fbpx
News

Inovações chegam à cultura da mandioca e do capim-elefante

Compartilhar

Agricultura de precisão é possível à agricultura familiar.

Talvez a mandioca seja a mais brasileira das culturas, sendo cultivada em todo o território. Dessa forma, a pesquisa não pára de inovar e trazer soluções para o manejo dessa cultura, que traz consigo também aspectos socioculturais da população brasileira. Assim nasceu o plantio direto de mandioca, que a partir de princípios conservacionistas, traz benefícios para toda a cadeia produtiva.

O primeiro deles, apontado pelo pesquisador da Embrapa (Cruz das Almas-BA) Marco Antônio Rangel, é o econômico. O manejo em sistema plantio direto, quando feito de corretamente, traz economia de tempo e de recursos financeiros afirma o agrônomo. “Bem conduzido, não é necessário fazer todo o preparo do solo, no qual os custos são elevados. No plantio convencional, a produtividade gira ao redor de 80 toneladas por alqueire, no plantio direto esse valor é no mínimo igual, sem o custo das operações. Além disso, com o plantio na palha, há maior segurança para o ecossistema. Não é uma invenção conservacionista, há lucros consideráveis”, aponta. 

Esse é o segundo benefício, o ambiental. Por ser plantada em regiões de solos arenosos e, assim, mais frágeis e susceptíveis à erosão, a mantença da palhada previne erosões, perdas de carbono e matéria orgânica. “O plantio direto de mandioca permite a preservação da vida do solo, o maior patrimônio do produtor”, alerta o especialista em sistemas de produção voltados à agricultura familiar. 

Entretanto, iniciar a prática exige certos cuidados. Rangel comenta que o produtor acostumado à rotação de culturas, sistemas de integração e consórcios terá uma resposta melhor à adoção, devido ao bom uso do solo. Já em áreas novas, se faz necessário avaliar o solo, observar níveis de degradação, eficiência em relação à fertilidade, compactação e outros fatores só obtidos após uma análise do solo, feita por um profissional especializado e credenciado. 

Após essas medidas, a pesquisa recomenda iniciar o plantio direto em parcelas da propriedade. A mesma observação vale para o plantio de variedades ainda não testadas ou indicadas para o solo. “É iniciar devagar e na próxima safra o agricultor terá mais garantias e informações para investir”, sugere Rangel. Ele aproveita e conta que para a região de Mato Grosso do Sul há variedades para indústria disponíveis, testadas e aprovadas pela pesquisa. BRS CS 01 e BRS 420 são para os Estados do Centro-Sul (MS, SP, PR, SC e RS) e está por vir as BRS Ocauçú e BRS Boitatá. 

Para facilitar o manejo ainda há plantadoras, de fabricação nacional, e a custo acessível. O maquinário para plantio direto possui componentes específicos que afofam a terra, de forma a permitir que as raízes da mandioca se desenvolvam adequadamente e todo o potencial da cultivar seja explorado. 

Capiaçu – Outra cultura que conta com equipamentos próprios para plantio é o capim Capiaçu. De trato simples, a plantadeira deposita a muda do capim-elefante a uma profundidade de 35 cm, em entrelinhas de um metro a um metro e meio, e faz a adubação, concomitantemente.

“Sua maior qualidade é o plantio sem falhas, evitando o desperdício. A muda sendo de qualidade, a falha no plantio quase não existe”, conta Josafa Brizola da ASA Implementos. “É cuidado com o agricultor e com a muda”, destaca o técnico. 

De motor hidráulico e econômico, o implemento permite que o trabalhador faça o plantio em pé, o que permite praticidade e agilidade, e os rendimentos estão entre 1,5 a 2 alqueires/dia. É a agricultura de precisão chegando à agricultura familiar.

A Embrapa e parceiros desenvolveram o capim-elefante BRS Capiaçu, com elevado potencial de produção e valor nutritivo, visando à utilização na forma de silagem ou picado verde, em 2016. 

Esses dois temas estão presentes na edição 2022 da Tecnofam – Tecnologias e conhecimentos para a agricultura familiar – em forma de dinâmicas. A feira acontece esta semana em Dourados (MS). 

Em uma roda de conversa com a Comunidade Quilombola de Maracaju (MS), que fornece produtos para merenda escolar, Marco Rangel falou sobre o lançamento de uma variedade de mandioca e sobre as diferentes possibilidades de preparo para o produto ser mais atrativo para as crianças e também comercializado, como o chips de mandioca e a produção artesanal de cerveja de mandioca, testada e aprovada por mestre-cervejeiros catarinenses. 

Saiba mais – A Tecnofam é uma promoção da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), por meio da Unidade da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS). O evento é uma realização do Governo do Estado do Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro); Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer); Associação de Produtores Orgânicos de Mato Grosso do Sul (Apoms); Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária e Ambiental (Fundapam); Prefeitura Municipal de Dourados; Sebrae/MS; Senar/MS e Sindicato Rural de Dourados.

O evento conta com apoio da Cooperativa de Crédito Cresol, Cooperativa de Crédito Sicredi, Fundação Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento (Faped), Organização das Cooperativas Brasileiras no Mato Grosso do Sul (Sistema OCB/MS) e Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

Obs.: 1 alqueire = 2,42 hectares

Fonte: Embrapa


Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

Assinatura Anual
Assinatura Anual

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »