EducaçãoNegóciosTecnologia

Mercado de tecnologia está carente de profissionais de TI

Brasil estima 674 mil novas vagas até 2025, mas empresas encontram dificuldade em preenchê-las

Compartilhar

Segundo dados da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom), o Brasil deve ter quase 674 mil novas vagas de emprego entre 2022 e 2025 na área de tecnologia da informação. Entretanto, as empresas ainda têm dificuldades para preenchê-las devido à falta de profissionais qualificados.

Para aqueles que desejam entrar nesse mercado, é fundamental se preparar. Conhecer as profissões mais requisitadas, entender as habilidades exigidas e aprender linguagens de programação são passos fundamentais para conquistar uma dessas vagas.

Ressalta-se, ainda, que a atuação do programador exige o entendimento, o uso e a aplicação de diferentes linguagens de programação, como Javascript, CSS e HTML.

Desenvolvimento pós-pandemia

A pandemia de Covid-19 intensificou o avanço tecnológico, que já estava ocorrendo em empresas dos mais variados ramos e tamanhos. Com a popularização do home office e a distância dos espaços corporativos, as companhias precisaram investir em infraestrutura digital para possibilitar condições de trabalho adequadas aos seus colaboradores. 

Em entrevista à imprensa, o professor do curso técnico em Informática do Senac Giuliano Richards Ribeiro afirma que a maioria das empresas precisa migrar para o teletrabalho. A mudança é importante para que sejam mantidas as operações, mas é necessário investir em segurança. O responsável por essa transição é o profissional de TI. 

Segundo relatório da Brasscom divulgado em 2021, 53 mil pessoas se formam na área de tecnologia por ano no país — mas a demanda anual é de 159 mil profissionais. Nesse cenário, algumas empresas contratam profissionais mesmo com uma formação menos completa ou abaixo da expectativa, com o intuito de que possam complementar sua formação durante o trabalho. 

Mercado de trabalho em transformação

Conforme relatório divulgado pelo site Empregos.com.br, o setor de tecnologia foi uma das três áreas que mais contrataram em 2021. O disparo somou mais de 100 mil vagas, mostrando que os reflexos no mercado de trabalho já são evidentes.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes), atualmente o Brasil é o décimo maior mercado do mundo no segmento da Tecnologia. Já na América Latina, o país é líder — responsável por 40% do total de atividades nesse nicho.

Segundo a Abes, a procura por profissionais de TI em 2020 cresceu mais de 600% para algumas funções em São Paulo. O setor não para de avançar e de receber investimentos. De acordo com previsão da Gartner, consultoria americana de tecnologia, os gastos com TI devem chegar a US$ 4,5 trilhões em 2022. O aporte representa um aumento de 5,5% em comparação com, 2021.

Cargos mais procurados e remuneração

O estudo do site de vagas de emprego apontou ainda que os cargos mais procurados na área foram os relacionados à atividade de programação. No entanto, o campo de TI conta com a versatilidade dos profissionais para atuar em diferentes frentes — dados, produtos, suporte e manutenção, por exemplo. Todas elas estão presentes tanto no setor privado quanto no público e integram áreas como saúde, transporte, comércio, indústria e entretenimento.

O cenário de expansão, portanto, reforça o aumento de postos de trabalho para quem lida com tecnologia. A consequência da busca por esses profissionais, aprofundada no Brasil durante a pandemia, foi o aumento da remuneração dos cargos ligados à tecnologia. 

Conforme o levantamento de TI de 2021 da Plooral, os aumentos salariais na categoria chegaram a 92% em alguns casos, como agile coach. A pesquisa foi feita com mais de 36 mil informações sobre salários de 218 empresas em 14 estados brasileiros. 

Outros quatro cargos que mais contaram com aumento em sua remuneração foram os de coordenador de projetos, com acréscimos de 75%; analista de inteligência de mercado, com 53%; desenvolvedor sênior, com 45%; e coordenador de desenvolvimento, com 43%.

Print Friendly, PDF & Email

Botão Voltar ao topo
Translate »