fbpx
News

Campo Grande: escola agrícola da reme terá expansão de área para aulas práticas com estudantes

Compartilhar

As aulas práticas no campo para os alunos da Escola Municipal Agrícola Barão do Rio Branco, no distrito de Rochedinho, serão incrementadas a partir do próximo ano letivo. A unidade terá mais 10 hectares para que os estudantes desenvolvam atividades ligadas às práticas agrícolas como plantio e cuidado com os animais. A entrega simbólica da área foi realizada hoje (21), com a assinatura do termo de cedência. A ação aconteceu durante a reunião de pais e gera expectativa na comunidade escolar.

A prefeita de Campo Grande Adriane Lopes destacou que a extensão da área da unidade escolar vai valorizar e priorizar a educação no Distrito. “Estamos ampliando as ações na Escola Barão do Rio Branco. Serão 10 hectares cedidos por dois ex-alunos, para que as crianças possam desenvolver as práticas agrícolas e multiplicar a experiência do agronegócio  que a escola ensina para os jovens”.

A comerciante Juliana Araújo tem dois filhos na escola e avalia que a área será bem aproveitada pelos alunos. “É muito gratificante ver a evolução das crianças, o empenho dos professores e o cuidado da direção. Realmente é uma escola diferenciada e a gente percebe isso. As pessoas vêm até Rochedinho para comprar o famoso queijo e com a área, com certeza vai ter mais produção de leite e mais queijo para comercialização”, afirmou.

Os alunos também já aguardam pelas primeiras aulas na nova área. É o caso da Emily Vitória Rodrigues, 7 anos, que já ajuda a cuidar da horta na escola.

O produtor rural Luiz Carlos Cobalchini acredita que as aulas práticas no campo vão ajudar na melhoria do ensino. “A escola já é excelente e a interação dos alunos com a prática existe. Mas com certeza vai contribuir muito para a vivência deles com o cuidado dos animais, das plantas. É um ganho enorme”. Ele e a esposa, Elissandra Canesin Garcia, relatam que os dois filhos do casal – de 7 e 9 anos – começaram a estudar na unidade em 2022. “Eles amam a escola, e esse discernimento em praticar é muito importante”, comentou Elissandra.

A cessão de uso da área será por cinco anos, com intenção de arrendamento por mais cinco anos. A escola irá promover benfeitorias como a construção de galpão de suínos, mangueiro, barracão para leiteria e ordenha, e outro barracão para armazenamento de insumos – com banheiro e depósito. “É um avanço muito grande para toda a comunidade escolar. Será mais um espaço pedagógico, onde os alunos poderão aplicar o conhecimento teórico e valorizar a cultura campesina, presente no dia a dia dos educandos”, afirmou o diretor da escola, Francisley Galdino da Silva.

Orientação Técnica

Os alunos e funcionários já produzem queijo, doces e geleias, além de verduras que são comercializadas e doadas na região. Na área zootécnica, a escola tem criação de abelhas sem ferrão, frangos de corte e de postura. E para que tudo seja feito com os melhores procedimentos agrícolas, a unidade escolar tem o apoio técnico da Secretaria Municipal de Inovação, Desenvolvimento Econômico e Agronegócio (Sidagro).

Atualmente, a Sidagro orienta sobre os melhores processos nas hortas – orgânica e sintrópica – e orientação técnica na construção da cozinha experimental, em relação aos procedimentos corretos para obter o Selo SIM (Selo de Inspeção Municipal). Com isso, os alunos-produtores poderão comercializar os produtos dentro dos estabelecimentos de Campo Grande ampliando o mercado de vendas, já que o SIM é obrigatório para todos os produtos de origem animal. O selo atesta que os produtos são apropriados ao consumo e não apresentam risco à saúde humana.

Fonte: Prefeitura de Campo Grande


Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »