Mundo

Portugal precisa contratar 50 mil trabalhadores para o setor do turismo

Compartilhar

A Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, estimou que Portugal precise de 45 mil a 50 mil trabalhadores no setor do turismo, empregos que poderão ser preenchidos por trabalhadores de países de língua portuguesa ao abrigo do regime de entrada e permanência de trabalhadores em Portugal, recentemente aprovado.

Numa declaração à agência Lusa, em Faro, Rita Marques anunciou que está a ser preparada, para o último trimestre do ano, uma missão empresarial portuguesa aos países da Comunidade de Língua Portuguesa para identificar trabalhadores interessados em vir para Portugal.

“O objetivo é levar uma comitiva de empresários portugueses que estejam à procura de reforçar pessoal, identificando trabalhadores dessas geografias que estejam interessados em vir para Portugal (…) e que os serviços consulares possam depois administrativamente despachar favoravelmente os vistos e possamos trazer connosco os trabalhadores que pretendem ingressar neste setor de atividade”, disse.

A Secretária de Estado, que esteve reunida com representantes do setor do turismo do Algarve, disse que, «nesta altura, em que há uma retoma pujante do setor do turismo, estamos a viver vários desafios e um deles tem a ver com a falta de capital humano».

A nova lei introduziu “alterações muitíssimo relevantes e substanciais na emissão de vistos, designadamente no âmbito dos países que ratificaram o acordo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa”.

Estimando que o País precisa de mais 45 mil a 50 mil trabalhadores para garantir a qualidade de serviços no turismo, Rita Marques disse que há a preocupação “de garantir que este capital humano também é adequadamente formado e capacitado” para manter “uma prestação de serviços de excelência”, envolvendo as escolas de hotelaria e turismo nacionais.

Eficiência hídrica

A Secretária de Estado visitou ainda dois resorts turísticos no Algarve com boas práticas de eficiência hídrica. A região é afetada por uma seca prolongada que já provocou a aplicação de medidas de poupança de água.

Referindo que Portugal, devido às alterações climáticas, está a “viver tempos de mudança no que toca aos recursos naturais” e que “a água é um recurso precioso sem o qual não se consegue prestar um serviço de qualidade”, afirmou a necessidade de “desenvolver soluções inovadoras que garantam que este recurso não é desperdiçado”.

“Os nossos empreendimentos turísticos e campos de golfe têm trabalhado, de há uns anos a esta parte, nesta agenda, e o objetivo desta visita foi conhecer entidades que desenvolvem as melhores práticas no que à utilização da água diz respeito, para inspirar outros operadores económicos a usá-las”, disse.

As empresas municipais Infraquinta e Infralobo, que gerem os resorts Quinta do Lago e Vale do Lobo, e que a Secretária de Estado visitou, têm aplicado soluções para aumentar a eficiência hídrica, sendo «dois exemplos do melhor que se faz em termos de gestão dos recursos hídricos».

Fonte: Governo de Portugal


Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

Assinatura Anual

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »