Estilo de vida

10 Coisas que você deve saber ao comprar uma moto elétrica

Compartilhar

Está pensando em fazer parte do grupo dos adeptos a veículos sustentáveis e econômicos? Confira as 10 coisas que você deve saber ao comprar uma moto elétrica, aqui nesta página!

Primeiro devido ao seu design e depois pelas diferentes propostas comerciais das marcas, as motos elétricas já conquistaram um importante destaque na mobilidade urbana. Esse fenômeno tecnológico aconteceu mais rápido do que as perguntas que surgiram sobre suas possibilidades. 

Ao serem divulgadas como os veículos sustentáveis, econômicos e com recursos tecnológicos inovadores, se instalou o desejo de comprar scooter elétrica na mente dos entusiastas de veículos sobre duas rodas. 

Coisas que você deve saber ao comprar uma moto elétrica

A seguir, selecionamos algumas das questões mais frequentes que você deve ter em mente ao comprar uma moto elétrica:

1. O que acontece se uma moto elétrica se molhar? 

É verdade que somos ensinados desde cedo que eletricidade e água podem causar danos, mas as motos elétricas têm o mesmo uso em todos os sentidos que uma moto térmica tradicional. 

Todo o sistema elétrico é selado, projetado e desenvolvido para poder usar a moto mesmo na chuva mais forte, para poder lavá-la quando estiver suja, andar sobre poças profundas e até mesmo atravessar riachos nos modelos off-road. 

Portanto, não há problema com a água em comparação com uma motocicleta tradicional.

2. Por que as motos elétricas não têm marchas?

Essa foi uma decisão de quem desenvolveu o produto e de quem está mais ou menos ligado ao mundo das motos tradicionais que deseja que essa seja a sua proposta diferencial. 

As motocicletas elétricas também podem ter marchas, mas não precisam delas para funcionar e, em muitos casos, as marchas são mais um problema do que uma solução. 

Por quê? Bem, porque o alto torque, que é uma das principais vantagens de um motor elétrico em relação a um motor térmico, é limitado por ter que subir marchas para aproveitá-lo. 

Além disso, a linearidade do motor elétrico permite gerenciar as velocidades de maneira muito progressiva e sem depender de um sistema de engrenagens.

3. Posso carregar a moto elétrica nas tomadas da minha casa?

Sim, e esse é um dos seus grandes trunfos: podem ser carregados numa tomada doméstica tradicional. Na verdade, a maioria das motocicletas elétricas é carregada usando um plugue de 220 volts, o clássico plugue doméstico. 

Na maioria dos casos, uma tomada de carregamento tipo 2 é oferecida para estações de carregamento públicas, mas também um adaptador para carregar em uma tomada doméstica. 

Normalmente, para proteger a instalação doméstica, não é permitido carregar mais de 220 Volts e no máximo 16 Amperes.

4. Por que as motos elétricas são mais caras do que as motos movidas à gasolina?

Atualmente, os componentes mais caros de uma motocicleta elétrica são a bateria e sua parte de gerenciamento eletrônico, por trás da qual existe tecnologia – 

muitas vezes originada na competição – de custo muito alto devido a dois aspectos: o nível de software/firmware, inteligência necessária e os materiais para a construção da própria bateria. 

É um pouco como colocar uma geração de telefones celulares dos anos 2000 contra os atuais, um Nokia 3010 e um iPhone, por exemplo, não tem como comparar, pois a evolução e desempenho são muito melhores, por isso, o alto custo.

5. As motos elétricas precisam de mais manutenção do que os modelos com motores de combustão interna?

Absolutamente não. Pelo contrário, as motocicletas elétricas precisam de muito menos manutenção; aproximadamente 10% em relação ao de uma motocicleta tradicional. 

Há muito menos peças de desgaste, pois, como dissemos, por exemplo, a maioria não possui caixa de câmbio e funciona com transmissão direta.

6. Por não ter freio motor, gastam mais pastilhas de freios?

Motos elétricas possuem freios motorizados, e também pode ser regulado eletronicamente para que seja mais ou menos invasivo. 

E não só isso, pois toda vez que você freia, a bateria é recarregada. Então normalmente um veículo elétrico usa muito menos pastilhas de freio do que um veículo tradicional.

7. A moto elétrica não fazer barulho é seguro?

É mais uma questão de emissões do que de segurança. Nas grandes cidades, as emissões sonoras são um perigo e são responsáveis ​​pela perda de um bom percentual da capacidade auditiva, devido ao ruído de fundo gerado pelo tráfego de veículos. 

Isso significa que quanto menos ruído gerarmos, melhor. Identificar o ruído com certeza é um erro; a atenção ao tráfego de veículos tem que ser diferente é baseada na visibilidade, não apenas na audição de um veículo. 

8. Existem motos híbridas?

Não, atualmente existem apenas alguns protótipos não homologados. Há pouco espaço disponível para esse projeto, e é uma grande complicação tecnológica fazer coexistir um motor térmico e um motor elétrico no mesmo chassi de uma moto sem que haja uma vantagem real.

9. Por que a moto elétrica custa mais do que a scooter elétrica?

A scooter elétrica é principalmente para uso urbano para curtas distâncias e isso permite uma bateria menor e consequentemente um custo mais acessível. Por esse motivo, a disseminação das mesmas é maior do que a das motocicletas. 

Importante também é o aspecto que, devido à dimensão da bateria – na maioria das vezes menor e menos pesada – permite que ela seja retirada e carregada levando-a para casa. Nas motocicletas isso não é possível, pois se tivessem baterias pequenas seriam muito limitadas em autonomia. 

10. Qual é a vida útil da bateria de uma moto elétrica?

Depende da qualidade e tipo de bateria. A vida útil das baterias é definida com base nos ciclos de carga completos que são realizados. Dependendo do tipo de bateria, esse valor pode variar, embora geralmente esteja entre 600, 1.000 ou 1.500 ciclos completos. 

Um ciclo completo é entendido como o fato de uma bateria descarregada (0% de capacidade) estar totalmente carregada (100% de capacidade), compreendendo cerca de 150-200 km para cada ciclo.

Geralmente, a vida útil de uma bateria é determinada de acordo com o tipo de uso da moto elétrica. Por exemplo, quanto mais viagens (horas e quilometragem) forem percorridas, menor será o tempo de duração da bateria, a qual pode durar entre 1 ano e 6 meses até 3 anos no máximo.

Print Friendly, PDF & Email

Vanessa Fagundes

Assessora responsável pelo blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.
Botão Voltar ao topo
Translate »