fbpx
Esportes

Fórmula E terá “relevância na pista” para ultrapassar a F1, diz Filippi

Compartilhar

A Fórmula 1 está desfrutando de um boom de popularidade, mas a Fórmula E elétrica acabará sendo o foco principal de fabricantes e patrocinadores que buscam relevância nas estradas e credenciais ecológicas, previu o chefe da equipe Envision Racing, Sylvain Filippi, nesta terça-feira.

Falando na conferência Reuters IMPACT em Londres, Filippi disse que campeonatos baseados em motores de combustão interna, como a Fórmula 1, terão dificuldades para discutir a relevância à medida que a propriedade de carros elétricos aumenta.

A Comissão Europeia quer uma redução de 100% nas emissões de CO2 dos carros novos até 2035, impossibilitando a venda de carros com motor de combustão a partir de então. A Grã-Bretanha disse que proibirá a venda de novos carros e vans a gasolina e diesel em 2030.

A nova unidade de potência da Fórmula 1 a partir de 2026 será um motor V6 de 1,6 litro de alta rotação, com um elemento elétrico significativamente maior e usando combustíveis 100% sustentáveis.

“Vai ser muito difícil viver com um roteiro claramente desalinhado com o que está acontecendo”, disse Filippi à Reuters.

“Acho que em algum momento a questão da relevância da pista se tornará muito binária.

“Você é relevante na pista ou não? Você não pode realmente estar no meio pós-2030. Ainda há um pouco de tempo, mas é rápido”.

“Todo o dinheiro vai para a Fórmula E porque essa é a única coisa aceitável… muitas marcas não serão capazes de patrocinar o esporte de combustão interna”.

Por enquanto, a força de marketing e os números de audiência da Fórmula 1 são muito mais fortes, com novas corridas glamorosas nos Estados Unidos atraindo novos patrocinadores e uma série de documentários da Netflix “Drive to Survive” que anima o interesse dos fãs.

A Fórmula 1 também estabeleceu a meta de ter uma pegada líquida zero de carbono até 2030, mas a Fórmula E tem direitos exclusivos até 2039 como o único campeonato totalmente elétrico aprovado pelo órgão regulador do automobilismo da FIA.

As marcas alemãs Audi e Mercedes deixaram recentemente a Fórmula E, no entanto, a primeira deve estrear na Fórmula 1 com seu próprio motor a partir de 2026.

A Mercedes possui apenas um terço de sua equipe outrora dominante na Fórmula 1, reduzindo-a de 60% em 2020, com a gigante petroquímica Ineos assumindo um terço e o chefe da equipe Toto Wolff também possuindo a mesma quantia.

Enquanto isso, a Fórmula E sediada no centro da cidade está se expandindo para a Índia e o Brasil na próxima temporada, depois da Indonésia em 2022, quando um novo carro ‘Gen3’ mais rápido, menor e mais leve faz sua estreia nas corridas.

A série também pode introduzir pitstops de carregamento rápido, que Filippi disse que podem levar cerca de 30 segundos, para um carro com trem de força dianteiro e traseiro produzindo 600kw de potência em comparação com os 250kw anteriores.

“Isso é quase um carro de 1.000 cavalos de potência, quase o mesmo que um carro de Fórmula 1. Podemos fazer o 0-60 em menos de dois segundos e nem estamos usando pneus slick. O potencial é imenso”, disse Filippi.

Fonte: Reuters


Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

Assinatura Anual
Assinatura Anual

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »