Pets

Conheça seis curiosidades sobre a sucuri-verde, a famosa cobra da novela Pantanal

Compartilhar

A novela Pantanal, que vai ao ar na TV aberta nas noites de segunda a sábado vem chamando a atenção pelas incríveis transformações dos personagens em animais. Uma das mais famosas é a transformação do Velho do Rio em sucuri. Na ficção, ele age como protetor do Pantanal.

Que tal conhecer seis curiosidades sobre esse animal fantástico?

1. Sucuri e anaconda são a mesma serpente

A sucuri-verde, espécie que aparece na novela, é conhecida mundialmente como “anaconda”. Nomes populares podem variar entre regiões diferentes e causar certa confusão, mas tanto o nome popular “sucuri” quanto “anaconda” referem-se às serpentes do gênero Eunectes.

2. Quatro espécies diferentes

O gênero das sucuris possui poucas espécies se comparado a outros gêneros de cobras típicas do território brasileiro. São quatro: Eunectes murinus (sucuri-verde), Eunectes notaeus (sucuri-amarela), Eunectes beniensis (sucuri-de-beni) e Eunectes deschauenseei (sucuri-malhada). Dentre essas espécies, a única que nunca foi observada no Brasil é a sucuri-de-beni. A mais comum, maior e estudada pela ciência é justamente a sucuri-verde, a Eunectes murinus.

3. Uma das maiores cobras do mundo

Todas as espécies de sucuris são robustas e consideradas de grande porte, mas a sucuri-verde em especial é considerada a maior serpente em volume corpóreo do mundo. E em comprimento ela só perde para a píton-reticulada (Malayopython reticulatus), que habita o sudeste asiático.

Ela pode atingir até sete metros e pesar mais de 130kg, mas animais com mais de cinco metros são raros de serem encontrados. Há relatos polêmicos de pessoas que viram sucuris com mais de 10 metros – o que gera discussão entre a comunidade cientifica e a população até hoje.

4. Amante de água

As sucuris são conhecidas por seus hábitos semiaquáticos. Elas são geralmente encontradas em região de rios, brejos e pântanos da América do Sul, de água rasa coberta por vegetação. Considerada uma ótima nadadora, desloca-se de forma rápida na água. Mas essa velocidade não se aplica à terra firme onde desloca-se muito mais lentamente.

5. É uma grande predadora, mas… também é caçada

Conhecida por constringir suas presas, a sucuri não é peçonhenta, apesar de ter uma mordida dolorida. Ela é 100% carnívora: geralmente ela caça por espreita próximo à beira da água, e quando tem uma oportunidade, dá um bote, enrola seu corpo musculoso ao redor da presa e aperta suas vítimas até a morte. Essas serpentes têm uma dieta generalista e fazem parte de seu cardápio: mamíferos, aves, répteis e peixes.

Mas a sucuri não reina sozinha nas águas: elas também são presas de algumas espécies de jacaré, de onças e até mesmo de outras sucuris. Seu pior predador, porém, é o homem. Além de matar diretamente a serpente, ele causa a destruição de seu habitat, levando a uma diminuição do número de presas disponíveis e à redução da área de vida dessas gigantes.

6. Imensidão de filhotes

Devido ao seu grande tamanho, a sucuri pode ter uma quantidade grande de filhotes na comparação com outras espécies. Grandes sucuris-verdes podem produzir ninhadas com mais de 70 filhotes. Por ser uma espécie vivípara, as pequenas cobrinhas nascem completamente desenvolvidas após a gestação e são totalmente independentes da mãe.

Fonte: https://butantan.gov.br

Ver também:

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

Como estabelecer metas de estudos.

 A educação de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar.


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio!

Gratuitamente, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »