fbpx
Política

Esquerda recupera seu “fiador” na América Latina, mas desta vez com o apoio de Washington e Bruxelas

Compartilhar

Por pouco mais de um ponto percentual, o líder de esquerda e fundador do Foro de São Paulo venceu a queda de braço contra Bolsonaro, que deixa o Brasil com os índices econômicos e de segurança mais bem-sucedidos de sua história.

Pela menor diferença, o candidato de extrema-esquerda Lula da Silva venceu no segundo turno o presidente Jair Bolsonaro . Com quase 99% dos votos apurados, o ex-presidente condenado obteve 50,8% dos votos contra 49,2% para o líder da direita .

Apesar de defender as ditaduras sanguinárias de Cuba, Venezuela e Nicarágua, após a confirmação da vitória, o líder do Partido dos Trabalhadores (PT) usou suas redes sociais para publicar a palavra “Democracia” , junto com uma foto em que vê sua mão e a bandeira do Brasil.

Lula assumirá a presidência em 1º de janeiro, para o mandato 2023-2027, após ter cumprido dois mandatos anteriores (2003-2007 e 2007-2011). Praticamente sem fazer campanha sem agenda, suas únicas propostas têm sido desfazer todas as reformas que Bolsonaro fez nesses 4 anos , principalmente as mais bem-sucedidas, relacionadas à economia e à insegurança.

Entre outras coisas, propôs eliminar a Lei de Autonomia do Banco Central , “colocar o Banco Central a serviço do povo”, ou seja, emitir muito dinheiro e distribuí-lo, o que trará a inflação de volta ao Brasil, um país que eliminou completamente esse problema monetário nos últimos meses do governo Bolsonaro.

Ele também prometeu anular as reformas tributária e previdenciária decretadas pelo atual presidente, que baixaram impostos e impulsionaram a previdência privada. Este ano o Brasil o fechará como o país que mais cresceu no mundo , com atividade econômica histórica e o menor desemprego da última década.

Na insegurança, Lula propôs um desarmamento civil , revogando vários decretos de Bolsonaro em que flexibilizou a compra, venda e posse de armas nas mãos dos cidadãos. Além disso, propôs reformar a polícia , retirando muitos dos poderes que Bolsonaro lhe concedeu nos últimos 4 anos que lhe permitiram reduzir a criminalidade em 36% .

Apesar de todas essas propostas, o presidente eleito enfrentará fortes obstáculos para impulsioná-las. Ele tomará posse com um Congresso contra, mesmo com uma Câmara dos Deputados com menos de 1/3 do apoio .

Ele também terá resistência em seu próprio gabinete , que será controlado por Gerardo Alckmin, seu vice-presidente . Alckmin foi historicamente rival de Lula até a aparição de Bolsonaro, o que levou à aliança dos dois políticos.

Alckmin consolidou a Lula o apoio incondicional do Departamento de Estado dos Estados Unidos e do Itamaraty da União Européia, que no passado haviam apoiado o anti-petismo .

Mas essa aliança não foi simétrica, e Alckmin pediu o controle dos ministérios mais importantes, como Economia, Defesa, Justiça, Energia, Infraestrutura e Relações Exteriores . Tudo indica que o governo Lula terá muitas semelhanças com o de Boric no Chile, Castillo no Peru ou Petro na Colômbia , presidentes de esquerda que não conseguiram aprovar uma única reforma até agora.

Os novos movimentos de esquerda na América Latina estão mais focados em se opor à nova direita do que em promover seus próprios programas de governo , levando a presidentes amorfos cujos índices de aprovação estão caindo rapidamente entre seus próprios eleitores.

Fonte: La Derecha Diario


Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »