fbpx
Esportes

Ainda há esperança para Leclerc? As maiores reviravoltas na história da F1

Compartilhar

Max Verstappen, da Red Bull, vai para o Grande Prêmio de Cingapura com uma vantagem de 116 pontos sobre o rival mais próximo, Charles Leclerc. O piloto da Ferrari pode montar uma recuperação nas últimas seis rodadas da temporada para virar a mesa? Ou outro triunfo de Verstappen é uma formalidade? Refletimos sobre algumas das maiores viradas de títulos da história da F1 para avaliar o que ele está enfrentando…

John Surtees: 1964

20 pontos atrás com cinco corridas pela frente (sistema de pontos: 9-6-4-3-2-1)

John Surtees tornou-se o primeiro piloto a se tornar campeão mundial em duas e quatro rodas, tendo anteriormente conquistado títulos em motocicletas de 350cc e 500cc antes de conquistar os títulos de pilotos (e construtores) com a Ferrari em 1964.

O britânico enfrentou três abandonos nos quatro primeiros Grandes Prêmios, mas seguiu com o P3 em Brands Hatch, que o colocou em sétimo no campeonato e 20 pontos atrás do líder Jim Clark. Uma vitória em Nurburgring o aproximou, mas o abandono na Áustria ameaçou tirá-lo da luta pelo título.

No entanto, o triunfo na frente dos tifosi em Monza, além de P2 nos EUA e no México – ajudado pelo companheiro de equipe Lorenzo Bandini – significou que Surtees venceu o campeonato por um ponto sobre Graham Hill.

Campeonato Mundial de Fórmula 1
(da esquerda para a direita): Graham Hill, John Surtees e Lorenzo Bandini no pódio no GP da Alemanha de 1964
James Hunt: 1976

17 pontos atrás com três corridas pela frente (sistema de pontos: 9-6-4-3-2-1)

A temporada de 1976 foi uma das mais memoráveis ​​da história da F1, devido ao terrível acidente de Niki Lauda em Nurburgring, sua notável recuperação e retorno e a maneira intrigante como o campeonato se desenrolou.

Ao longo da primeira metade da temporada, Lauda ultrapassou Hunt na classificação para dar a si mesmo uma margem de mais de duas vitórias. Mas então veio seu acidente e o fogo e duas corridas fora que praticamente erradicou sua liderança. Que Lauda voltasse à ação em Monza – apenas algumas semanas depois de receber os últimos ritos em sua cama de hospital – era pouco crível, com o austríaco fazendo o que podia para manter Hunt afastado.

Em última análise, a decisão de Lauda de retirar seu carro do final da temporada no Japão – em meio a fortes chuvas – abriu caminho para Hunt conquistar o título, marcando os pontos que precisava com um pódio muito disputado.

Keke Rosberg: 1982

16 pontos atrás com cinco corridas para ir (sistema de pontos: 9-6-4-3-2-1)

As duas vitórias de Alain Prost o colocaram na disputa pelo título de 1982 antes do compatriota Didier Pironi assumir a liderança – Keke Rosberg um distante quinto lugar no campeonato com cinco das 16 rodadas restantes.

Um terrível acidente em Hockenheim, no entanto, mudou tudo, com Pironi sofrendo lesões que encerraram a carreira. John Watson, que era então segundo no campeonato, não marcou na Alemanha – mas Rosberg sim, o finlandês seguiu com P2 na Áustria (por 0,05s do vencedor Elio de Angelis) para passar Watson na classificação. Uma vitória de Rosberg no Grande Prêmio da Suíça – seu único triunfo da temporada – deu a ele a vantagem de três pontos.

Uma falta de pontuação na Itália, no entanto, trouxe Watson de volta ao quadro, estabelecendo uma decisão do título em Las Vegas, onde Watson terminou em segundo, com o P5 de Rosberg, dando a Keke seu primeiro e único campeonato.

A equipe Williams comemora quando Keke Rosberg (FIN) Williams FW08 cruza a linha de chegada para conquistar sua primeira vitória no GP e a única vitória em sua temporada vencedora do campeonato
Keke Rosberg conquistou sua primeira e única vitória da temporada de 1982 no Grande Prêmio da Suíça
Nelson Piquet: 1983

14 pontos atrás com três corridas pela frente (sistema de pontos: 9-6-4-3-2-1)

Alain Prost parecia pronto para reivindicar as honras gerais em 1983, até que a corrida pelo título explodiu nas quatro rodadas finais. Depois que o piloto da Renault colidiu com o rival da Brabham, Nelson Piquet, no Grande Prêmio da Holanda, 14 pontos separaram a dupla, com Rene Arnoux sentado entre eles.

En Monza, Piquet aproveitou um abandono relacionado ao turbo do carro de Prost para conquistar a vitória, antes de dobrar em Brands Hatch com outra vitória – chegando tentadoramente perto na classificação.

Prost ainda mantinha a liderança no final da temporada em Kyalami, mas outro DNF (de novo devido a problemas no turbo) abriu a porta para Piquet, que saltou ao chegar ao pódio e conquistou o título. Prost teria que esperar mais dois anos para quebrar seu tabu no campeonato.

Alan Prost: 1986

11 pontos atrás com duas corridas pela frente (sistema de pontos: 9-6-4-3-2-1)

Desde 1960, nenhum piloto (Jack Brabham) defendia seu título, e Prost parecia estar lutando uma batalha perdida em 1986 com duas rodadas restantes, Nigel Mansell da Williams tendo acabado de vencer o Grande Prêmio de Portugal sobre Prost em sua McLaren.

A dica é outro clássico, já que, com P2 na penúltima rodada no México, Prost saltou para seis pontos de Mansell – derrubando a outra Williams de Nelson Piquet para o terceiro lugar na classificação.

A mais poderosa Williams, com motor Honda, teve a vantagem na rodada final em Adelaide. Mas então a cobrança do título de Mansell subiu em uma espetacular chuva de faíscas, aço e borracha, o espanto palpável dos microfones de James Hunt e Murray Walker.

Com Piquet parando para evitar uma falha de pneu semelhante, Prost conseguiu sua 25ª vitória no Grande Prêmio e segundo Campeonato Mundial em circunstâncias incríveis.

Kimi Raikkonen: 2007

17 pontos atrás com duas corridas para ir (sistema de pontos: 10-8-6-5-4-3-2-1)

Kimi Raikkonen desafiou as probabilidades em 2007, quando marcou um máximo de 20 pontos nas duas últimas corridas para reverter um déficit de 17 pontos.

Após o Grande Prêmio do Japão, foi Lewis Hamilton quem liderou, 12 pontos à frente do companheiro de equipe da McLaren Fernando Alonso e mais cinco à frente de Raikkonen. Mas um abandono extremamente dramático para Hamilton na China (quando ele deslizou na entrada dos boxes com pneus intermediários gastos) virou a situação de cabeça para baixo.

Ainda com sete pontos atrás, Raikkonen conquistou friamente outra vitória no final da temporada no Brasil – apoiado pelo companheiro de equipe da Ferrari, Felipe Massa – enquanto Hamilton teve que se contentar com o sétimo depois de encontrar problemas iniciais na caixa de câmbio, com Alonso em terceiro – o que significa que o finlandês os venceu para o título por um único ponto.

Sebastian Vettel: 2010 e 2012

2010: 31 pontos atrás com seis corridas pela frente (sistema de pontos: 25-18-15-12-10-8-6-4-2-1)

Sebastian Vettel pode ter varrido 2010-13 em todos os seus quatro campeonatos, mas nem todos foram fáceis para o então piloto da Red Bull. Em 2010, o título se resumiu a uma luta de quatro vias entre Vettel, Alonso, Hamilton e Mark Webber, com Alonso da Ferrari como favorito.

A Red Bull tinha confiabilidade imperfeita naquele ano, enquanto a relação entre Webber e Vettel também havia azedado, pontos de conflito na Turquia e na Coréia entre as vitórias do alemão no Japão e no Brasil. Quando chegou a final em Abu Dhabi, Vettel venceu a corrida e teve que esperar até que Alonso cruzasse a linha de chegada em P7 – atrás de Vitaly Petrov – para ser coroado Weltmeister por quatro pontos sobre o espanhol.

2012: 39 pontos atrás com sete corridas pela frente (sistema de pontos: 25-18-15-12-10-8-6-4-2-1)

À medida que a temporada de 2012 passava da metade do caminho, as esperanças de Vettel de defender seu título de 2011 estavam desaparecendo, e Alonso parecia destinado a um terceiro campeonato devido ao abandono de Vettel na Itália – onde Hamilton venceu da pole.

Mas quando a caixa de câmbio de Hamilton falhou em Cingapura, Vettel herdou a vitória e o Japão seria ainda mais doce (um Grand Slam) quando Alonso se retirou na primeira volta. A Coréia viu Vettel superar o companheiro de equipe Webber para a vitória e depois na Índia, Vettel dominou para liderar o campeonato por 13 pontos – uma vantagem que ele manteria até o final da temporada – com unidades dignas de campeonato no Brasil e Abu Dhabi.

Lewis Hamilton: 2017

14 pontos atrás com nove corridas pela frente (sistema de pontos: 25-18-15-12-10-8-6-4-2-1)

Embora isso esteja longe de ser o maior retorno da história da F1, Hamilton teve que reverter um déficit de pontos várias vezes a caminho da coroa de 2017. Vettel teve um início de temporada relâmpago ao vencer três das seis primeiras corridas e terminar em segundo nas outras – enviando uma mensagem clara de intenção.

A batalha fluiu e refluiu à medida que a campanha se desenvolveu, culminando com um confronto controverso no Azerbaijão, mas foi Vettel quem entrou nas férias de verão como líder – o então piloto da Ferrari 14 pontos à frente de Hamilton.

No entanto, tudo deu errado para Vettel no início da sequência final, pois ele sofreu dois abandonos em três corridas – incluindo uma colisão dramática com o companheiro de equipe Kimi Raikkonen e Max Verstappen da Red Bull em Cingapura. A partir daí, Hamilton chegou à glória, terminando com 46 pontos de vantagem.

Fonte: Fórmula 1


Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

Assinatura Anual
Assinatura Anual

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »