fbpx
News

Em congresso da Abimaq, ministro defende reindustrialização do país

Compartilhar

Inovação tecnológica e indústria 4.0 são temas do evento.

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, defendeu, durante o Congresso Brasileiro da Indústria de Máquinas e Equipamentos, a reindustrialização como política de Estado.

“Esse é um ponto fundamental e é bastante forte porque reindustrialização envolve foco, escolhas de segmentos onde tenhamos capacidade de ser competitivos, estratégia de agregação de valores, principalmente com forte ação na variável pesquisa e desenvolvimento”. 

Alvim participou na manhã desta segunda-feira (19) do Painel Política de Inovação e Indústria 4.0 da 7ª edição do Congresso Brasileiro da Indústria de Máquinas e Equipamentos. Com o tema “As Transformações Necessárias”, o congresso foi organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

O evento aborda temas como o avanço e a modernização das indústrias a partir da evolução tecnológica por meio de investimentos em inovação, transformação digital e tecnologias da indústria 4.0 e quais diretrizes de políticas públicas em tecnologia e inovação devem ser criadas.

O ministro destacou que a pasta vivenciou, desde janeiro de 2019, o desafio de construir uma política nacional de inovação.

“O desafio maior é o Brasil estar na 57ª posição no índice global de inovação: o que faz a diferença quando a gente pensa em uma nova política de reindustrialização, em uma nova estratégia de país, e reposicionamento competitivo em nível internacional. Essa política de inovação foi construída num processo que ouviu a sociedade, mais que isso, foi construída uma governança de política pública de apoio à inovação, havia uma competição e não uma conversão de instrumentos de apoio à inovação pelas empresas, destacando que quem faz inovação são as empresas”.

Alvim destacou ainda a evolução das startups no país. “O esforço construído em parceria com o ecossistema de apoio às startups envolvendo, no âmbito federal, mais de 13 instituições, mas principalmente os atores públicos e privados que apoiam as startups brasileiras têm dado uma resposta muito positiva. O marco legal das startups é um instrumento que também avançou bastante”. 

Em sua fala, o ministro enfatizou a importância de dar estabilidade e continuidade às políticas do setor. “Quando falamos em Ciência, Tecnologia e Inovação, estamos falando de política de Estado e não política de governo, então é algo que tem que ser construído com todos os atores do ecossistema no sentido de dar estabilidade e continuidade para que, com isso, possamos avançar”. 

Fonte: Agência Brasil


Seu apoio é importante, torne-se um assinante! Sua assinatura contribuirá para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio!


O ensino de alta qualidade já está ao alcance de todos e em qualquer lugar. Educação de Ensino em Casa, Jardins de Infância e Escolas, com cursos educacionais pré-escolar, ensino básico, fundamental e médio, clique e comece já!

Print Friendly, PDF & Email

Joabson João

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »