fbpx
News

Adoção de boas práticas pode aumentar produção de trigo em 1,5 milhão de toneladas no Brasil

Compartilhar

O método permitiu a identificação de locais onde o rendimento das lavouras de trigo está abaixo do potencial.

A colheita de trigo nas principais regiões produtoras do Brasil tem o potencial de crescer em mais de 1,5 milhão de toneladas, sem adição de áreas de plantio ou desenvolvimento de novas tecnologias. Um método inovador desenvolvido pela Embrapa (ver quadro abaixo) identificou locais em que o rendimento das lavouras está abaixo do potencial e poderia melhorar com a adoção de recursos já disponíveis. Ainda listou as principais causas das diferenças de produtividade entre os locais analisados.

O trabalho abrangeu 457 municípios de 79 microrregiões nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, além do Distrito Federal. O estudo foi feito em conjunto com 29 cooperativas que atuam na produção de trigo, com o objetivo de guiar ações, principalmente de transferência de tecnologias, para incrementar a produção.

Os resultados estão no documento “Lacunas de rendimento de grãos de trigo em áreas de atuação de cooperativas no Brasil”, disponível na área de publicações do Portal Embrapa. Na microrregião de Cascavel (PR), por exemplo, o aumento de produtividade poderia adicionar mais de 100 mil toneladas à colheita. Em Cruz Alta e Santo Ângelo (RS), melhorar o rendimento também faria as safras crescerem em mais de 90 mil toneladas.

Mapa da Região Homogênea de Adaptação de Cultivares de Trigo 2 – Moderadamente quente e úmida.

Os círculos representam, para cada microrregião, a quantidade produzida de trigo (parcela laranja) e a quantidade adicional (parcela azul) que poderia ter sido colhida se fossem superadas as lacunas de rendimento. Quanto maior o círculo, maior o volume total de produção que poderia ter sido alcançado.

Esses números correspondem às chamadas lacunas de rendimento – ou folgas de produtividade. Elas são calculadas a partir da diferença entre a produtividade potencial, ou seja, o melhor resultado que se poderia obter, e o que foi efetivamente alcançado. Em conjunto com as cooperativas, a equipe da Embrapa levantou as principais causas dessas lacunas.

Os resultados obtidos foram enviados às cooperativas participantes, acompanhados por um questionário. “Perguntamos quais seriam as causas daquelas diferenças encontradas e que ações poderiam ser encaminhadas para sanar essas lacunas”,conta o analista da Embrapa Trigo Adão Acosta.

O desafio da adoção de boas práticas

Entre as causas das lacunas, relatadas pelos entrevistados, estava o desafio na adoção de boas práticas relacionadas à promoção e à proteção do rendimento e ao manejo do solo. Elas reúnem ações como a mitigação de riscos climáticos, o manejo fitossanitário, rotação de culturas, fertilidade do solo e muitas outras. Segundo o gerente de Pesquisa da Cooperativa Central Gaúcha Ltda. (CCGL), Geomar Mateus Corassa, a adoção dessas práticas pode fazer parte das estratégias das cooperativas para reduzir as lacunas.

Para ele, um dos desafios a ser superado é o uso de um manejo único, sem considerar o sistema produtivo na propriedade. “Um exemplo está na escolha da cultivar de trigo. Um material é mais suscetível a uma doença e outro é mais tolerante. Enquanto algumas cultivares têm maior potencial de rendimento e exigem mais adubação, outras dependem de menor investimento para atingir o resultado máximo. O que ocorre hoje é que parte dos produtores costuma adotar um pacote de manejo padrão, com abordagem idêntica para cultivares diferentes, o que reduz a eficiência produtiva,” relata Corassa, que também participou do estudo.

Por isso, o gerente destaca que é preciso observar as peculiaridades e fragilidades específicas de cada cultivar ou, ainda, para cada talhão na lavoura, fazendo um ajuste fino para depois definir o manejo mais adequado na área. “O acompanhamento da assistência técnica da cooperativa é fundamental para identificar o melhor manejo em cada parte da lavoura. Hoje o setor produtivo conta com muitas tecnologias e conhecimentos da pesquisa que precisam ser aplicados no campo para chegarmos a uma produtividade mais estável na triticultura brasileira”, afirma Corassa.

O gerente ressalta, porém, que mesmo que o setor produtivo seja mais eficiente, preenchendo as lacunas identificadas no estudo, o que realmente define o aumento na área de trigo no País é a liquidez do mercado: “Não podemos focar apenas no aumento do rendimento, mas também na comercialização dos grãos e na rentabilidade do produtor. Por isso, a importância de a pesquisa trabalhar em conjunto com o setor produtivo, formando as bases que podem impactar toda a cadeia”, defende.

O estudo contou com o apoio da Biotrigo Genética, COAMO, Fecoagro/RS, Sistema Ocepar e RTC.

Método inovador indica metas alcançáveis

Descobrir qual poderia ser a maior produtividade alcançada por uma lavoura em determinada área é o primeiro passo para estabelecer um patamar a atingir e estimar as lacunas de rendimento. Mas como se define essa produtividade potencial? Boa parte dos estudos sobre o tema utiliza modelos matemáticos que simulam o rendimento a partir de uma série de dados sobre o local e a cultura ou resultados de experimentos.

Os pesquisadores da Embrapa Fernando Garagorry, da Superintendência de Estratégia, e Milena Yumi Ramos, da Gerência-Geral de Inteligência e Planejamento de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), desenvolveram um método inovador que utiliza dados de produção no campo. “As estimativas são baseadas no que já foi observado: são potenciais alcançáveis, resultados que já ocorreram em condições semelhantes”, ressalta Ramos.

No caso do estudo com o trigo, foi analisada a série histórica de dados de produtividade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2003 a 2018, e comparadas microrregiões dentro da mesma Região Homogênea de Adaptação de Cultivares de Trigo (RHACT) (veja mapa abaixo). São quatro RHACTs no Brasil, que delimitam áreas com condições semelhantes de temperatura, chuva e altitude, fatores que condicionam o rendimento da triticultura.

Limites originais das Regiões Homogêneas de Adaptação de Cultivares de Trigo, de acordo com Informações Técnicas para Trigo e Triticale – Safra 2019 (12ª Reunião RCBPTT)

Em cada RHACT, a equipe da Embrapa identificou, a partir dos dados do IBGE, a microrregião com maior produtividade alcançada em um determinado ano, por meio das médias registradas em cada município. Esse valor foi estabelecido como produtividade potencial e utilizado para calcular as lacunas de rendimento nas demais.

Por meio desse método observou-se, por exemplo, que, na região de clima frio e úmido do Rio Grande do Sul, agricultores da microrregião de Vacaria (RS) colheram, em média, 3,2 mil quilos de trigo por hectare (kg/ha). Em outras áreas de condições semelhantes, o rendimento foi de até 1.575 quilos menor.

Identificar as diferenças de produtividade no território nacional foi o que motivou os pesquisadores da Embrapa a se debruçarem sobre o tema. Na média brasileira, o rendimento das colheitas, especialmente de grãos, alimenta gráficos com linhas crescentes. Mas, em um território tão extenso e diverso, era de se supor que houvesse diferenças significativas entre as localidades. “A intenção do nosso trabalho é diferenciar regiões no território, o que é importante para planejar ações de transferência de tecnologias, políticas públicas e outras formas de atuação”, pontua Milena Ramos.

A equipe buscava um método que pudesse ser aplicado a diferentes culturas e à diversidade de condições encontradas no Brasil. Não haveria dados suficientes para alimentar modelos de simulação para essa diversidade de fatores. Foi, então, que decidiu recorrer às estatísticas geradas anualmente pelo IBGE. “As estatísticas oficiais são o que a gente tem de sistemático, com qualidade nos dados, algum nível de desagregação, e abrangência de muitos produtos”, explica a pesquisadora.

Além de poder ser aplicado a diferentes culturas e locais e indicar produtividades potenciais mais próximas da realidade, outra vantagem desse método é que ele pode ser aplicado ano a ano. Quando se trabalha com modelos de simulação ou condições experimentais, a produtividade potencial permanece estática até que se refaça a simulação ou o experimento. Por utilizar dados estatísticos, os parâmetros podem ser revistos com mais agilidade.

“É um método adaptativo, que leva em conta as observações ao longo do tempo. Se houve disseminação de tecnologias que aumentaram a produtividade naquele local, por exemplo, o potencial acompanha isso, não fica estático”, observa Ramos. A equipe já realizou trabalho semelhante ao do trigo para outros grãos e pretende atuar também sobre outras culturas.

Justamente pela característica adaptativa, que permite a atualização periódica, o analista André Rodrigo Farias, da Embrapa Territorial (SP), acredita que esse é um método científico que pode ser adotado no contexto operacional e de planejamento das ações das cooperativas. “Por exemplo, uma cooperativa que atue em diversas regiões e reúna milhares de produtores rurais pode adaptar a ideia de lacunas de rendimento para realizar o monitoramento dos resultados de seus cooperados. Com isso, consegue identificar aqueles locais onde os rendimentos estão baixos em termos comparativos e, com isso, propor ações para melhorá-los, o que, entre outras coisas, tende a elevar o rendimento da cultura e a remuneração ao agricultor”, detalha.

Onde está e para onde vai o trigo

A abordagem territorial tem sido utilizada pela Embrapa para levantar as possibilidades de crescimento da produção brasileira de trigo, tendo em vista que, nos últimos anos, quase a  metade da quantidade que o País consome tem sido importada. Ainda em 2015, um estudo projetou cenários de crescimento das plantações nas quatro regiões homogêneas da cultura, analisando principalmente a participação do trigo em relação à área de soja e milho da safra de verão e a otimização de locais que historicamente haviam sido ocupados pela triticultura.

Entre os resultados alcançados, o estudo apontou que o Brasil teria autossuficiência caso o trigo ocupasse 30% da área de verão cultivada com soja e milho nas regiões homogêneas, ainda que mantidos os rendimentos da cultura à época, ou seja, sem considerar possíveis aumentos de produtividade pela adoção de inovações tecnológicas.

Um segundo trabalho, dois anos depois, avaliou como a triticultura se expandiu, ou se retraiu, nas diferentes áreas do território nacional, ao longo de 25 anos. Esse estudo da dinâmica espaço-temporal comparou as áreas de trigo entre 1990 e 2014 e demonstrou que o crescimento da cultura nas regiões tradicionais de produção se concentrou principalmente no noroeste do Rio Grande do Sul, centro-sul do estado do Paraná, além de expansões mais recentes, como o entorno de Brasília, leste de Goiás e o sul de Minas Gerais. Em contrapartida, em outras regiões, como o estado do Mato Grosso do Sul e o noroeste do Paraná, o trigo perdeu participação, sobretudo pelo crescimento da adoção do milho segunda safra nos sistemas de produção.

A estimativa das lacunas de produtividade foi um terceiro esforço para compreender as diferenças que existem na produção do trigo conforme a localidade, mesmo em regiões com produção consolidada e condições ambientais semelhantes. “Nos dois primeiros estudos, nosso foco estava nas possibilidades de expansão da área ocupada com trigo em diversas regiões do Brasil. Na análise das lacunas de rendimento, as atenções estão voltadas para a produção e suas oportunidades de crescimento, sem necessariamente expandir a área cultivada”, comenta André Farias, da Embrapa Territorial.

Para tornar possível o direcionamento do estudo das lacunas para a área de atuação das cooperativas, a equipe da Embrapa Territorial precisou adaptar os limites das regiões homogêneas. “O estudo precisava contemplar as características regionais da produção do trigo e a disponibilidade de dados oficiais, mas os limites das RHACTs não coincidem exatamente com a divisão político-administrativa das microrregiões. Tínhamos ainda esse terceiro fator: a área de atuação das cooperativas. Fizemos, então, a compatibilização do perímetro das RHACTs ao contexto das microrregiões”, explica Farias. Além dessa adaptação, cada cooperativa recebeu dados sobre sua região específica de atuação, para avaliar as causas da existência das lacunas e as possíveis medidas a serem adotadas para reduzi-las.

Na avaliação do analista da Embrapa, a indicação das lacunas de produtividade nas principais regiões tritícolas completa um conjunto de informações sobre as mudanças e potenciais do cultivo do trigo no território nacional. “O incremento na produção tritícola que se espera pode vir de uma combinação de estratégias, que podem incluir a expansão das áreas de cultivo e a superação das lacunas de rendimentos. Os estudos que realizamos têm como objetivo subsidiar o desenvolvimento de ações e a aplicação de recursos para esse fim”, complementa.

Novas pesquisas com inteligência territorial aplicadas à cultura do trigo estão sendo realizadas na Embrapa, focadas principalmente na expansão da produção na região tropical do Brasil Central, que compreende áreas dos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia.

“Nesse trabalho, o objetivo é prospectar e categorizar municípios e regiões propícias à expansão do trigo tropical, envolvendo não apenas os critérios da produção no campo, mas também a integração com a indústria, a partir de dados como a localização e capacidade de moagem e infraestrutura logística disponível”, destaca Farias. O estudo, iniciado em julho, será desenvolvido durante os próximos dois anos.

Fonte: Embrapa


Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

Assinatura Anual
Assinatura Anual

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »