/news/20220227-equinor-start-exiting-joint-ventures-russia.html

Print Friendly, PDF & Email

Paulo Fernando de Barros

CEO em BAP Duna Gruppen, fundador e editor em Duna Press Jornal e Magazine.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »