EconomiaEstilo de vidaNegóciosViagens e Turismo

Os desafios de abrir um empreendimento nos Estados Unidos

Passaporte válido, endereço fixo físico ou virtual com telefone e uma conta bancária estadunidense são alguns dos requisitos básicos

Compartilhar

Passaporte válido, endereço fixo físico ou virtual – apenas para correspondências – com telefone e uma conta bancária estadunidense são alguns dos requisitos básicos para brasileiros que desejam abrir uma empresa nos Estados Unidos da América (EUA). O processo é considerado relativamente simples, mas é preciso estar atento aos detalhes e lembrar que os procedimentos podem variar conforme o estado escolhido, uma vez que se trata de uma República Federativa com leis estaduais.

Vale ressaltar que os trâmites são diferentes para quem deseja somente abrir uma empresa em solo norte americano – processo que pode ser feito à distância – e para quem quer morar nos EUA e encontrar casas em Orlando para comprar, por exemplo, uma das cinco cidades metropolitanas do país com a maior concentração de brasileiros. 

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, do Ministério das Relações Exteriores, fez um mapeamento de empresas brasileiras instaladas nos Estados Unidos, em 2020, e reuniu “lições aprendidas e orientações para quem planeja instalar sua empresa no mercado norte americano”. Foram analisados 29 setores de bens de consumo e de serviços nos EUA, consideradas 500 empresas, levantadas cem companhias e entrevistadas 50 organizações. 

A pesquisa mostrou que empresas brasileiras ativas no país concentram suas operações na Flórida, sendo Miami a cidade com mais instalações, visto sua posição de fácil acesso à América Latina. Das empresas analisadas, 40% têm receita de menos de US$ 10 milhões nos EUA e estão, com frequência, nos primeiros anos de funcionamento.

Como fatores de sucesso foram indicadas práticas como se ajustar ao ambiente de negócios no país; personalizar produtos conforme as preferências dos consumidores norte-americanos; e apresentar o histórico da qualidade dos produtos brasileiros. Além disso, desenvolver uma presença online e construir relacionamentos com stakeholders locais também são ações apresentadas como promissoras. 

Dados importantes 

Os Estados Unidos são considerados uma potência econômica mundial e atraem pessoas de diferentes nacionalidades em busca de melhores condições de vida e de trabalho. Até 2020, a maior fatia de brasileiros que empreenderam fora do país – mais de 20 mil micros e pequenos empreendedores – estava nos Estados Unidos, representada por 9 mil empresários, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores. 

Uma pesquisa realizada pela agência de classificação de risco Austin Rating listou as 15 maiores economias do mundo em 2021, com base no Produto Interno Bruto (PIB), e os EUA lideraram o ranking, seguidos pela China, Japão, Alemanha e Reino Unido. 

Outro levantamento, feito pelo Fundo Monetário Internacional, mostra as 14 maiores economias do mundo em poder de paridade de compra (ppp) em 1980, 2000, 2010 e 2022. Os EUA aparecem em primeiro lugar nos três primeiros anos analisados e ocupam a segunda posição em 2022, atrás somente da China. 

De acordo com o Centro de Estudos Imigratórios (CIS, na sigla em inglês), com base em dados de pesquisa mensal do censo oficial do país, o número de imigrantes que vivem nos EUA, seja legal ou ilegalmente, chegou a 46,6 milhões em janeiro de 2022. 

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Ministério das Relações Exteriores, havia 1,8 milhão de brasileiros vivendo legalmente nos Estados Unidos em 2020. Conforme o Itamaraty, mais de 300 mil brasileiros residem no Estado da Flórida, que conta com duas das cinco cidades metropolitanas mais habitadas por pessoas vindas do Brasil: Miami, com 49 mil, e Orlando, com 17 mil. 

O que é preciso para empreender nos EUA

Para abrir um negócio em Orlando, ou em outro lugar dos Estados Unidos, basta ter um passaporte válido e outro documento de identificação, como CNH, CPF ou identidade. Além disso, é sempre importante verificar as leis e processos do Estado escolhido. 

O caminho para encontrar um endereço para a firma pode ser feito pela internet, por meio da contratação de escritórios que prestam consultorias para brasileiros que queiram empreender em solo norte-americano, com um serviço de endereço virtual para registros e correspondências. Ou seja, não é necessário estar presente ou ir até os EUA.

Os canais especializados, contudo, recomendam que os empresários interessados em abrir um negócio nas terras do Tio Sam não deixem de buscar ajuda especializada, para que todos os procedimentos legais sejam cumpridos. Além disso, vale ressaltar que, caso o empreendedor queira ir aos Estados Unidos, é preciso conseguir também o visto correspondente às suas intenções de atividades no país. 

Já o telefone pode ser conseguido a partir de uma conta no Skype, por exemplo; basta que o usuário solicite um número americano. O procedimento custa de US$ 500 a US$ 2 mil, dependendo do Estado. Em relação à abertura de conta bancária, são necessários dois documentos de identificação. É preciso fazer um depósito inicial que pode variar entre US$ 1 mil e US$ 10 mil.

Modelos de empresa 

É preciso ter em mente, ainda, o tipo de empresa que será registrada. Os modelos mais comuns são as do tipo mais básico de pessoa jurídica, Sole Proprietorship (SP), “empresa individual”. Funciona como um registro de Microempreendedor Individual (MEI). A empresa não paga impostos diretamente e, sobre o que vier a lucrar com o negócio, o empreendedor se acerta com a receita enquanto pessoa física. 

Conforme o negócio cresça e aumente a necessidade de separar pessoa física de pessoa jurídica, o modelo mais simples é o Limited Liability Company (LLC), “empresa de responsabilidade limitada”. É possível, com uma dessas, fazer empréstimos em nome da companhia. 
Já as empresas corporativas, Corporations, representam os empreendimentos de médio e grande porte. O proprietário é considerado shareholder, o que significa dizer que ele é acionista e possui o direito de tornar a empresa pública, e poder vender suas ações.

Print Friendly, PDF & Email

Botão Voltar ao topo
Translate »