fbpx
News

Ministério da Economia incentiva concorrência no mercado brasileiro de diesel

Compartilhar

CNPE ratifica entendimento da Pasta sobre utilização de diferentes rotas tecnológicas para cumprir mínimo obrigatório de combustível renovável no diesel, favorecendo a concorrência e o consumidor.

Foi aprovada na última segunda-feira (21) pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) uma importante resolução para o mercado de biodiesel, que contou com forte participação da Secretaria de Acompanhamento Econômico da Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Seae/Sepec/ME). O CNPE decidiu que as diferentes rotas tecnológicas de produção de biocombustível para motores a diesel podem concorrer na composição do teor mínimo obrigatório desse combustível. A decisão favorece a concorrência e eficiência desse mercado e ratifica entendimento do parecer comentado da Seae sobre a utilização dessas rotas para favorecer a competição no mercado de combustíveis e o bem-estar do consumidor.

Passados aproximadamente dois anos de amplos debates com diversos órgãos públicos e agentes do setor privado, o governo federal consolidou o entendimento de que as diferentes tecnologias de produção de biocombustível para motores a diesel podem concorrer. Até então havia dissenso dentro do governo sobre a conveniência dessa competição no atendimento do mínimo obrigatório de biocombustível no diesel comercializado no mercado nacional.

O início da controvérsia ocorreu quando da Consulta Pública nº 03/2020, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), sobre a especificação técnica e a utilização de um novo tipo de biocombustível no Brasil para veículos movidos a óleo diesel: o diesel verde.

Nessa oportunidade, a Seae apresentou parecer defendendo a possibilidade de o diesel verde compor a mistura obrigatória de biocombustível no óleo diesel, que tinha como objetivo a ampliação das alternativas de fornecimento de biocombustíveis e o consequente acirramento da concorrência no mercado de diesel.

Isso para que a competição permitisse que o mercado selecionasse o biocombustível mais eficiente, possibilitando reduções de custo para o consumidor. Essa economia é especialmente importante para o mercado de diesel, cujo produto é insumo de várias cadeias produtivas no país, em vista da prevalência do modo rodoviário na matriz de transportes.

Para dirimir a polêmica sobre o assunto, o conselho de ministros com atribuições de formulação de políticas públicas na área de Energia organizou discussão institucional que ouviu vários órgãos da Administração, bem como atores diversos da sociedade civil. A iniciativa foi formalizada por meio da Resolução CNPE nº 13, de 9 de dezembro de 2020.

O grupo de trabalho criado por meio da resolução reconheceu o papel das novas tecnologias de produção de biocombustíveis na contestação dos incumbentes e da reserva de mercado que usufruíam à época, com base no arcabouço normativo infralegal vigente. O relatório do grupo aponta que a lei não ampara essa reserva de mercado.

Fonte: Ministério da Economia

Print Friendly, PDF & Email

Joabson João

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »